17.5 C
Brasília
terça-feira, 18 junho, 2024

O Complexo de Napoleão dos EUA

Retorno de Napoleão da Rússia, cartoon do séc. XIX.

Dmitry Orlov [*]

A psiquiatria prefere ignorar a possibilidade da insanidade em massa e concentrar-se em perturbações individuais, apesar de existir uma grande quantidade de provas históricas de que sociedades e nações inteiras podem ser dominadas por perturbações mentais de um tipo ou outro. Seja como for; o Complexo de Napoleão – assim chamado em homenagem a Napoleão Bonaparte, que era baixo demais para o líder nacional de seu tempo, além de incrivelmente desagradável e cheio de si para compensar – não é, em qualquer caso, um diagnóstico médico reconhecido.

Trata-se de uma determinada condição mental ou conjunto de traços de caráter que afeta homens de baixa estatura física, fazendo com que sejam excessivamente agressivos e auto afirmativos, usem sapatos com grandes tacões para parecerem um pouco mais altos e se irritam por serem chamados de “coisinha”, “homenzinho”, “mordedor de joelhos” e outros epítetos depreciativos.

Aqui está uma descrição bastante genérica do Complexo de Napoleão feita por um psicólogo:

Homens com Complexo de Napoleão podem ser excessivamente agressivos e exibir comportamentos indevidamente dominador em ambientes sociais. Além disso, tais homens têm dificuldade em aceitar derrotas ocasionais.

Os indivíduos com a síndrome podem ultrapassar quaisquer limites para conseguirem as coisas que desejam, mesmo que isso seja moral ou eticamente errado. Essas pessoas podem até cometer crimes para ganhar ou possuir o que desejam.

Concentram-se mais no trabalho dos outros do que no seu próprio. Consequentemente, tais indivíduos se entregam tanto às obras dos outros, que esquecem completamente ou ignoram as suas próprias.

Além da natureza agressiva, essas pessoas estão sempre de olho nos concorrentes, pois não querem ser inferiores a ninguém. Eles acreditam que o sucesso é definido pelo facto de serem melhores do que qualquer pessoa que conhecem.

A síndrome de Napoleão é especialmente prejudicial porque os homens com este complexo ficam felizes quando os outros falham ao seu redor. Pelo contrário, ficam tristes quando outros conseguem algo.

Muitas vezes, o complexo de Napoleão provoca muitos danos sem precedentes, uma vez que os homens que sofrem deste complexo veem as pessoas à sua volta como seus adversários.

Isso se aplica a alguns dos homens que são naturalmente baixos durante toda a vida. Mas imagine agora como um homem alto deve se sentir ao perceber de repente que está a ficar cada vez mais baixo! A sensação de encolher rapidamente, como o General Decker no filme de Tim Burton Marte Ataca, é matéria de pesadelos. Deve ser uma experiência realmente aterrorizante – o suficiente para fazer um homem correr, e não andar, até o psiquiatra mais próximo para obter algumas pílulas mágicas. Felizmente, tais incidentes parecem confinados ao subgênero de terror e comédia de ficção científica e não foram atestados nos anais da ciência médica.

O que acontece, e não muito raramente, é que nações inteiras encolhem, por vezes em tamanho geográfico e população e sempre em termos de estatura geopolítica e poder econômico. Os impérios são especialmente propensos a encolher subitamente: os impérios espanhol, russo, otomano e britânico encolheram todos em apenas uma década. Em cada caso, foi uma experiência traumática para as suas sociedades e a sua recuperação psicológica demorou por vezes muitas décadas.

O que o mundo está agora a testemunhar é o rápido encolhimento dos Estados Unidos e dos seus vários Estados vassalos na Europa e em outros lugares. A sua liderança parece estar permanentemente enfurecida e atacando em todas as direções. Enquanto isso, está se autodestruindo ativamente em todos os níveis:

As suas políticas de sanções estão perturbando a sua economia e minando o seu sector financeiro. Fez todo o possível para minar o status de moeda de reserva do dólar americano, tornando-o tóxico e arriscado para grande parte do mundo. Entretanto, o seu apetite pela dívida cresceu a tal ponto que apenas os juros da dívida nacional consumirão uma parte significativa do orçamento.

O seu militarismo descontrolado está na verdade a desarmá-lo, ao enviar os seus arsenais para a Ucrânia onde são destruídos. Ao contrário do setor civil, onde emprega talentos estrangeiros, o seu sector da defesa carece lamentavelmente de cérebros cultivados internamente.

Está a destruir-se politicamente: os dois partidos do duopólio político pois tentam ambos destruir simultaneamente os seus principais candidatos presidenciais, minando simultaneamente a pouca fé que ainda restava na integridade dos sistemas judicial e eleitoral.

A sua diplomacia degenerou num espetáculo de um homem só, onde os EUA gritam as suas exigências a um planeta pouco receptivo, o seu presidente insulta líderes nacionais respeitados e quebra tantas promessas e acordos que nenhuma nação, agindo racionalmente, por sua própria vontade, deveria querer celebrar novos acordos ou tratados com ele.

Muitas, se não a maioria, das suas famílias foram minadas pelo feminismo e por políticas sociais que tornam uma escolha irracional para os homens casar e constituir família. Isto dura há tanto tempo que várias gerações de homens e mulheres, que cresceram órfãos de pai e com mães que elevaram o egoísmo a uma virtude, já não têm a menor ideia do que significa estar em família. Muitas delas não querem mais ter filhos. Na verdade, se o contrato intergeracional acaba, as crianças tornam-se acidentes. Dessa forma, sucede a extinção biológica.

Praticamente todas as suas instituições foram minadas por políticas que discriminam homens brancos capazes em busca do fantasma da diversidade, resultando em setores públicos e privados marcados por uma uniformidade de incompetência. Uma vez que tal nação se torna incapaz de atividades produtivas, a ênfase mudou para o consumo – a crédito – sem planos de alguma vez reembolsar os países que produzem os produtos que consome. Escusado dizer que isto não terminará bem.

Em particular, as suas outrora excelentes universidades foram minadas por políticas que favorecem os filhos dos ricos, por um lado, e os membros de várias classes de vitimização, por outro, e uma preocupação muito pouco saudável com a perversão sexual, mascarada pelo termo inventado de “gênero”. Onde instituições outrora ilustres como Harvard consideram adequado ministrar um curso sobre “sexo anal” e professores são despedidos pelo uso politicamente incorreto de pronomes pessoais, a educação está verdadeiramente morta.

A sua economia está lamentavelmente desequilibrada, fortemente desviada dos produtos e da produção e em direção aos serviços e ao consumo. Como sinal revelador disso, a produção caiu recentemente muito, mas o consumo de energia não. Numa economia saudável, a indústria é o principal consumidor de energia; numa economia doente, é o consumo e os serviços.

Apesar de tudo isto, o seu sector financeiro ainda é muito grande, mas apenas no sentido em que as pústulas inflamadas tendem a inchar imediatamente antes de rebentarem, resultando por vezes em sepses e morte. Todos preveem que isto se aproxima e é por isso que dezenas de nações se apressam a aderir à organização BRICS, sendo o seu principal know-how organizacional a prevenção de moedas tóxicas (como o dólar americano e o euro) na condução do comércio internacional. Mas e os países que nunca poderão ser admitidos nos BRICS porque as suas moedas nacionais são tóxicas? Bem, quando tudo mais falha, sempre há a morte!

A TERAPIA DA HUMILHAÇÃO

A morte é certamente eficaz como tratamento para o Complexo de Napoleão, assim como para todos os outros complexos, síndromes e distúrbios. Tendo procurado uma terapia eficaz para o Complexo de Napoleão, não descobri nenhum bom candidato. A terapia da humilhação parece bastante útil para diminuir os seus efeitos na sociedade envolvente, mas também tende a levar à depressão e ao suicídio. A terapia de humilhação foi certamente eficaz para Napoleão Bonaparte, tal como administrada pela Rússia.

Os russos claramente não perderam a receita dessa pílula amarga e estão prontos para administrá-la a qualquer um que ultrapasse uma das suas invisíveis linhas vermelhas. É claramente melhor ser amigo da Rússia do que estar morto, mas a morte pode ser evitada se a terapia da humilhação for eficaz.

Para os EUA, a derrota retumbante na sua guerra por procuração com a Rússia na antiga Ucrânia, que está atualmente em preparação, poderia definitivamente fazer parte de uma terapia de humilhação eficaz, mas apenas para aqueles que têm prestado atenção, e o seu número é bastante baixo. Quantos americanos se sentiram pessoalmente humilhados pelo espetáculo da retirada precipitada e desordenada da América do Afeganistão? Muito poucos, ao que parece, já que saltaram direto para a próxima aventura condenada na antiga Ucrânia. Para aqueles que estão nos corredores do poder de Washington, nenhuma humilhação parece suficiente. Na verdade, eles parecem prosperar com isso!

Nem os americanos, nem os seus vassalos europeus, parecem minimamente perturbados ou pensativos pelo espetáculo dos seus líderes nacionais a humilharem-se incessantemente no cenário mundial. Para ser humilhado é preciso ter vergonha; mas e se a vergonha, juntamente com a inteligência, a integridade, os princípios, a honestidade e várias outras virtudes, desaparecerem completamente? Pois bem, ainda há a morte – a forma final de tratamento com 100% de sucesso: paciente desaparecido, presumivelmente curado.

No meio de tudo isto, há um vislumbre de esperança: alguns dos jovens, corajosos e talentosos homens americanos parecem ter descoberto uma saída deste redemoinho de corrupção e decadência: estão a casar com mulheres de fora do Ocidente – não para as trazer para dentro do Ocidente, como “noivas por correspondência”, mas emigrar e obter cidadania estrangeira através do casamento como “irmãos de passaporte”. Este desenvolvimento enfureceu as feministas americanas, e os irmãos de passaporte sem dúvida acham a sua raiva bem encantadora. Casar para se mudar para o estrangeiro é uma boa estratégia para eles, mas é terrível para a sociedade que deixam para trás, pois nenhuma sociedade alguma vez evitou o colapso após a partida dos seus jovens.

Enquanto isso, aqui está mais alguma terapia de humilhação: Randy Newman, “Pessoas Baixas”

Pessoas baixas não têm razão

Pessoas baixas não têm razão

Pessoas baixas não têm razão

Viver

Eles têm mãozinhas

E olhinhos

E eles andam por aí

Contando grandes mentiras

Eles têm narizinho

E pequenos dentinhos

Eles usam sapatos plataforma

Em seus pés nojentos

Bem, eu não quero pessoas baixas

Não quero pessoas baixas

Não quero pessoas baixas

‘Por aqui

Pessoas baixas são iguais

Como você e eu

(Um tolo como eu)

Todos os homens são irmãos

Até o dia em que eles morrerem

(É um mundo maravilhoso)

Pessoas baixas não têm ninguém

Pessoas baixas não têm ninguém

Pessoas baixas não têm ninguém

Amar

Eles têm perninhas de bebê

E eles ficam tão baixos

Você tem que pegá-los

Apenas para dizer olá

Eles têm carros pequenos

Isso tem bip, bip, bip

Eles têm pequenas vozes

Indo peep, peep, peep

Eles têm dedinhos sujos

E pequenas mentes sujas

Eles vão te pegar toda vez

Bem, eu não quero pessoas baixas

Não quero pessoas baixas

Não quero pessoas baixas

‘Por aqui…

Setembro/2023

[*] Escritor

O original encontra-se em boosty.to/cluborlov/posts/c9917839-918d-46ee-9cbe-0eb68a449c0c?share=post_link e a tradução em sakerlatam.org/o-complexo-de-napoleao-americano/.

Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS