19.5 C
Brasília
sábado, 15 junho, 2024

O golpe no Gabão revela a crise da política externa da França. Todos os golpes militares ocorreram em suas ex-colônias

Crise no país Africano aprofunda a miséria da população – © Foto / Imagem da emissora Gabon 24

Heba Ayyad*

A jornalista internacional Heba Ayyad publicou uma reportagem sobre a política externa francesa, que atingiu um estado deplorável com um novo golpe no continente africano.

Todos os golpes de Estado que a África testemunhou desde 1990 tiveram lugar nas antigas colônias francesas. “As inversões são como um resfriado comum, contagiosas”, disse. Em 30 de agosto, oficiais no Gabão anunciavam na televisão estatal que tinham tomado o país, um mês depois de os generais terem deposto o presidente eleito do Níger.

A recente convulsão obscurece a maneira como a África está regredindo. No início do século XXI, o continente testemunhou um declínio na ocorrência de golpes de estado, devido a transições democráticas e mudanças nas normas políticas e em instituições sólidas. No entanto, com o início da segunda década do século, essas normas e instituições pareceram enfraquecidas, deixando a África sem defensores da democracia, o que resultou nos golpes de estado se tornando um fenômeno comum.

“Todo golpe tem suas razões. O Gabão, uma ex-colônia francesa, é governado desde 1967 pela família Bongo, primeiro por Omar Bongo e depois por seu filho Ali Bongo desde 2009.”

Embora o Gabão seja o quarto país em termos de PIB per capita entre os países do Sahel e do Sahara, o membro da OPEP é um estudo de caso na “maldição dos recursos naturais”. Segundo o Banco Mundial, um terço da população do país é considerado pobre.

No ano passado, um tribunal francês proferiu sentenças contra cinco filhos de Bongo por uso indevido de fundos estatais e outros alegados crimes.

Os defensores da democracia no país expressaram os seus receios de fraude eleitoral em 26 de agosto, receios que foram agravados pelo encerramento da Internet no dia das eleições. Em vez de aceitarem os resultados das eleições, os oficiais, talvez com a ajuda da tribo Bongo, decidiram assumir o controlo do país e resolver o problema com as próprias mãos.

O Gabão mantém-se como parte de uma tendência geral: entre 1960 e 2000, foram registadas 40 tentativas de golpe de Estado ou golpes de Estado bem-sucedidos em todo o mundo, com base em dados recolhidos pelos investigadores políticos Jonathan Powell e Clayton Tenn. Na primeira década do século XXI, ocorreram 20 golpes de Estado e 17 na segunda década. Com o início da terceira década, foram registrados 14 golpes de Estado até o momento.

Embora cada caso de golpe seja específico, existe uma explicação geral para o mesmo: a pandemia e o aumento dos preços globais afetaram as economias africanas de tal forma que aumentou o custo de vida. Os governos já não possuem recursos para gastar no cuidado de seus leais. E quando não há segurança, os generais parecem mais inclinados a agir.

Com o aumento das ações ilegais e sem repercussão, é notável que muitos estejam tentando repeti-las. No início deste século, instituições africanas como a União Africana e os blocos regionais foram decisivos em suas denúncias desses golpes. Os líderes de países como Nigéria e África do Sul denunciaram-nos e encontraram apoio de países ocidentais que ampliaram e fortaleceram a denúncia.

Os tempos mudaram agora; hoje em dia, a liderança africana parece fraca, e mesmo que os países ocidentais denunciem um golpe de Estado – o que nem sempre é o caso – há a China e a Rússia, que não se importam muito com as normas democráticas.

Os acontecimentos no Gabão lembram que a política francesa em relação à África tornou-se fraca. Desde 1990, 24 dos 40 golpes de Estado bem-sucedidos ocorreram em antigas colônias francesas ou grupos francófonos, segundo os pesquisadores Paul e Taine. Sua participação aumentou desde 2020, chegando a 16 em 24 golpes.

“Isto não é uma coincidência. O governo francês adota uma posição que interfere mais nas antigas colônias do que na Grã-Bretanha. Ainda mantém bases militares no Gabão, aumentando a sensação, explorada pelos outros países, de que Paris está subsidiando as elites africanas submissas e corruptas, às custas dos interesses das pessoas comuns. A verdade é mais complexa do que isso, mas os golpes de Estado não são ações exatas.”

*Heba Ayyad é jornalista, Palestina/brasileira, escritora, poeta e analista de política internacional

ÚLTIMAS NOTÍCIAS