26.5 C
Brasília
segunda-feira, 27 maio, 2024

O enigma do Moskva – Preparem-se: algo letalmente “assimétrico” pode estar prestes a surgir

Pepe Escobar [*]
Nem a OTAN nem a Rússia nos dizem o que realmente aconteceu com o Moskva, o lendário navio almirante da frota do Mar Negro.
A OTAN porque, em teoria, eles sabem. Moscou, por seu lado, deixou claro que não estão a dizer nada até poderem ter a certeza do que aconteceu.
Uma coisa é certa. Se o Ministério da Defesa russo descobrir ter sido a OTAN que o fez, soltarão todos os cães do Inferno sobre ela, de modo “assimétrico, letal e rápido”.
Sobre a localização de Moskva: estava posicionado próximo de uma das três plataformas de perfuração, utilizadas para monitorizar todo um sector do Mar Negro com hidrofones e radar NEVA-BS, o mais a oeste, BK-2 Odessa, a cerca de 66 km a nordeste da Ilha da Serpente. Tudo isto estava integrado nos sistemas regionais de monitorização. Tudo, literalmente, estava monitorizado: navios, alvos em voo baixo, ressonâncias mais pequenas, até mesmo a cabeça fora da água de um nadador insuspeito.
Assim, havia uma hipótese bastante reduzida de que qualquer coisa – para não mencionar os mísseis subsónicos Neptune e os drones Bayraktar – pudesse ter escapado a esta rede aérea.
Então, o que poderia ter acontecido?
Poderia ter sido algum tipo de drone subaquático, libertado ou por algum submarino sorrateiro, ou por uma equipa do SBS [Special Boat Service, da Royal Navy], vinda da costa ocidental, com uma paragem na Ilha Snake. Depois aquele drone conseguiu de alguma forma perfurar o casco do Moskva a partir de baixo – e explodiu a sua carga útil no interior.
O que se segue vem de uma fonte top em Bruxelas: ela é séria, digna de confiança e comprovada ao longo de quase duas décadas. No entanto, ela pode estar apenas a espalhar desinformação. Ou a gabar-se. Ou isso pode ser informação sólida como rocha.
Antes de começarmos, devemos salientar que é difícil acreditar no conto de fadas do Neptune/Bayraktar. Afinal de contas, como vimos, a frota russa havia estabelecido uma camada de vigilância/defesa multidimensional na direção de Odessa.
Moskva estava perto de Odessa, mais próximo da Roménia. Há um ano atrás, sustenta a fonte, fora nele instalado um novo localizador de gama faseada (phased array): o alcance de avistamento é de 500 km. De acordo com a narrativa padrão ucraniana, primeiro o Moskva foi atingido por um drone e os localizadores e antenas foram esmagados. O Moskva ficou meio cego.
Depois – de acordo com a narrativa ucraniana – eles lançaram dois mísseis de cruzeiro de Neptuno a partir da costa. A orientação foi levada a cabo pelo Orion da OTAN que pairava sobre a Roménia. Os mísseis fizeram zoom sobre o navio com as cabeças de mira (homing heads) desligadas, de modo a que o feixe de radiação não fosse detectado.
Assim, temos orientação do Orion da OTAN, transmitindo as coordenadas exatas, levando a dois disparos e subsequente detonação de munições (esta é a parte reconhecida pelo Ministério da Defesa russo).
Um golpe estratégico
Moskva estava em serviço de combate a 100-120 km de Odessa – controlando o espaço aéreo dentro de um raio de 250-300 km. Assim, na realidade, assegurava a sobreposição da metade sul da Moldávia, do espaço desde Izmail até Odessa e parte da Roménia (incluindo o porto de Constanta).
Localização do Moskva.
O seu posicionamento não podia ser mais estratégico. O Moskva interferia com a transferência encoberta de aviões militares da OTAN (helicópteros e jactos de combate) da Roménia para a Ucrânia. Vigiava 24 horas por dia, 7 dias por semana. O reconhecimento aéreo da OTAN estava a ser totalmente efetuado.
Como “assassino” do Moskva, a OTAN pode não ter escolhido o Neptuno, tal como propalado pela propaganda ucraniana; a fonte aponta para a quinta geração do NSM PKR (Naval Strike Missile, com um alcance de 185 km, desenvolvido pela Noruega e pelos americanos).
Ele descreve o NSM como “capaz de atingir o alvo ao longo de uma rota programada graças ao INS ajustado por GPS, encontrar independentemente o alvo voando até ele a uma altitude de 3-5 metros. Ao atingir o alvo, o NSM manobra e implementa interferências electrónicas. Um termovisor altamente sensível é utilizado como sistema de localização (homing system), o qual determina independentemente os locais mais vulneráveis do navio alvo”.
Como consequência direta de atingir o Moskva, a OTAN conseguiu reabrir um corredor aéreo para a transferência de aeronaves para os aeródromos das regiões de Chernivtsi, Transcarpathian e Ivano-Frankivsk.
Paralelamente, após a destruição do Moskva, a frota do Mar Negro, segundo a fonte, “já não parece ter mais um navio equipado com um sistema de mísseis antiaéreos de longo alcance”. Claro que um sistema de radar de três bandas Sky-M continua em jogo na Crimeia, capaz de detectar todos os alvos aéreos num alcance de até 600 km. É de perguntar se isto será suficiente para todos os objectivos russos.
Então, o que é que realmente temos aqui? Fantasia ou realidade? Só havia uma forma de saber.
Passei a informação ao inestimável Andrei Martyanov, que conheceu o Moskva em 1981 quando tinha o nome de “Slava e flutuava na Baía Norte de Sevastopol, e à minha turma, que estava no primeiro treino de Verão a bordo do velho cruzador Dzerzhinsky, foi dada uma extensa apresentação. Portanto, ela era uma senhora idosa e é pena que tivesse de terminar a sua longa vida deste modo e neste momento”.
Martyanov, mais uma vez, foi um profissional consumado, salientando que ninguém, nesta fase, ninguém sabe realmente o que aconteceu. Mas ele fez algumas observações cruciais: “Por NSM (se aceitarmos esta versão), mesmo com a sua Baixa Observabilidade e orientação GPS sob condições normais (isto é, acima do mar até ao estado 5-6) e radio-permeabilidade normal, mesmo o velho radar de fragata Moskva teria visto esses mísseis a distâncias de dezenas de quilómetros, algures entre 15-20, com toda a certeza. Os NSM, como qualquer míssil anti-navegação da OTAN, são subsónicos, com a sua velocidade de cerca de 300 metros por segundo. Isso deixa, mesmo num alcance de 15 quilómetros, 45 segundos para detectar o rasto e desenvolver uma solução de disparo para qualquer complexo AD “em serviço”. Tempo de reação mais do que suficiente”.
Martyanov também enfatiza que “é impossível esconder o impacto externo do míssil anti-navio – saber-se-á imediatamente o que o atingiu. Além disso, para atingir e afundar um alvo como o Moskva é necessário lançar uma salva e não apenas dois mísseis, provavelmente 3 a 4 pelo menos. Neste caso, a Rússia saberia quem atacou o Moskva. Será que a NATO sabe? Tenho a certeza de que este evento tem OTAN escrito em todo o lado, se não se tratar de uma sabotagem interna que nesta fase não pode absolutamente ser excluída. Tenho a certeza de que se o Nebo estivesse operacional teria visto a salva”.
O que nos leva ao inevitável golpe: “Se a OTAN esteve envolvida, estou certo de que veremos alguma retaliação, afinal de contas, como estou a registar o tempo todo, as bases dos EUA no Oriente Médio e alhures não passam de alvos gordos e prestigiosos”.
Portanto, preparem-se: algo letalmente “assimétrico” pode estar prestes a surgir.
25/Abril/2022
[*] Analista político.
O original encontra-se em thesaker.is/the-moskva-riddle/
Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS