26.5 C
Brasília
terça-feira, 28 maio, 2024

O filme cubano A Mulher Selvagem continua sua jornada pelos holofotes

Havana (Prensa Latina) O filme cubano A Mulher Selvagem (2023) viaja entre os holofotes, já que amanhã será inaugurado o XXIV Festival de Cinema de Havana em Nova York e no dia 20 será exibido em Cuba no festival nacional de cinematografia.

Por Dai Liem Lafá Armenteros

Da redação de Cultura

Aproveitando o contexto de participação no evento de Nova York e nas comemorações do 65º aniversário do Instituto Cubano de Arte e Indústria Cinematográfica (ICAIC), o cineasta Alàn Gonzàlez concedeu entrevista exclusiva à Prensa Latina sobre seu filme de estreia.

O jovem realizador destacou primeiro a sua satisfação com a equipa de trabalho que o acompanhou, pois acredita que o cinema é uma arte colectiva.

Y además de ser su primer filme, dijo, también lo fue para el director de fotografía Lorenzo Casadio Vanucci, junto a un colectivo de experiencia con Claudia Calviño en la producción, Johanna Montero en la edición y Nuris Duarte en el guion junto al realizador, entre outros.

O diretor elogiou a atuação protagonista da atriz Lola Amores (em sua interpretação de Yolanda), a quem descreveu como fundamental, por se tratar de um filme de personagem que conta a história de uma mulher imperfeita, mas perfeita nessa imperfeição.

Para ela, A Mulher Selvagem é uma obra que defende aquelas pessoas que supostamente cometem erros e que a sociedade muitas vezes atropela e questiona, em vez de compreendê-las e dar-lhes uma mão.

E é isso que o público certamente viu, para mim é um filme aparentemente violento, mas no fundo cheio de humanidade; É um filme sobre o amor, um tema universal que nos tocará a todos de uma forma ou de outra, afirmou.

Quão selvagem é a Mulher Selvagem? É uma pergunta que muitos ainda se colocam nos vários acontecimentos cinematográficos abrangidos por este filme.

“Para mim o título do filme é um julgamento sobre esta mulher-protagonista, no momento em que ela é levada a julgamento. E ao mesmo tempo é uma provocação, um gancho para que o espectador vá ver nas salas de cinema e seja quem decida o quão selvagem é.

Mas também pensando em diferentes interpretações da palavra – refletiu o diretor – porque a selvageria é algo que ocorre em abundância, e às vezes pensamos que está muito longe quando na realidade pode ocorrer muito perto de nós.

Este é um personagem que existe, de alguma forma, com todas as suas nuances embora sejamos todos diferentes. Temos a tendência de acreditar que pessoas como o protagonista estão distantes do nosso contexto, quando pensamos nos lugares onde geralmente vivem os cineastas.”

Porém, esta (Yolanda) é uma mulher cubana e creio que no filme, através do seu olhar e das suas ações, ela expressa um sentimento muito atual, afirmou a jovem realizadora.

Quanto ao elenco, González destacou que tiveram a oportunidade de participar atores que nunca haviam trabalhado no cinema, ou são provenientes de outras províncias cubanas e até pessoas que nunca sonharam em atuar na vida.

E dentro de tudo isso, para mim é essencial conseguir um tom coerente e uniforme na abordagem de atuação. Aqui temos nomes muito diversos, como Jorge Perugorría, um dos atores cubanos mais internacionais, destacou.

Depois, há também atrizes conhecidas como Yaité Ruíz, Yailín Coppola, Odelmys Torres e Grisell Monzón, que desempenharam um papel espetacular que poderia ter sido um desastre, mas acabou ótimo, disse o diretor com satisfação.

Estou muito feliz com o filme, e para a protagonista Lola Amores foi um desafio muito grande, pois Yolanda enfrenta toda uma constelação de personagens que de uma forma ou de outra chegam a julgá-la pela relação com o filho e pelos acontecimentos de sua vida. própria vida.

González destacou as nuances com que o filme mostra todos esses personagens, sem julgá-los, algo que lhe parece fundamental nestes tempos, podendo acessar o outro sem julgá-lo, o que em sua opinião também pode ter despertado o interesse do público pelo filme.

A Mulher Selvagem estreou em 2023 no Festival de Cinema de Toronto, no Canadá, evento de categoria A que, na opinião de González, prestigia e coloca um filme no foco de interesse de outros eventos semelhantes.

O diretor confessou que ficou muito feliz por ter conquistado três prêmios nas categorias Melhor Filme, Melhor Performance Principal e Melhor Som no XXXIII Festival de Cinema do Ceará, Brasil.

Este longa de estreia foi coroado em dezembro de 2023 com diversos prêmios no quadragésimo quarto Festival Internacional do Novo Cinema Latino-Americano de Havana, incluindo o Prêmio Especial do Júri Coral.

Eventos cinematográficos em cidades tão diversas como Roterdão, Málaga e Miami testemunham a passagem graciosa de The Wild Woman, vencedora de vários prémios, incluindo prémios para a sua actriz principal Lola Amores e agora estreando em Nova Iorque.

E entre as grandes satisfações de viajar o filme por diferentes latitudes está, segundo seu diretor, a constatação de que ele pode ser compreendido, assimilado e pensado a partir de outros lugares.

Contar um filme que nos representa, e também as suas dores e preocupações sobre a sociedade em que você vive, e ao mesmo tempo a história pode se conectar com pessoas de outros países, é lindo, admitiu González, e ao mesmo tempo é um desafio para todo cineasta.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS