24.5 C
Brasília
quinta-feira, 22 fevereiro, 2024

O assassinato da paz

Cairo (Prensa Latina) Quando, em 4 de novembro de 1995, o ultranacionalista Yigal Amir atirou no primeiro-ministro israelense, Yitzhak Rabin, também feriu mortalmente o processo de paz iniciado em Oslo dois anos antes.

Por: Roberto Castellanos

Correspondente-chefe no Egito

O caminho para esse crime começou em 1993 com as negociações secretas na capital norueguesa, que levariam à Declaração de Princípios sobre Acordos Provisórios para o Autogoverno Palestiniano ou simplesmente conhecida como Acordos de Oslo.

Assinado em Washington em Setembro desse ano, o documento marcou o primeiro pacto formal entre Israel e a Organização para a Libertação da Palestina (OLP) e foi um passo concreto para alcançar a paz indescritível.

Assim, o aperto de mão público entre Rabin e o líder da OLP, Yasser Arafat, foi um símbolo de diálogo e uma esperança de silenciar as armas, embora rapidamente se tenha tornado apenas mais uma anedota no conflito árabe-israelense.

Os poucos direitos concedidos aos palestinianos pelo texto, incluindo a formação de autogoverno em certas áreas dos territórios ocupados, eram intoleráveis ​​para a direita israelita, sempre pronta a impor manu militari a sua visão conservadora e expansionista.

O texto nem sequer abordou o futuro da Jerusalém Oriental ocupada, dos refugiados palestinianos, das colónias judaicas ou das fronteiras, mas esse sector, com força crescente em Israel, tentou desde o primeiro momento impedir a execução do pacto.

Segundo o documento, após um período de cinco anos, “negociações de status permanente” começariam a chegar a um acordo final que nunca ocorreu…

Um falcão disfarçado de pomba

Durante a sua longa carreira, primeiro como soldado e depois como político, Rabin sempre foi um defensor da linha dura contra os palestinos, embora após a morte, mesmo durante os últimos anos de sua vida, tenha desfrutado da aura de uma pomba, sempre dispostos a fazer “concessões”” para alcançar a paz.

A sua visão do conflito ficou evidente enquanto servia como Ministro da Defesa no início da primeira Intifada (revolta palestiniana) em 1989, quando ordenou que “os ossos” dos manifestantes fossem “quebrados”.

Durante a campanha eleitoral de 1992, prometeu que nunca permitiria um Estado palestiniano viável, apenas uma autonomia limitada.

É difícil saber o que Rabin imaginou como uma solução permanente entre Israel e os palestinianos, mas com base nas suas palavras na altura, ele provavelmente nunca pretendeu chegar a uma solução, disse Ori Wartman, membro do Instituto de Estudos de Segurança Nacional.

O Processo de Paz de Oslo é um novo instrumento para alcançar os objectivos tradicionais israelitas, afirmou certa vez publicamente Rabin.

Foi esse o objetivo do diálogo estabelecido com os palestinianos, ao mesmo tempo que se tentava limpar a imagem de Israel junto da comunidade internacional, cada vez mais crítica da repressão nas zonas ocupadas.

“Tanto ele (Arafat) como a OLP são o último vestígio do nacionalismo palestiniano secular. Não há mais ninguém com quem lidar. “Ou é a OLP ou não é ninguém”, expressou certa vez, segundo um livro publicado pelo seu antigo conselheiro, Yehuda Avner.

O inimigo de Deus

Com a tinta dos acordos de Oslo ainda quase seca, a direita israelita lançou uma campanha sem precedentes para impedir a sua adesão às mobilizações e acções de protesto em todo o país.

Um dos objetivos centrais era demonizar Rabin, que foi tachado de traidor e rodef, que, segundo a lei judaica, é um assassino que pode ser eliminado por qualquer pessoa para evitar novos crimes.

A direita religiosa considerou uma heresia abandonar a terra supostamente dada por Deus e demonizou o político, enquanto outros novamente o rotularam de Hitler e de fascista.

O agora primeiro-ministro e então líder da oposição, Benjamin Netanyahu, foi o orador principal em duas manifestações, nas quais milhares de participantes gritaram “morte a Rabin” repetidamente.

Em julho de 1995, Netanyahu caminhou à frente de um falso cortejo fúnebre com um caixão preto na cidade de Ra’anana.

Foi assassinado com a colaboração de Netanyahu, Merav Michaeli, líder do Partido Trabalhista liderado por Rabin, denunciado no 27º aniversário do crime.

“Afirmei meu direito de expressar uma posição diferente. Não era apenas meu direito, mas também meu dever”, disse Netanyahu em 2020 em resposta às acusações.

À medida que cresciam a campanha difamatória e os ataques verbais contra o primeiro-ministro, as agências de segurança ficavam cada vez mais preocupadas.

“A atmosfera pública é de derramamento de sangue, vituperação e paixões inflamadas. Uma pessoa, não necessariamente conhecida, não necessariamente um colono, pode se levantar e fazer alguma coisa (…) Acho que a atmosfera pode produzir assassinos…”, alertou Hezi Kalo, então chefe da divisão não-árabe do Serviço de Segurança, há três semanas. antes do ataque General (Shin Bet).

Neste contexto, Yigal Amir, um estudante de direito nacionalista que, juntamente com o seu irmão Hagai, trabalhava na criação de uma milícia anti-palestiniana, decidiu matar o chefe do governo, embora mais tarde afirmasse que nunca foi influenciado pelos rabinos e os setores mais radicais.

No entanto, seu pai alegou que o jovem defendeu o assassinato porque os rabinos emitiram “um din rodef contra ele”.

Fatídico 4 de novembro

Em resposta à retórica belicosa da direita, cerca de 100.000 apoiantes do processo de paz reuniram-se no sábado, 4 de Novembro de 1995, na Praça do Rei, em Tel Aviv, contra a guerra.

Num clima festivo e alegre, os presentes ouviram o discurso de Rabin, que, mais uma vez, defendeu o pacto e afirmou a necessidade de silenciar as armas.

O clímax emocional veio quando a cantora veterana Miri Aloni cantou Shir LaShalom (Canção pela Paz), que se tornou o hino do movimento pela paz israelense.

Após o rali, Rabin saiu do palco e foi com seu guarda-costas e companheiros até o carro que o esperava, e Amir também o esperava lá.

Às 21h45, horário local, Amir disparou dois tiros de seu Baretta 84F: um atingiu Rabin na parte inferior das costas, rompendo o baço e perfurando o pulmão esquerdo; o outro atravessou a caixa torácica e perfurou o pulmão direito. Uma terceira bala feriu o guarda-costas, Yoram Rubin.

O primeiro-ministro foi levado às pressas para o hospital perto de Ichilov, mas foi impossível salvar sua vida lá, disse mais tarde Yosef Klausner, então chefe de cirurgia do centro médico.

Yigal Amir foi condenado à prisão perpétua, enquanto seus irmãos Hagai Amir e Dror Adani foram condenados a 16 e sete anos, respectivamente.

Hagai recebeu então mais um ano de prisão por ameaçar matar o primeiro-ministro Ariel Sharon.

Rios de tinta correram ao longo dos anos sobre este assassinato, que muitos consideram fatal para um acordo com os palestinos.

É difícil avaliar a real extensão da sua morte, embora seja verdade que, ao longo dos anos, os seus sucessores enterraram pouco a pouco o pacto até que este se tornou praticamente monótono e irrelevante.

Era seu objetivo? Impossível saber, embora Rabin tenha tido o mérito de ter assinado pela primeira vez um pacto com os palestinos, apesar das profundas limitações de não lhes conceder a independência ou de pôr fim a uma ocupação que já dura décadas.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS