19.5 C
Brasília
sábado, 15 junho, 2024

O dinheiro vivo é o rei dos ladrões na Ucrânia, segundo o FMI (o contabilista-chefe do covil de ladrões)

Abre-te Sésamo.

John Helmer [*]

O presidente Vladimir Zelensky tem dedos que cheguem para contar que US$115 bilhões valem quase três vezes mais do que US$41,3 bilhões.

O primeiro número é o cálculo do Fundo Monetário Internacional (FMI) do “apoio externo para 2023-27 que envolve um financiamento oficial considerável sob a forma de subvenções e empréstimos concessionais, bem como o alívio da dívida”. Isto inclui “DSE [Direitos Especiais de Saque] 11,608 mil milhões (577,01% da quota, cerca de 15,6 mil milhões de dólares)”. Nenhum Estado membro do FMI foi alguma vez autorizado a tomar um múltiplo de seis vezes da sua quota de empréstimo com este volume de dinheiro, exceto a Ucrânia. Também nunca nenhum Estado membro do FMI foi autorizado pelo conselho de administração do FMI a suspender novos empréstimos bancários nacionais e a adiar todas as obrigações de empréstimo (“congelamento da dívida atual”) durante pelo menos mais três anos a partir deste Natal.

O FMI chama a pilha de dinheiro daí resultante de “excedente de liquidez em tempo de guerra”.

Convertendo isto na linha de lucro dos bancos ucranianos e desviando-o para dinheiro e ativos individuais, responsáveis de Kiev relataram à Reuters a “saúde robusta dos bancos ucranianos”. “Em todo o setor bancário”, refere a agência de propaganda sediada em Nova Iorque, “os depósitos são tão abundantes como sempre foram e os credores do país encontraram formas de se manterem lucrativos”. Isto está a ser feito, explicam, contraindo cada vez mais empréstimos em obrigações do Estado a uma taxa de juro de 25%, garantida por mais dinheiro do FMI que flui para o banco central; emprestando cada vez menos a zero para os clientes; e ignorando a crescente pilha de empréstimos em incumprimento, não executados ou fraudulentos.

Isto é a pirâmide de Zelensky, como sugere a Reuters e as suas fontes de banqueiros ucranianos, embora os funcionários do FMI não possam dizer isso. “No contexto atual, observam os banqueiros ucranianos, a escolha faz sentido. “Só sobreviveremos se o Governo sobreviver”, resume Gerhard Boesch [diretor executivo do Privatbank].

Os números do big money superam a estimativa mais recente do Pentágono de que “a administração Biden comprometeu mais de US$41,3 mil milhões em assistência de segurança à Ucrânia desde o início da invasão da Rússia em fevereiro de 2022”. O novo número de 7 de julho inclui entregas de mísseis Patriot, foguetes HIMARS, bombas de fragmentação e “munições convencionais aprimoradas de duplo propósito, ou DPICM”. Usando o termo do banqueiro, o anúncio do Pentágono declarava que “as forças ucranianas alavancaram efetivamente a assistência… Portanto, continuaremos a fornecer à Ucrânia as capacidades urgentes de que precisa para enfrentar o momento, bem como o que precisa para se manter segura a longo prazo frente à agressão russa”.

Quando as mãos do Presidente Zelensky alcançam os seus bolsos, o cálculo da “alavancagem” aplica um desconto de risco de liquidez para bens em comparação com cash; armas e munições não podem ser desviadas com a mesma lucratividade do dinheiro. Isto também se deve ao fato de os controlos de entrega do Pentágono serem mais efetivos no terreno do que aqueles com que o FMI pode seguir o fluxo de caixa quando este sai do Banco Nacional da Ucrânia (NBU) e entra nos bancos oligarcas agora nominalmente nacionalizados.

Assim, é evidente que a pirâmide de Zelensky é muito mais lucrativa do que a pirâmide do Ministério da Defesa e do Estado-Maior ucraniano. Eis porque a guerra nos campos de batalha do Leste é também uma guerra das duas pirâmides em Kiev.

Relatório do FMI.

Relatório do FMI.

Para administrar esta guerra, o FMI usa todas as suas mãos para aldrabar. No atual relatório da equipe do FMI, este chama à guerra das pirâmides “progressos nas reformas da governação, na luta contra a corrupção e no Estado de direito”.

O relatório dos serviços do FMI foi publicado em 24 de março de 2023 e pode ser consultado aqui. O principal autor é um Gavin Gray, que foi o principal funcionário do FMI no Iraque entre 2018 e 2020.

O registo do FMI na facilitação de transferências multimilionárias de dinheiro para bancos ucranianos e, a seguir, para bolsos de oligarcas individuais, foi documentado neste arquivo. Sob o controlo dos EUA no conselho de administração do Fundo, os diretores executivos, os diretores nacionais e os representantes residentes do FMI em Kiev começaram a praticar a sua cegueira em relação à Ucrânia com a pirâmide de Igor Kolomoisky (Privatbank) e a pirâmide de Victor Pinchuk (Credit Dnepr).

Kristalina Georgieva, diretora-geral do FMI.

Kristalina Georgieva, diretora-geral do FMI.

O fluxo de caixa dirigido pelo Presidente ucraniano Petro Poroshenko e pela diretora-geral do FMI, Christine Lagarde, era uma fração, menos de um décimo, do fluxo de caixa agora dirigido por Zelensky e pela diretora do Fundo desde 2019, Kristalina Georgieva.

Sob as ordens de Georgieva e com a aprovação do conselho de administração do FMI, Gray informou que não há contabilidade ou rastreio de desvios de dinheiro, fraudes em empréstimos e esquemas de pirâmide em todo o sector financeiro ucraniano. Isto porque não há inspeção da contabilidade bancária e não está prevista nenhuma até que “as condições o permitam”. De acordo com o relatório do FMI, “o BNU [Banco Nacional da Ucrânia] também planeia retomar as inspeções de supervisão no local programadas tanto para instituições financeiras bancárias como não bancárias (Structural Benchmark, setembro de 2023) e anular todas as medidas prudenciais de emergência até ao final de março de 2024, se as condições o permitirem”.

Entretanto, sentados nas suas secretárias, “enquanto aguardam as condições adequadas para realizar a AQR [Asset Quality review] independente, as equipas de supervisão bancária do BNU realizarão uma avaliação dos ativos e uma avaliação da solvência dos bancos que representam 90% dos ativos do sistema bancário até ao final de dezembro de 2023. Esta análise fornecerá uma indicação da saúde do balanço dos bancos e será utilizada para informar as prioridades de supervisão”.

Georgieva e Gray insistem em que quanto menor for a supervisão estatal dos bancos ucranianos, melhor. Exigem também que a nacionalização do Privatbank de Kolomoisky e de outros bancos fraudulentos seja revertida através de uma reprivatização o mais rapidamente possível. “As autoridades comprometeram-se a que todas as decisões suscetíveis de aumentar a participação do Estado no sector bancário sejam tomadas em consulta com os funcionários do FMI e sejam estritamente limitadas a questões relacionadas com decisões de segurança nacional durante o período da Lei Marcial e com a preservação da estabilidade financeira. A este respeito, quaisquer novas nacionalizações devem também incluir planos para privatizar rapidamente ou resolver [sic] os bancos em causa”.

Nas sessenta mil palavras que compõem o relatório do FMI, “fraude” não é uma delas. No seu lugar, o clichê de Gray: “A reconstrução pós-guerra deveria cumprir os mais elevados padrões de transparência e responsabilidade, com o apoio de instituições anti-corrupção, parceiros internacionais e organizações da sociedade civil. O reforço da governação do Comité Anti-Monopólio da Ucrânia, na promoção da concorrência no mercado e no combate às práticas monopolistas, também apoiaria as perspectivas de reforma a longo prazo”.

