22.5 C
Brasília
terça-feira, 18 junho, 2024

O Hegemon entrará em guerra híbrida total contra os BRICS

– A Guerra Híbrida 2.0 contra o Sul Global mal começou. Estados hesitantes: todos vocês foram advertidos.

Pepe Escobar [*]

Os hackers do Think Tank Land dos EUA não estão exatamente familiarizados com Montaigne: “No trono mais alto do mundo, ainda sentamos apenas em nosso próprio traseiro”.

A arrogância leva esses espécimes a presumir que suas nádegas flácidas são colocadas bem acima das de qualquer outra pessoa. O resultado é que uma mistura de arrogância e ignorância sempre acaba desmascarando a obviedade de suas previsões.

A Think Tank Land dos EUA – inebriada por sua aura de poder autocriada – sempre telegrafa com antecedência o que eles estão tramando. Foi o que aconteceu com o Projeto 11 de setembro (“Precisamos de um novo Pearl Harbor”). Foi o que aconteceu com o relatório da RAND sobre sobrecarregar e desequilibrar a Rússia. E agora esse é o caso com o que está para vir.

Guerra americana contra os BRICS conforme descrito pelo presidente do Conselho de Administração do Grupo Eurásia, com sede em Nova York.

É sempre doloroso sofrer com os sonhos húmidos intelectualmente superficiais do Think Thank Land disfarçados de “análises”, mas, neste caso específico, os principais atores do Sul Global precisam estar firmemente cientes do que os espera.

Previsivelmente, toda a “análise” gira em torno da humilhação iminente e devastadora para o Hegemon e seus vassalos:   o que acontece a seguir no país 404, também conhecido – por enquanto – como Ucrânia.

Brasil, Índia, Indonésia e Arábia Saudita são descartados como “quatro grandes indecisos” quando se trata da guerra por procuração dos EUA/OTAN contra a Rússia. É o mesmo velho mantra “ou você está conosco ou contra nós”.

Mas então somos apresentados aos seis principais culpados do Sul Global:  Brasil, Índia, Indonésia, Arábia Saudita, África do Sul e Turquia.

Em mais um remix grosseiro e paroquial de uma frase de efeito referente às eleições americanas, elas são qualificadas como os principais estados decisivos que o Hegemon precisará seduzir, bajular, intimidar e ameaçar para garantir seu domínio da “ordem internacional baseada em regras”.

Arábia Saudita e África do Sul foram adicionados a um relatório anterior focado nos “quatro principais pontos de contenção”.

O manifesto do “estado indeciso” observa que todos eles são membros do G-20 e “ativos tanto na geopolítica quanto na geoeconomia” (Ah, é mesmo? Isso sim é uma notícia de última hora). O que não diz é que três deles são membros do BRICS (Brasil, Índia, África do Sul) e os outros três são sérios candidatos a ingressar no BRICS+: as deliberações serão turbinadas na próxima cúpula do BRICS na África do Sul em agosto.

Portanto, fica claro de que se trata o manifesto do estado indeciso: um chamado às armas para a guerra americana contra os BRICS.

Portanto, o BRICS não tem impacto

O manifesto do estado indeciso abriga sonhos úmidos de isolamento da China. Bobagem: o aumento do comércio intra-BRICS+ estará na ordem do dia a partir de agora, especialmente com a expansão da prática do comércio em moedas nacionais (seja Brasil-China ou dentro da ASEAN), o primeiro passo para a desdolarização generalizada.

Os estados indecisos são caracterizados como “não uma nova encarnação” do Movimento Não-Alinhado (NAM), ou “outros agrupamentos dominados pelo Sul Global, como o G-77 e os BRICS”.

Fale sobre absurdo exponencial. Isso é tudo sobre o BRICS+ – que agora tem as ferramentas (incluindo o NDB, o banco BRICS) para fazer o que o NAM nunca conseguiu realizar durante a Guerra Fria: estabelecer a estrutura de um novo sistema que contorne Bretton Woods e os mecanismos de coerção interligados do Hegemon.

Quanto a afirmar que o BRICS não “têm muita força”, isso apenas revela a ignorância cósmica do Think Tank Land dos EUA sobre o que é o BRICS +.

A Índia é considerada apenas como membro do Quad – definido como um “esforço liderado pelos EUA para equilibrar a China”. Correção: conter a China.

Quanto à “opção” dos estados indecisos de escolher entre os EUA e a China em semicondutores, IA, tecnologia quântica, 5G e biotecnologia, não se trata de “opção”, mas em que nível eles são capazes de sustentar a pressão do Hegemon para demonizar a tecnologia chinesa.

A pressão sobre o Brasil, por exemplo, é muito maior do que sobre a Arábia Saudita ou a Indonésia.

No final, porém, tudo volta à obsessão neoconservadora straussiana:   a Ucrânia. Os estados indecisos, em vários graus, são culpados de se opor e/ou minar a demência das sanções. A Turquia, por exemplo, é acusada de canalizar itens de “uso duplo” para a Rússia. Nem uma palavra sobre o sistema financeiro dos EUA forçando cruelmente os bancos turcos a parar de aceitar cartões de pagamento russos MIR.

Na frente do desejo, está pérola se destaca entre muitas: “O Kremlin parece acreditar que pode ganhar a vida direcionando seu comércio para o sul e para o leste”.

Bem, a Rússia já está ganhando uma vida excelente em toda a Eurásia e em uma vasta extensão do Sul Global.

A economia refloresceu (os impulsionadores são o turismo doméstico, a construção de máquinas e a indústria metalúrgica); a inflação é de apenas 2,5% (menor do que em qualquer lugar da UE); o desemprego é de apenas 3,5%; e a chefe do Banco Central, Elvira Nabiullina, disse que até 2024 o crescimento voltará aos níveis pré-SMO.

O Think Tankland dos EUA é incapaz de entender que, mesmo que os países do BRICS + ainda tenham alguns problemas sérios de crédito comercial para resolver, Moscou já mostrou como mesmo um forte apoio implícito de uma moeda pode se tornar uma mudança instantânea no jogo. A Rússia está ao mesmo tempo apoiando não apenas o rublo, mas também o yuan.

Enquanto isso, a caravana de desdolarização do Sul Global avança implacavelmente – por mais que as hienas de guerra por procuração continuem uivando no escuro. Quando a escala total – impressionante – da humilhação da OTAN na Ucrânia se desenrolar, possivelmente em meados do verão, o trem de alta velocidade da desdolarização estará lotado, sem parar.

“Oferta que você não pode recusar” aparece novamente

Se tudo o que foi dito acima já não fosse bobo o suficiente, o manifesto do “estado indeciso” dobra a aposta na frente nuclear, acusando “riscos de proliferação (nuclear) futura”: especialmente – quem mais séria? – o Irã.

A propósito, a Rússia é definida como uma “potência média, mas em declínio”. E “hiper revisionista” ainda por cima. Caramba: com “especialistas” assim, os americanos nem precisam de inimigos.

E sim, agora você pode ser desculpado para cair na gargalhada: a China é acusada de tentar dirigir e cooptar o BRICS. A “sugestão” – ou “oferta que você não pode recusar”, no estilo da Máfia – para os estados indecisos é que você não pode se juntar a um “corpo dirigido pelos chineses e auxiliado pela Rússia que se opõe ativamente aos Estados Unidos”.

A mensagem é inconfundível: “A ameaça de uma cooptação sino-russa de um BRICS expandido – e por meio dele, do sul global – é real e precisa ser abordada”.

E aqui estão as receitas para lidar com isso. Convide a maioria dos estados indecisos para o G-7 (foi um fracasso miserável). “Mais visitas de alto nível de importantes diplomatas dos EUA” (bem-vindo à distribuidora de biscoitos Vicky Nuland). E por último, mas não menos importante, as táticas da Máfia, como em uma “estratégia comercial mais ágil começa a quebrar a via do acesso ao mercado dos EUA”.

O manifesto do estado indeciso não podia deixar de deixar o Top Cat fora do saco, prevendo, ao invés rezando para que “as tensões EUA-China aumentem dramaticamente e se transformem em um confronto no estilo da Guerra Fria”. Isso já está acontecendo – desencadeado pelo Hegemon.

Então, qual seria a consequencial? O tão procurado e mortal “desacoplamento”, forçando os estados indecisos a “alinhar-se mais estreitamente com um lado ou outro”. É “você está conosco ou contra nós” tudo de novo.

Então, lá vamos nós. Cru, em carne e osso – com ameaças veladas embutidas. A Guerra Híbrida 2.0 contra o Sul Global ainda nem começou. Estados indecisos, todos vocês foram avisados.

Junho/2023

[*] Analista geopolítico.

O original encontra-se em strategic-culture.org/news/2023/06/10/the-hegemon-will-go-full-hybrid-war-against-brics/ e a tradução em sakerlatam.org/o-hegemon-fara-uma-guerra-totalmente-hibrida-contra-o-brics/

Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS