28.5 C
Brasília
quarta-feira, 28 fevereiro, 2024

O diálogo como fonte de paz na Venezuela

Juan Carlos Diaz Guerrero*

Caracas (Prensa Latina) A convicção do Governo de que o diálogo continua a ser a melhor forma de alcançar o consenso na Venezuela, definido como uma das estratégias importantes em 2023.

Tal compromisso do Presidente Nicolás Maduro – intrínseco à sua forma de governar e encorajado com particular ênfase neste último ano – obteve resultados positivos nas esferas social, política e económica, não só a nível interno, mas também a nível internacional.

Como ele próprio reconheceu, 2023 foi um ano de grande esforço, trabalho e dedicação para manobrar em várias frentes ao mesmo tempo e obter vantagens, sem grandes custos políticos, contra os seus apoiantes e adversários, especialmente estes últimos que não cessaram de torpedear ou suas ações por um momento.

Alcançar um certo estado de paz após os anos convulsivos vividos em diversas etapas desde a sua posse como chefe de Estado em 2013, com atos violentos (guarimbas), tentativas de assassinato, invasões terroristas, bloqueios e sanções, denota um esforço coletivo.

O presidente reconheceu a “união nacional” como uma das grandes conquistas do ano, baseada em cinco consensos validados com todos os setores da sociedade e que constituem uma bússola para o futuro imediato e posterior para continuar fortalecendo a Revolução Bolivariana.

Falar de “unidade nacional”, independentemente da opinião política, preferência partidária ou ideológica, não é pouca coisa num país marcado nos últimos 24 anos pela polarização manifestada através das urnas.

Estes cinco consensos partilhados – que Maduro apelou a “cuidar, construir e levar adiante” – visam construir um modelo económico; à condenação das “sanções criminais” dos Estados Unidos e dos seus aliados europeus contra a Venezuela.

Incluem também a defesa da paz, da coexistência, da tolerância e do diálogo entre os venezuelanos, além de rejeitar o ódio e o divisionismo; recuperar o estado de bem-estar social como resultado de sanções e ataques; e a recuperação da Guiana Esequiba através do direito internacional.

O último trimestre de 2023 reservou os melhores resultados com acordos que abriram caminho e são vitais para a cura da nação, como os pactos com a extremista Plataforma Unitária Democrática (PUD), com os Estados Unidos e com a Guiana, só para citar três. .

ACORDOS E RESULTADOS

Depois de idas e vindas, diatribes e ameaças, o Governo e o PUD retomaram as negociações em Outubro e concluíram em Bridgetown, Barbados, acordos parciais de natureza política e eleitoral para todos e a protecção dos interesses vitais da nação.

Maduro destacou que estes acordos são bons para o país no quadro da lei e da Constituição, e acrescentou que serão muito benéficos para a paz e as próximas eleições (previstas para 2024).

Estes pactos, ainda em pleno desenvolvimento – como afirmou o chefe da delegação oficial para o diálogo, Jorge Rodríguez – resultaram no levantamento parcial de algumas sanções económicas por parte de Washington nas áreas do petróleo, gás e mineração.

Além de estabelecer um mecanismo, já concluído, para a revisão das inabilitações de alguns políticos venezuelanos, que aspiram a participar nas eleições presidenciais do segundo semestre do próximo ano, e cujos resultados ainda se aguardam.

As conversações mantidas também obrigaram a uma troca de prisioneiros com o Governo dos EUA que levou à libertação do diplomata venezuelano nascido na Colômbia e nacionalizado, Alex Saab, para alguns cidadãos norte-americanos, dois deles terroristas, e nacionais.

Saab chegou à República Bolivariana no dia 20 de dezembro, acompanhado por Rodríguez, e foi recebido na pista do aeroporto internacional Simón Bolívar, em Maiquetía, estado de La Guaira, pela primeira combatente e deputada à Assembleia Nacional Cilia Flores e sua família ., esposa e filhos.

O Governo Bolivariano celebrou com alegria em comunicado a libertação e regresso ao seu país do funcionário, sequestrado em Cabo Verde e numa prisão norte-americana em violação do Direito Internacional.

A nota indicava que o povo “o recebe com orgulho” depois de ter sofrido três anos e meio de detenção ilegal “sob tratamento cruel, desumano e degradante” e de violar os seus direitos humanos e a Convenção de Viena que lhe confere imunidade diplomática.

Alex Saab é vítima de retaliação do governo dos Estados Unidos pelos seus esforços internacionais excepcionais para proteger os direitos sociais de todos os venezuelanos, face à intensificação das medidas coercivas unilaterais, observou.

Saab disse estar orgulhoso de servir o povo da Venezuela e “este governo humano e leal que não abandona, e um governo que, como eu, nunca se rende, e um povo que também nunca se renderá, sempre venceremos”, disse ele. disse.

Qualificou como histórico este momento, em que a República Bolivariana se impôs mais uma vez como o único caminho e com a firme convicção do presidente Nicolás Maduro de que “o diálogo dá mais frutos do que o ódio”.

REFERENDO E PACTO COM A GUIANA

Convocado em Setembro pela Assembleia Nacional e realizado no dia 3 de Dezembro com a participação de mais de 10,5 milhões de pessoas, o referendo consultivo foi visto como uma expressão de unidade nacional, sem distinção política, religiosa ou de classe social, através da campanha da Venezuela.

Num mês, os venezuelanos uniram-se numa questão complexa e quase desconhecida para a grande maioria, que capitalizou o diálogo direto mantido em São Vicente e Granadinas entre os presidentes Nicolás Maduro e o seu homólogo da Guiana, Irfaan Ali.

Essa reunião, sob os auspícios da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e da Comunidade do Caribe (Caricom), e os bons ofícios do Presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, contribuiu para reduzir as tensões entre os dois países. Ralph Gonsalves, primeiro-ministro de São Vicente e Granadinas e presidente pro tempore da Celac, ao expor em carta enviada aos dois líderes as marcantes diferenças e que “a resolução de velhas controvérsias nunca é fácil”, sugeriu “recorrer à sabedoria”. proverbial de Salomão.”

Bem como a paciência de Jó e a visão de todos os antigos profetas para “gerar boa vizinhança em paz, justiça, segurança e prosperidade”.

Embora Maduro reconhecesse a tensão nas conversas, por vezes, o diálogo terminou com um forte aperto de mão, tal como começou, e com uma declaração conjunta de 11 pontos que definiu os passos a seguir pelas partes para o seu cumprimento.

Os líderes sul-americanos expressaram seu compromisso com a busca da boa vizinhança, da coexistência pacífica e da unidade da América Latina e do Caribe.

Concordaram que ambos os Estados se absterão, seja em palavras ou de facto, de agravar qualquer conflito ou desacordo resultante de qualquer controvérsia entre eles.

Os líderes concordaram em continuar o diálogo sobre qualquer outra questão pendente de importância mútua para os dois países e concordaram em estabelecer imediatamente uma Comissão Conjunta dos Ministros dos Negócios Estrangeiros e técnicos dos dois Estados para tratar de questões mutuamente acordadas.

Dentro de três meses, a comissão apresentará uma atualização aos presidentes da Guiana e da Venezuela.

Concordaram ainda que qualquer litígio entre os Estados será resolvido de acordo com o Direito Internacional, incluindo o Acordo de Genebra de 1966, e “não ameaçarão – directa ou indirectamente – ou usarão a força uns contra os outros em quaisquer circunstâncias”, incluindo aqueles que surjam de qualquer controvérsia existente entre os dois países, entre outros.

A reunião na ilha de San Vicentina – para além dos acordos alcançados – deixou uma mensagem clara de que a América Latina e o Caribe estão em condições de resolver os seus próprios problemas e manter a região como uma zona de paz, tal como acordado em Havana, Cuba., sem interferência externa.

A Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América-Acordo Comercial dos Povos (ALBA-TCP) saudou a realização do diálogo direto de alto nível e elogiou a liderança da região, através da Celac e da Caricom, no trabalho de levar as partes para um conversa franca.

Ao retornar a Caracas, Maduro lembrou os comandantes Hugo Chávez (1954-2013) e Fidel Castro (1926-2016) e destacou que no mesmo dia do acordo com a Guiana (14 de dezembro) comemorou os 19 anos da fundação da ALBA. -TCP; “Ah, que jeito!”, disse ele.

A Aliança está mais viva do que nunca, a ideia de Simón Bolívar de união e libertação do continente está mais viva do que nunca; “A ideia de Fidel, a ideia de Chávez pulsa, vibra e vive em nossas vidas, em nossos esforços, em nossas lutas”, destacou.

*Correspondente-chefe da Prensa Latina na Venezuela

ÚLTIMAS NOTÍCIAS