Os termos “perder”, “perder a guerra”, “render-se” e “paz” também não aparecem no documento de 157 páginas do FMI. Em vez disso, Gray dá a entender que o risco de os ucranianos capitularem nas condições anunciadas por Moscou, para reduzir o país a uma fração do seu território e dos seus recursos, não passa de uma “dificuldade” não mencionável e não quantificável. “O sistema bancário”, conclui o relatório dos serviços do FMI, “tem sido objeto de tolerância regulamentar em matéria de capital, crédito e normas de informação, pelo que o impacto da guerra na qualidade dos ativos é difícil de determinar com precisão devido a estas medidas”.

Num anexo ao relatório principal, Gray produziu estimativas e projeções para aquilo a que o FMI chama o “cenário negativo”. Este cenário fica muito aquém das realidades militares agora reconhecidas nos quartéis-generais da OTAN e no Pentágono.

Gray afirma que “uma guerra mais longa e mais intensa” contra Kiev custará mais 25 bilhões de dólares ao FMI, aos EUA e a outros garantes internacionais da dívida da Ucrânia. Mas a explosão total de US$140 bilhões não calcula o incumprimento total se o exército ucraniano se render e assinar termos de derrota com a Rússia. Uma vez que o FMI concordou que a Ucrânia deve entrar em incumprimento e não reembolsar a sua dívida pelo empréstimo da Rússia de US$3 bilhões, não é provável que os termos da capitulação russa sejam de perdão, muito menos o reembolso de US$140  bilhões.

Exigências de financiamento externo bruto.

De acordo com o FMI, “à luz da incerteza excecionalmente elevada, a equipe desenvolveu um cenário negativo. O cenário pressupõe uma guerra mais longa e mais intensa em comparação com o cenário de base, que pesa sobre o sentimento, diminui o ritmo de regresso dos migrantes e causa mais danos nas infraestruturas. Esta situação resultaria num declínio mais agudo do PIB real de -10% em 2023 e numa nova contração de 2% em 2024. Tendo em conta a persistência de elevadas necessidades em matéria de defesa, o défice orçamental seria mais elevado em 2023-24 e melhoraria mais gradualmente a partir daí. Prevê-se que os desequilíbrios no mercado cambial se mantenham durante mais tempo, tendo em conta a persistência de restrições às exportações, o que conduzirá a uma maior depreciação nominal, embora a extensão da depreciação real seja contida por uma inflação relativamente mais elevada. A recuperação subsequente seria mais moderada do que no cenário de base, dados os danos ainda maiores no stock de capital, o regresso mais lento dos migrantes e os balanços enfraquecidos, deixando a produção bem abaixo dos níveis anteriores à guerra”.

Clique para ampliar a página 93 do relatório do FMI

Seguir o pensamento fantasioso das páginas 87 a 99 do relatório do FMI.

“De um modo geral, as discussões extensas com as autoridades sobre planos de contingência sugerem que o programa permanece robustos, mesmo no caso de um cenário negativo. Os compromissos políticos e os resultados obtidos pelas autoridades, juntamente com as garantias de financiamento dos parceiros internacionais e a redução esperada da dívida, dão confiança de que, mesmo neste cenário negativo, os objetivos do programa de manter a estabilidade macroeconómica e financeira, restabelecer a sustentabilidade da dívida numa base prospetiva e assegurar a viabilidade externa a médio prazo poderão ser alcançados. A análise da sustentabilidade da dívida baseada neste cenário negativo, apresentada abaixo, sugere que, neste cenário negativo, as garantias financeiras adicionais fornecidas pelos parceiros internacionais da Ucrânia restaurariam a sustentabilidade da dívida numa base prospetiva”.

O que o FMI quer dizer é que o comboio do dinheiro continuará a funcionar porque o Tesouro dos EUA e os aliados da OTAN continuarão a pagar. Não compreendendo a derrota a oeste do rio Dnieper, o FMI está a calcular que, em Kiev, enquanto Zelensky se mantiver no poder, a especulação (profiteering) a curto prazo vai sobrepujar o incumprimento a médio prazo.

28/julho/2023

[*] Jornalista, baseado em Moscou, @bears_with

O original encontra-se em johnhelmer.net/cash-is-king-of-the-thieves-in-the-ukraine-according-to-the-imf-chief-accountant-to-the-thieves-den/#more-88417

Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS