Brasília, 17 de outubro de 2021 às 07:35
Selecione o Idioma:

Argentina

Postado em 18/12/2020 10:50

Na presidência do Mercosul, Argentina pede entrada definitiva da Bolívia no bloco

.

Presidente argentino defendeu agenda econômica que priorize os mais pobres – Cancillería Argentina
Fernández defendeu agenda econômica que priorize mais pobres; declaração conjunta pediu cooperação no combate à covid-19
Redação Opera Mundi

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, assumiu nessa quarta-feira (16) a presidência temporária do Mercosul. Em reunião com líderes dos outros países do bloco, o mandatário defendeu uma agenda econômica que priorize os mais pobres e pediu a entrada definitiva da Bolívia no grupo.

“Um Mercosul melhor significa começar pelos últimos, não há integração social exitosa sem inclusão, não há economia robusta com uma economia interna fracassada”, disse.

:: Leia mais: 15 anos do não à Alca: superação do capitalismo ainda é a alternativa ::

Fernández ainda fez um apelo pelo ingresso da Bolívia no bloco e disse que “será um verdadeiro avanço, um grande feito” se o país vizinho se tornar um membro definitivo. O governo boliviano participa como convidado.

Participaram da reunião os presidentes do Uruguai, Luis Lacalle Pou, do Brasil, Jair Bolsonaro, e do Paraguai, Mario Abdo Benítez.

Em comunicado conjunto, as nações ressaltaram que os impactos da pandemia do novo coronavírus “na sociedade, na economia e na natureza demonstram a importância de trabalhar em políticas públicas para o desenvolvimento sustentável em suas três dimensões: econômicas, sociais e ambiental”.

:: Leia também: Cuba e Venezuela anunciam criação de banco de vacinas contra a covid-19 ::

O texto ainda aponta para a importância da “cooperação regional” para combater a crise sanitária em todos os âmbitos, especialmente, nas regiões de fronteira.

Os presidentes ainda reafirmaram a “vontade” de firmar o acordo de livre comércio com a União Europeia, que está parado no momento, após mais de 20 anos de negociação.

Bolsonaro, que critica constantemente o governo de Alberto Fernández, adotou um tom mais moderado e disse que “nossas diferenças não põem em risco nossa agenda comum”.

*Com ANSA.

Comentários: