20.5 C
Brasília
segunda-feira, 26 fevereiro, 2024

O desafio de defender a democracia na Argentina

Buenos Aires, (Prensa Latina) A Argentina comemorou quatro décadas de democracia ininterrupta em 2023 com um apelo de setores políticos e organizações sociais para defendê-la e evitar a repetição dos crimes da última ditadura civil-militar (1976-1983).

Por Glenda Arcia*

Inúmeras iniciativas foram levadas a cabo por grupos como o das Mães e Avós da Praça de Maio, em memoria dos mais de 30 mil detidos-desaparecidos nesse período, exigindo o respeito pelos direitos de todas as pessoas e a acusação dos autores dos crimes. contra a humanidade.

Também apelaram ao enfrentamento do negacionismo e ao fortalecimento da luta baseada nos princípios da Memória, da Verdade e da Justiça.

Com este propósito, celebraram a 43ª Marcha da Resistência em torno da Pirâmide de Maio, nesta capital, na qual participaram entidades como a Central Operária da Argentina-Autônoma, a Associação dos Trabalhadores do Estado, o Sindicato dos Professores e o Partido Operário.

Também estiveram presentes membros do Serviço de Paz e Justiça, do Centro de Advogados pelos Direitos Humanos, da Frente de Organizações em Luta e da Esquerda Socialista.

Realizada pela primeira vez em 1981, a marcha foi convocada naquele momento para denunciar o terrorismo de Estado e exigir que as vítimas fossem encontradas vivas.

Durante o mandato do ex-presidente Néstor Kirchner (2003-2007) foi suspenso porque se considerou que o inimigo não estava mais na Casa Rosada.

Em 2015, as Mães voltaram às ruas para rejeitar a gestão de Mauricio Macri e fazem-no agora para condenar o negacionismo e as políticas de ajustamento do Governo do Presidente Javier Milei.

Estaremos nas ruas o tempo que for necessário, afirmou a lutadora Nora Cortiñas durante o dia 7 de dezembro, três dias antes da posse do líder do La Libertad Avanza.

Além disso, destacou a necessidade de redobrar esforços para garantir a continuidade dos julgamentos que já processaram 1.200 vítimas do genocídio.

Nós, Mães, continuaremos juntas para que nenhum processo pare. Devemos apresentar novos habeas corpus para que nos revelem o que sabem sobre o que aconteceu com nossos filhos, afirmou.

Temos que lutar novamente pela verdade, pela memória e pela justiça e faremos com que nos digam algo mais, acrescentou.

Além disso, exortou os jovens a acompanhá-los nas ações que forem necessárias.

Por sua vez, Elia Espen pediu punição aos repressores e ao aparecimento dos bebês por eles roubados.

«Diante de quem conjuga o verbo obedecer, não perdôo nem esqueço. Eles querem que abracemos os genocídios? Até meu último suspiro pedirei que sejam abertos os arquivos da ditadura, afirmou.

Até à data, as Avós conseguiram recuperar 133 netos retirados das suas famílias pelos militares e restaurar a sua identidade e origem.

A presidente daquela associação, Estela de Carlotto, prometeu que a busca pelas 300 crianças desaparecidas (agora adultos) continuará com a mesma força que durante os mais de 40 anos que se passaram.

De Carlotto destacou que a vitória de Milei e Victoria Villarruel nas eleições gerais foi “um grande golpe no coração”, mas garantiu que “não é hora de lamentar, mas de continuar”.

“Eles nos humilharam durante a campanha, mas agora são as autoridades do país. Lutamos sempre pela paz e pela recuperação da identidade dos nossos netos. Não vamos parar de fazer isso. “Nunca desistiremos”, comentou.

Da mesma forma, insistiu na necessidade de preservar a memória histórica e não permitir que se repitam os crimes contra a humanidade perpetrados em centros de detenção clandestinos onde pessoas foram torturadas e estupradas e depois jogadas ao mar.

Ontem foi lágrimas, hoje é luta. Continuaremos em busca de nossos netos roubados durante a ditadura, missão pela qual colocamos nossas vidas em risco. Não é que sejamos corajosos, mas sentimos um amor enorme por essa geração dizimada, disse ele.

“Temos que olhar para frente. Estamos vivos, temos um país maravilhoso e quando for feito algo que o povo não gosta, sairemos para expressá-lo”, acrescentou.

Ele também criticou as tentativas de negar e apagar a história argentina e de utilizar o espaço onde está localizado o Museu Sítio de Memória da ESMA, declarado este ano Patrimônio Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, para outros fins.

A instalação está localizada no prédio do Cassino dos Oficiais, onde funcionava um centro clandestino de detenção, tortura e extermínio da Escola de Mecânica da Marinha (ESMA), um dos mais de 700 que existiam na Argentina durante a ditadura.

O local não foi alterado durante a sua recuperação, mas permanece como foi descrito nos depoimentos dos sobreviventes no chamado Julgamento das Juntas (1985) contra os principais chefes militares daquele período e nos processos retomados a partir de 2004.

Ali foram detidos quase cinco mil ativistas políticos e sociais, de organizações revolucionárias – armadas ou não -, trabalhadores, estudantes, profissionais liberais, artistas e religiosos, a maioria dos quais atirados vivos ao mar.

Além disso, centenas de crianças nasceram ali em cativeiro, depois foram separadas das suas mães e foram ilegalmente apropriadas ou roubadas.

A declaração do museu como Património Mundial ocorreu em setembro deste ano e foi destacada por inúmeras personalidades, incluindo o então chefe de Estado, Alberto Fernández.

O ex-presidente afirmou que esta decisão é um ato de justiça e destacou que a memória coletiva impede que as pessoas repitam as suas histórias.

O pior do terrorismo de Estado foi expresso na ESMA. A Argentina daqueles anos sofreu a perseguição de todos aqueles que se opunham à ditadura. Alguns foram perseguidos, outros detidos e quase todos torturados. Outros acabaram no exílio, muitos foram assassinados e desapareceram, observou.

Até hoje ainda procuramos os corpos de inúmeras vítimas, disse ele.

Recentemente, o vencedor do Prémio Nobel da Paz, Adolfo Pérez Esquivel, destacou que a democracia e os direitos humanos são valores indivisíveis e se estes últimos forem violados, os primeiros enfraquecem e desaparecem.

Numa mensagem aos jovens, exortou-os a continuar a lutar e a não perder a esperança.

Devemos construir novas possibilidades de crescimento político, rever erros e não permitir que governos como o de Macri nos tragam mais uma vez dívidas externas eternas e impagáveis. Devemos preparar-nos para defender os nossos recursos naturais, indicou.

Nem tudo está perdido, porque nós, argentinos, temos bases de resistência, experiência, formação social e sindical. Muita força, esperança e não deixe de sorrir. Estamos num labirinto e só saímos pelo topo. Poderemos ver o sol, mesmo que as chuvas e os ventos nos sacudam, observou.

*Correspondente-chefe da Prensa Latina na Argentina

ÚLTIMAS NOTÍCIAS