15.5 C
Brasília
terça-feira, 11 junho, 2024

O dólar como arma política e a desdolarização

– A hegemonia do dólar americano é hoje, no mundo, uma das principais fontes de instabilidade económica e social.

Pedro Barragán

Por um lado, a política de taxas de juro financeiras norte-americana está a provocar a falência de numerosos países em desenvolvimento, além de desvalorizações e reduções do crescimento em países desenvolvidos como o Reino Unido, a União Europeia e o Japão, e problemas para o mercado norte-americano. os próprios bancos (caso do Silicon Valley Bank e outros); e por outro lado, os Estados Unidos utilizam o dólar como arma geopolítica, através do sistema de sanções unilaterais contra um grande número de países.

.

Mas foi na questão monetária, onde as ações tomadas pelos Estados Unidos contra a Rússia no contexto da crise da Ucrânia e usando o dólar como instrumento de punição, o que gerou incerteza geral entre muitos países devido ao medo de que os Estados Unidos podem usar o dólar contra eles como fizeram contra a Rússia.

Esta situação gerou duas tendências entre os países em desenvolvimento que, não esqueçamos, constituem a grande maioria da população mundial. As pessoas começaram a falar sobre “desdolarização” todos os dias e em todos os meios de comunicação e tem havido um movimento de um grande número de países em direção a duas organizações internacionais: os BRICS e a Organização de Cooperação de Xangai (SCO).

Este movimento de desdolarização está também a atingir as reservas de ouro que alguns países têm armazenadas nos Estados Unidos ou no Reino Unido. Durante o mês de Abril, a África do Sul, a Nigéria e o Gana retiraram parte das suas reservas de ouro armazenadas nos Estados Unidos em consequência das políticas deste país e nos últimos dias foi a Índia que repatriou mais de 100 toneladas de ouro localizadas no Reino Unido para o seu país, de acordo com The Times of India .

A utilização do dólar como moeda de reserva também está a sofrer um declínio em termos reais como resultado desta situação e da diversificação para outras moedas que países como a Arábia Saudita, a China, a Índia e a Turquia estão a realizar.

Há uma clara tendência de declínio do dólar como moeda de reserva oficial, que, embora mantenha o primeiro lugar no mundo, tem vindo a diminuir ao longo dos últimos 20 anos, tendo a queda torando-se mais acentuada nos últimos tempos em resultado das sanções contra a Rússia.

A evolução dos títulos do Tesouro norte-americanos

Os bonos utilizam-se tanto como mecanismo de reserva monetária dos governos como de garantia de depósito em quase-efetivo para as empresas, ao disporem de uma maior garantia que os depósitos bancários. A dimensão, a liquidez e a facilidade de operação dos títulos do Tesouro dos EUA convertem-nos num refúgio seguro para o dinheiro.

Com os mais de 8 mil milhões de dólares de títulos do Tesouro estado-unidense em mãos de detentores estrangeiros e um enorme volume de compra/venda diária, constituem um dos elementos principais do sistema financeiro internacional. Todos os bancos centrais do mundo os têm como elemento de reservas nas suas carteiras e os países com superávits comerciais como a China, Japão ou Arábia Saudita converteram-se nos seus grandes detentores. Além disso, são a referência dos restos de títulos de dívida, empréstimos, hipotecas, etc.

Sobre os títulos do Tesouro estado-unidense atuam três tipos de incertezas:

  • Em primeiro lugar, o rápido crescimento da dívida pública estado-unidense, que já se aproxima dos 127% do PIB, começa a preocupar pela impossibilidade de manter esta tendência.

  • Em segundo lugar, a subida das taxas de juro da dívida provocou a perde de valor dos títulos existentes para os seus possuidores.

  • Finalmente, a redução do balanço do FED que passou da manutenção de ativos de 9 mil milhões de dólares em 2022 para apenas 7,5 mil milhões de dólares em 2024.

Curiosamente, foram as famílias estado-unidenses (+1,6 mil milhões de dólares de títulos do Tesouro) e os detentores estrangeiros (+0,6 mil milhões de dólares em títulos norte-americanos) que substituíram o FED como suporte do títulos norte-americanos entre 2022 e 2024.

Os títulos norte-americanos em poder da China

Como se pode ver no gráfico, entre Janeiro de 2018 e Março de 2023 e, desde esta data, até Março de 2024, observa-se um crescimento geral na maioria dos países na detenção de títulos norte-americanos, destacando-se o caso do Reino Unido pela sua política do Brexit. A China e o Brasil são os únicos países no gráfico que reduzem a sua posse de títulos norte-americanos, fundamentalmente a China que entre 2018 e Março de 2024 reduziu-as nuns 36%,

Dividimos o período em duas partes para mostrar, por um lado, a aceleração que se verificou no último período na redução de títulos do Tesouro estado-unidense na posse da China e, por outro lado, que apesar de aparentemente a política financeira da China ter sido mais consistente que a do resto dos países ao reduzir os títulos no primeiro período enquanto subiam as taxas de juros e os títulos baixavam de preço, nos últimos meses encontramo-nos às portas da redução de taxas e poderia esperar-se uma política de acumulação de títulos.

A China reduziu as suas participações em títulos do Tesouro norte-americanos desde 2018 em cerca de 400 mil milhões de dólares, 36%, aproximadamente pouco mais de um quarto do PIB anual de Espanha. Só em 2023, o Banco Popular da China (nome do Banco Central da China) comprou 225 toneladas de ouro, assumindo a liderança como o maior comprador do mundo. Esta política, além de proteger o país contra as flutuações monetárias e os riscos do dólar, provocou uma revalorização significativa das reservas de ouro, cujo preço não parou de subir. Estamos numa altura em que é provável que vejamos um regresso ao ouro nas reservas monetárias globais.

Será esta redução na detenção de obrigações norte-americanas o início da total desdolarização chinesa no curto prazo?

Não, não é.

A China está imersa num processo de internacionalização financeira que está, hoje, centrado na promoção da livre convertibilidade da sua moeda na conta de capitais, no desenvolvimento de produtos financeiros denominados em yuan e na utilização desta moeda na liquidação transfronteiriça. do comércio exterior. É uma política prudente que procura promover um sistema aberto e inclusivo onde as economias emergentes estão melhor representadas, que favorece a estabilidade financeira global e que se baseia num conjunto de moedas em vez da predominância do dólar.

Enquanto a internacionalização do yuan avança e as estruturas do Banco de Desenvolvimento do BRICS se desenvolvem, não veremos mudanças radicais por parte da China, mas veremos uma tendência que marca os riscos para os Estados Unidos das consequências que as suas consequências financeiras podem ter para este país, políticas de agressão contra a China (proibição de carros eléctricos, painéis solares ou turbinas eólicas; bloqueio tecnológico com chips; etc, etc).

08/Junho/2024

O original encontra-se em chinainformacionyeconomia.com/china-liquida-el-36-de-sus-bonos-norteamericanos-que-hay-detras e a tradução em foicebook.blogspot.com/2024/06/o-dolar-como-arma-politica-e.html#more

Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS