12.5 C
Brasília
domingo, 23 junho, 2024

O inimigo está dentro dos EUA

Chris Hedges [*]

“A América é uma estratocracia, uma forma de governo dominada pelos militares. É consensual entre os dois partidos no poder que deve haver uma preparação constante para a guerra. Os orçamentos gigantescos da máquina de guerra são sacrossantos. Os seus milhares de Bilhões de dólares de desperdício e fraude são ignorados. Os seus fiascos militares no Sudeste Asiático, na Ásia Central e no Oriente Médio desapareceram na imensa caverna da amnésia histórica. Esta amnésia, que significa que nunca há responsabilização, permite que a máquina de guerra esmague economicamente o país e conduza o Império para um após outro conflito autodestrutivo. Os militaristas ganham todas as eleições. Não podem perder. É impossível votar contra eles. O estado de guerra é um Götterdämmerung , como escreve Dwight Macdonald, “o crepúsculo dos deuses”.

Desde o fim da Segunda Guerra Mundial, o governo federal gastou mais de metade dos seus impostos em operações militares passadas, atuais e futuras. É a maior atividade do governo. Os sistemas militares são vendidos antes de serem produzidos, com garantias de que os enormes custos suplementares serão cobertos. A ajuda externa está condicionada à compra de armas americanas. O Egito, que recebe cerca de 1,3 Bilhões de dólares em financiamento militar estrangeiro, é obrigado a dedicá-lo à compra e manutenção de sistemas de armas americanos. Israel recebeu 158 Bilhões de dólares em assistência bilateral dos EUA desde 1949, quase todos desde 1971 sob a forma de ajuda militar, sendo a maior parte destinada à compra de armas a fabricantes de armas americanos. O povo americano financia a investigação, o desenvolvimento e a construção de sistemas de armamento e depois compra esses mesmos sistemas de armamento em nome de governos estrangeiros. Trata-se de um sistema circular de assistência social às empresas.

Entre outubro de 2021 e setembro de 2022, os EUA gastaram US$877 bilhões nas forças armadas, isso é mais do que 10 países, incluindo China, Rússia, Alemanha, França e Reino Unido juntos. Estas enormes despesas militares, juntamente com os custos crescentes de um sistema de saúde com fins lucrativos, conduziram a dívida nacional dos EUA para mais de 31 mil milhões de dólares, quase 5 bilhões de dólares a mais do que todo o Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA. Este desequilíbrio não é sustentável, especialmente quando o dólar deixar de ser a moeda de reserva mundial. Em janeiro de 2023, os EUA gastaram um recorde de US$213 bilhões no serviço dos juros de sua dívida nacional.

O povo, bombardeado com propaganda de guerra, aplaude a sua autoimolação. Deleita-se com a beleza desprezível das nossas proezas militares. Fala com os clichés que destroem o pensamento, vomitados pela cultura de massas e pela mídia. Absorve a ilusão de omnipotência e chafurda na auto-adulação.

A intoxicação da guerra é uma praga. Transmite uma emoção que é impermeável à lógica, à razão ou aos fatos. Nenhuma nação está imune. O erro mais grave cometido pelos socialistas europeus nas vésperas da Primeira Guerra Mundial foi a crença de que as classes trabalhadoras da França, Alemanha, Itália, Império Austro-Húngaro, Rússia e Grã-Bretanha não se dividiriam em tribos antagónicas devido a disputas entre governos imperialistas. Não iriam, garantiam os socialistas, assinar o acordo para o massacre suicida de milhões de trabalhadores nas trincheiras. Em vez disso, quase todos os líderes socialistas abandonaram a sua plataforma anti-guerra para apoiar a entrada do seu país na guerra. Os poucos que não o fizeram, como Rosa Luxemburgo, foram mandados para a prisão.

Uma sociedade dominada por militaristas distorce as suas instituições sociais, culturais, económicas e políticas para servir os interesses da indústria da guerra. A essência do militarismo é mascarada com subterfúgios – utilizando as forças armadas para levar a cabo missões de ajuda humanitária, evacuando civis em perigo, como vemos no Sudão, definindo a agressão militar como “intervenção humanitária” ou uma forma de proteger a democracia e a liberdade, ou louvando as forças armadas como desempenhando uma função cívica vital ao ensinar liderança, responsabilidade, ética e competências aos jovens recrutas. A verdadeira face do massacre militar-industrial é escondida.

O mantra do Estado militarizado é a segurança nacional. Se todas as discussões começam com uma questão de segurança nacional, todas as respostas incluem a força ou a ameaça da força. A preocupação com ameaças internas e externas divide o mundo em amigo e inimigo, bom e mau. As sociedades militarizadas são terreno fértil para os demagogos. Os militaristas, tal como os demagogos, vêem as outras nações e culturas à sua própria imagem – ameaçadoras e agressivas. Eles buscam apenas a dominação.

Não era do nosso interesse nacional travar uma guerra durante duas décadas no Oriente Médio. Não é do nosso interesse nacional entrar em guerra com a Rússia ou a China. Mas os militaristas precisam de guerra como um vampiro precisa de sangue.

Após o colapso da União Soviética, Mikhail Gorbachev e, mais tarde, Vladimir Putin fizeram pressão para serem integrados nas alianças económicas e militares ocidentais. Uma aliança que incluísse a Rússia teria anulado os apelos à expansão da OTAN – que os EUA tinham prometido não fazer para além das fronteiras de uma Alemanha unificada – e teria tornado impossível convencer os países da Europa Central e Oriental a gastar bilhões em equipamento militar americano. Os pedidos de Moscou foram recusados. A Rússia passou a ser o inimigo, quer quisesse quer não. Nada disto nos tornou mais seguros. A decisão de Washington de interferir nos assuntos internos da Ucrânia, apoiando um golpe de Estado em 2014, desencadeou uma guerra civil e a subsequente invasão da Rússia.

Mas para aqueles que lucram com a guerra, antagonizar a Rússia, tal como antagonizar a China, é um bom modelo de negócio. A Northrop Grumman e a Lockheed Martin viram o preço das suas ações subir 40% e 37%, respetivamente, em consequência do conflito na Ucrânia.

Uma guerra com a China, atualmente um gigante industrial, perturbaria a cadeia de abastecimento global com efeitos devastadores para os EUA e a economia mundial. A Apple produz 90% dos seus produtos na China. O comércio dos EUA com a China foi de 690,6 bilhões de dólares no ano passado. Em 2004, a produção industrial dos EUA era mais do dobro da China. Atualmente, a produção da China é quase o dobro da dos Estados Unidos. A China produz o maior número de navios, aço e smartphones do mundo. Domina a produção mundial de produtos químicos, metais, equipamento industrial pesado e eletrônica. É o maior exportador mundial de minerais de terras raras, o maior detentor de reservas e é responsável por 80% da sua refinação a nível mundial. Os minerais de terras raras são essenciais para o fabrico de chips de computador, smartphones, ecrãs de televisão, equipamento médico, lâmpadas fluorescentes, automóveis, turbinas eólicas, bombas inteligentes, aviões de combate e comunicações por satélite.

A guerra com a China resultaria numa escassez maciça de uma variedade de bens e recursos, alguns vitais para a indústria bélica, paralisando as empresas americanas. A inflação e o desemprego subiriam em flecha. O racionamento seria implementado. As bolsas de valores mundiais, pelo menos a curto prazo, seriam encerradas. Isso desencadearia uma depressão global. Se a marinha americana conseguisse bloquear os carregamentos de petróleo para a China e perturbar as suas rotas marítimas, o conflito poderia tornar-se nuclear.

Em “OTAN 2030: Unificada para uma Nova Era”, a aliança militar vê o futuro como uma batalha pela hegemonia com Estados rivais, especialmente a China. Apela à preparação de um conflito mundial prolongado. Em outubro de 2022, o general da Força Aérea Mike Minihan, chefe do Comando da Mobilidade Aérea, apresentou o seu “Manifesto da Mobilidade” numa conferência militar lotada. Durante esta diatribe ensandecida de medo, Minihan argumentou que se os EUA não escalarem dramaticamente seus preparativos para uma guerra com a China, os filhos da América ver-se-ão “subservientes a uma ordem baseada em regras que beneficia apenas um país [China]”.

De acordo com o New York Times, o Corpo de Fuzileiros Navais está a treinar unidades para assaltos nas praias, onde o Pentágono acredita que as primeiras batalhas com a China poderão ocorrer na “primeira cadeia de ilhas” que inclui “Okinawa e Taiwan até à Malásia, bem como o Mar da China Meridional e as ilhas disputadas nas Spratlys e nas Paracels”.

Os militaristas sugam fundos de programas sociais e de infraestruturas. Injetam dinheiro na investigação e desenvolvimento de sistemas de armamento e negligenciam as tecnologias de energias renováveis. Pontes, estradas, redes elétricas e diques desmoronam-se. As escolas degradam-se. A produção nacional está em declínio. Os cidadãos empobrecem. As duras formas de controlo que os militaristas testam e aperfeiçoam no estrangeiro migram de volta para a pátria. Polícia militarizada. Drones militarizados. Vigilância. Vastos complexos prisionais. Suspensão das liberdades civis básicas. Censura. Aqueles que, como Julian Assange, desafiam a estratocracia, que expõem os seus crimes e a sua loucura suicida, são implacavelmente perseguidos. Mas o estado de guerra guarda dentro de si as sementes da sua própria destruição. Ele consumirá a nação até ao seu colapso. Antes disso, atacará, como um ciclope cego, procurando restaurar o seu poder decrescente através da violência indiscriminada. A tragédia não é o fato de o estado de guerra dos EUA se auto-destruir. A tragédia é que vamos levar conosco tantos inocentes.”

09/maio/2023

[*] Jornalista, Premio Pullitzer.

O original encontra-se em www.mintpressnews.com/chris-hedges-military-industrial-complex-enemy-from-within/284496/ e a tradução em onda7.blogspot.com/2023/05/bico-calado_02082335786.html

Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS