21.5 C
Brasília
sábado, 22 junho, 2024

O fim da era do dólar americano como moeda de reserva – Uma mudança de paradigma

Paul Craig Roberts [*]entrevistado por Michael Whitney

A imposição de sanções serviu como um alerta para a comunidade global sobre as vulnerabilidades associadas ao uso do dólar.    Em consequência, a aliança dos BRICS conheceu uma súbita e significativa expansão, acolhendo no seu seio a Argentina, o Egito, o Irã, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos.   Esta transformação levou à incorporação de quase toda a produção global de petróleo e de uma proporção substancial de 40-45% do Produto Interno Bruto mundial na organização.

Os novos BRICS.

Os novos BRICS.

Mike Whitney (MW): Em que medida é que a guerra na Ucrânia acelerou a mudança para um novo realinhamento global?

Paul Craig Roberts (PCR): Foram as sanções económicas de Washington contra a Rússia, o roubo das reservas do banco central russo e o roubo do ouro da Venezuela, e não o conflito na Ucrânia, que transformaram o dólar americano em arma e resultaram num realinhamento global.

A intervenção russa limitada no Donbass foi a resposta tardia de Putin, atrasada oito anos, ao golpe dos EUA que derrubou o governo da Ucrânia em 2014 e instalou um governo hostil à Rússia e à população russa que havia sido incorporada na província ucraniana da União Soviética pelos líderes soviéticos. A intervenção foi imposta a Putin pelo facto de os Estados Unidos terem criado um grande exército ucraniano pronto a derrubar as auto-declaradas repúblicas do Donbass.

Por hábito e conveniência, o dólar americano é utilizado como moeda mundial para resolver os desequilíbrios do comércio internacional, mas as sanções despertaram o mundo para os riscos da utilização do dólar. Consequentemente, os BRICS expandiram-se subitamente, com a adesão da Argentina, do Egito, do Irão, da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos. Atualmente, a organização contém essencialmente a totalidade da produção mundial de petróleo e 40-45% do PIB mundial.

É evidente que já se registou um realinhamento.

MW: O Irã, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos aderiram agora aos BRICS. Como é que isto vai afetar o papel do dólar como moeda de reserva mundial? (Será o fim do petrodólar?)

PCR: A Arábia Saudita anunciou o fim do petrodólar quando começou a aceitar o pagamento do petróleo noutras moedas. Os BRICS estão a tentar encontrar uma forma de fazer comércio entre si sem recorrer ao dólar americano, o que, de facto, põe fim ao papel do dólar como moeda de reserva mundial.

Os BRICS poderiam tentar criar uma nova moeda de reserva constituída por um cabaz ponderado das suas moedas. Isto é desnecessário e poderia levar a tensões entre os membros dos BRICS devido a disputas sobre as quotas de cada moeda no cabaz. Uma moeda de reserva já não é necessária. Uma moeda de reserva foi necessária no final da Segunda Guerra Mundial porque as outras economias industrializadas haviam sido destruídas. Como os EUA tinham a única economia intacta, este papel coube ao dólar americano. Atualmente, não é essa a situação. Os bancos centrais podem manter as suas reservas sob a forma das moedas dos seus parceiros comerciais.

O que isto significa para Washington é que os EUA vão começar a ter problemas de financiamento para os seus grandes défices orçamentais e comerciais. Enquanto o dólar foi a moeda mundial, os bancos centrais estrangeiros mantiveram as suas reservas em dívida do Tesouro americano. À medida que os défices orçamentais e comerciais dos EUA aumentavam, o mesmo acontecia com as reservas do sistema bancário mundial.

A situação está a mudar. Se uma dúzia de países que constituem cerca de metade da população mundial e 40-45% do PIB mundial deixarem de usar o dólar, o mercado dos bancos centrais estrangeiros para a dívida dos EUA diminui consideravelmente. Tendo externalizado a sua produção, os EUA dependem das importações. A diminuição da utilização do dólar significa uma diminuição da oferta de clientes para a dívida dos EUA, o que significa pressão sobre o valor de troca do dólar e a perspectiva de aumento da inflação devido ao aumento dos preços das importações.

Comércio Arábia Saudita-China.

Comércio Arábia Saudita-China.

MW: Washington pode permitir que este realinhamento se mantenha ou devemos esperar um golpe de Estado na Arábia Saudita, onde os EUA têm cinco bases militares e numerosos escritórios da CIA?

PCR: Não sei se Washington tem capacidade para derrubar o governo saudita ou se a Rússia, a China e o Irão o permitiriam. Recorde-se que o Presidente Obama ia derrubar Assad na Síria, mas Putin não o permitiu.

MW: Os sonhos globalistas dos oligarcas ocidentais (WEF) parecem estar a chegar ao fim, juntamente com a chamada “ordem baseada em regras”. Na sua opinião, qual a importância de Vladimir Putin na liderança de uma “nova arquitetura para a segurança global” e no lançamento das bases para uma nova ordem mundial multipolar?

PCR: O que destruiu a versão de Washington da ordem mundial foi a frieza do Ocidente face aos esforços de Putin para fazer parte da ordem mundial em pé de igualdade e não numa posição subserviente. Foi a arrogância e a insensatez de Washington que destruíram a ordem mundial.

MW: Antes de morrer, o conselheiro de segurança nacional Zbigniew Brzezinski avisou que os EUA teriam de procurar um acordo com a Rússia e a China para facilitar a transição do sistema unipolar. Eis o que ele disse:

“À medida que a sua era de domínio global termina, os Estados Unidos têm de assumir a liderança no realinhamento da arquitetura do poder global… os Estados Unidos continuam a ser a entidade política, económica e militarmente mais poderosa do mundo, mas, dadas as complexas mudanças geopolíticas nos equilíbrios regionais, já não são o poder imperial global….

os Estados Unidos devem assumir a liderança no realinhamento da arquitetura do poder global de forma a que a violência … possa ser contida sem destruir a ordem global….

um longo e doloroso caminho em direção a uma acomodação regional inicialmente limitada é a única opção viável para os Estados Unidos, a Rússia, a China e as entidades pertinentes do Médio Oriente. Para os Estados Unidos, isso exigirá uma persistência paciente na criação de relações de cooperação com alguns novos parceiros (particularmente a Rússia e a China) …

O facto é que nunca houve uma potência global verdadeiramente “dominante” até ao aparecimento da América na cena mundial…. Durante a última parte do século XX, nenhuma outra potência se aproximou. Essa era está agora a terminar.

Toward a Global Realignment, Zbigniew Brzezinski, The American Interest

MW: Na sua opinião, como é que os Estados Unidos devem lidar com Moscovo e Pequim? Haverá uma forma de defendermos os interesses dos EUA e, ao mesmo tempo, evitarmos anos de conflitos e confrontos? Quais deveriam ser os objetivos da nossa política externa?

PCR: O objetivo de hegemonia dos Estados Unidos, defendido pelos neoconservadores, impede Washington de ouvir os conselhos de Brzezinski. A oportunidade de Washington para lidar com a Rússia e a China já passou. A questão que se coloca é como é que a Rússia e a China vão lidar com Washington. O monopólio neoconservador da política externa dos EUA significa que não há outras vozes para Washington ouvir e a hegemonia americana está fora de questão.

31/agosto/2023

Ver também:

Does BRICS Need Its Own Currency?

[*] Economista, presidente do The Institute for Political Economy. Foi colunista de The Wall Street Journal e secretário Adjunto do Tesouro durante o governo Reagan.

O original encontra-se em geopolitics.co/2023/08/30/the-end-of-the-usd-reserve-currency-era-experts-predict-a-paradigm-shift/.

Esta entrevista encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS