24.5 C
Brasília
segunda-feira, 27 maio, 2024

O apelo de Macron à trégua olímpica conquista o grande prémio do cinismo ocidental

Macron, jogos olímpicos.

– Num campo ocidental apinhado de competidores por este duvidoso título, Macron alcança o grande prémio.

SCF [*]

O Presidente francês Emmanuel Macron quer uma trégua na Ucrânia e em Gaza durante os Jogos Olímpicos de Paris, este verão.

Macron disse esta semana que a sua proposta é consistente com o antigo conceito de uma trégua olímpica, quando, historicamente, as hostilidades seriam postas de lado para mostrar ideais mais elevados de fraternidade humana e aspirações pacíficas. Em suma, uma demonstração da noção edificante de que o desporto está acima da política.

A Rússia respondeu que, em princípio, não era contra a ideia. No entanto, Moscovo salientou que a ideia de paz olímpica de Macron carece de quaisquer detalhes práticos que garantam uma iniciativa genuína.

Para ser mais direto, o líder francês não tem credibilidade para propor um acordo tão potencialmente importante. A sua proposta vaga está cheia de contradições.

Há apenas algumas semanas, Macron lançou a ideia de enviar tropas da OTAN para combater na Ucrânia contra a Rússia. Não se retratou dessa provocação imprudente, que poderia fazer escalar o conflito para uma guerra mundial entre potências nucleares.

Agora deveríamos acreditar que Monsieur le President é um tribuno da paz mundial.

Paris e outras capitais da OTAN estão a pressionar desesperadamente para que sejam enviadas mais armas para o regime neonazista de Kiev. A guerra por procuração da OTAN contra a Rússia está no seu terceiro ano e parece cada vez mais uma causa perdida para Washington e os seus aliados ocidentais. Nenhum líder ocidental está disposto a abandonar o fantasma deste desastre sangrento para derrotar estrategicamente a Rússia, explorando uma solução diplomática para a guerra.

Como é que a suposta preocupação de Macron com uma Trégua Olímpica pode ser levada a sério?

Quanto a Gaza, a França e os seus parceiros da NATO têm sido cúmplices no patrocínio de um genocídio nos últimos seis meses e meio. O massacre de mais de 34 000 palestinianos pelo regime israelense – um número de mortos que aumenta todas as semanas – e o seu cerco de fome contínuo à Faixa de Gaza são crucialmente possibilitados pelo apoio militar e político dos Estados Unidos e da União Europeia.

Como se isso não fosse suficientemente mau, a França, os Estados Unidos e a Grã-Bretanha apoiam de fato a agressão de Israel ao Irão, bem como à Síria, ao Líbano, ao Iraque e ao Iémen. O trio ocidental está a ajudar as defesas aéreas de Israel, ao mesmo tempo que condena o Irã e impõe sanções económicas. O seu envolvimento tácito está a dar luz verde a mais beligerância israelense e à violação das leis internacionais, o que está a corroer todo o tecido da segurança global.

Dada a terrível culpabilidade das potências ocidentais no fomento destes conflitos explosivos, é o cúmulo da duplicidade Macron voltar atrás e fazer a sua pomposa proposta de tréguas durante os Jogos de verão que se realizam em Paris de 26 de julho a 11 de agosto.

A verdadeira preocupação de Macron é mostrar a França em toda a sua presumível grandeza num espetáculo mundial.

O narcisista Macron é movido por uma ambição auto engrandecedora e por ilusões de grandeza como estadista mundial e presidente que restaurou o prestígio internacional da França. É esta mesma megalomania que impulsiona os seus recentes apelos a um maior envolvimento da OTAN na guerra por procuração na Ucrânia. O antigo banqueiro dos Rothschild e agora aspirante a Napoleão é um charlatão completamente desprovido de quaisquer princípios.

É significativo que a cerimónia de abertura dos Jogos de verão esteja planeada para ter lugar ao longo do rio Sena, sob a forma de uma regata extravagante. Esta disposição rompe com a tradição moderna de todos os Jogos Olímpicos serem abertos no principal estádio que acolhe os eventos desportivos. O Stade de France está localizado fora da capital francesa. Fica-se com a nítida impressão de que Macron quer que a grande abertura seja transmitida pela televisão no centro de Paris, simplesmente com o objetivo de exibir a capital e os seus famosos marcos culturais.

Para Macron, os jogos quadrienais têm como principal objetivo mostrar a França da melhor forma possível ao mundo, para fins de exibição política e comercial. Os jogos em si são um veículo para as suas ambições vaidosas.

A verdade é que os Jogos Olímpicos e outros eventos desportivos internacionais há muito que foram desviados pela política ocidental para a sua agenda imperialista.

Quando os EUA e os seus aliados da NATO estavam a travar guerras ilegais em inúmeros países da Ásia Central, do Médio Oriente e do Norte de África, nunca houve apelos a uma trégua olímpica. Nunca se apelou à proibição de os EUA e os seus aliados participarem nos jogos, apesar de existirem motivos substanciais para tal.

Há vários anos que os atletas russos têm sido banidos de eventos desportivos com base apenas em alegações forjadas sobre o abuso de drogas e outras alegadas infracções. Como o nosso colunista Declan Hayes salientou em vários artigos, a campeã russa de patinagem artística Kamila Valieva e outros atletas de classe mundial têm sido sujeitos a esforços ocidentais implacáveis para destruir a sua reputação e a sua participação nos “circos desportivos da NATO”.

Vergonhosamente, as potências ocidentais e os seus meios de comunicação social tóxicos têm feito tudo para garantir que a política esteja acima do desporto. Os eventos desportivos tornaram-se apenas mais um complemento da propaganda ocidental.

Se Macron tivesse algum motivo genuíno para a paz internacional, estaria a pedir o fim do armamento do regime neonazista na Ucrânia e a defender um compromisso diplomático crível com a Rússia.

Se Macron quisesse sinceramente que os Jogos Olímpicos servissem como uma abertura para a paz e a humanidade, estaria a apelar a um cessar-fogo imediato em Gaza e ao pleno respeito pelos direitos nacionais e humanos dos palestinos.

O Comité Olímpico Internacional, controlado pelo Ocidente, proibiu os atletas russos de participarem nos Jogos de Paris sob a sua bandeira nacional. A sua “concessão” é que 40 desportistas russos podem participar desde que o façam sob uma “bandeira neutra” e que não mostrem quaisquer sinais de apoio à campanha militar russa na Ucrânia. Por que razão não foram impostas tais restrições aos americanos ou aos britânicos durante as suas guerras criminosas no Iraque e no Afeganistão?

A Rússia é proibida, mas Israel é autorizado a enviar uma equipa completa com as cores nacionais, enquanto conduz o pior genocídio dos tempos modernos. A hipocrisia ocidental é aqui absolutamente revoltante e auto recriminatória.

Tal como uma tragédia grega, o cinismo desenfreado e o abuso por parte das potências ocidentais estão a destruir os Jogos Olímpicos, o próprio evento que estão a tentar monopolizar para a sua nauseabunda sinalização de virtude.

Num campo ocidental apinhado de competidores por este duvidoso título, Macron alcança o grande prémio do cinismo.

24Abril/2024

[*] Strategic Culture Foundation.

O original encontra-se em strategic-culture.su/news/2024/04/19/macron-olympic-truce-call-takes-gold-for-western-cynicism/

Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS