21.5 C
Brasília
sexta-feira, 14 junho, 2024

O Caribe atento à temporada ciclônica

Kingston (Prensa Latina) Autoridades e instituições dos países caribenhos incentivam os cidadãos a se prepararem e a permanecerem atentos à temporada ciclônica, que começou hoje no Atlântico e com previsões de alta atividade.

Na Jamaica, o primeiro-ministro Andrew Holness instou esta semana a avaliar a exposição de habitações, infraestruturas, serviços, atividades produtivas e locais de trabalho antes do início do período de eventos tropicais, que terminará em 30 de novembro.

Holness encorajou os jamaicanos a fazer preparativos domésticos, incluindo armazenar alimentos e água tanto quanto possível, e tomar medidas para proteger documentos ou valores, ao mesmo tempo que chamou a cooperação comunitária de outro ponto chave.

Os abrigos de emergência desempenham um papel crucial na resposta a catástrofes, acrescentou o presidente em declarações reproduzidas pela edição digital do jornal The Gleaner, e apelou às entidades que gerem estas instalações para que garantam que estão prontas e operacionais.

“A Jamaica deve conviver com a nossa realidade de ser um dos países mais expostos do mundo a múltiplos perigos, incluindo furacões, inundações, secas, terramotos, tempestades e deslizamentos de terra”, sublinhou.

Ele aludiu a modelos que previram um maior impacto dos fenômenos naturais derivados do aumento das temperaturas da superfície e do nível do mar.

Numa conferência de imprensa realizada na véspera, o Primeiro-Ministro da Domínica, Roosevelt Skerrit, também referiu a importância de tomar medidas contra esta ameaça e mencionou iniciativas implementadas ao longo do ano, como a formação de pessoas, a segurança de abrigos e a revisão de sistemas.

Segundo o site Dominica News Online, Skerrit acrescentou que funcionários do Gabinete de Gestão de Desastres e do Ministério da Segurança Nacional visitaram as comunidades para sensibilizá-las e alertá-las sobre o que deve ser feito, face à possível chegada daqueles eventos.

“Acredito que todos os locais de negócios, grupos comunitários, organizações não governamentais e residências devem prestar atenção ao seu ambiente e examiná-lo em busca de perigos”, disse ele.

Entretanto, em Antígua e Barbuda, o Gabinete Nacional de Serviços de Catástrofes pediu aos residentes que garantissem fornecimentos de emergência, incluindo alimentos não perecíveis, como produtos enlatados, água, lanterna e documentos importantes.

As pessoas devem fazer todo o possível para garantir que as suas casas sejam resistentes aos efeitos de um furacão, aparar ramos pendentes, proteger janelas e portas e limpar o quintal de itens que possam tornar-se projécteis, disse ele num comunicado.

Políticos e especialistas concordam que os pequenos estados insulares em desenvolvimento, entre os quais muitas nações das Caraíbas, concentram as maiores perdas resultantes das alterações climáticas e dos desastres naturais, razão pela qual as autoridades consideram vital a preparação para a temporada ciclónica.

No período de tempestades tropicais que começou neste sábado, as previsões apontam para um recorde de 23 furacões nomeados e 11 furacões; deles, cinco da categoria três ou mais.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS