13.5 C
Brasília
domingo, 26 maio, 2024

Mulheres sem direitos

Por Yodeni Masó Águila

Beirute, 01 mai (Prensa Latina) Pouca visibilidade na mídia, pouca participação na vida política e violações no espaço digital aumentam a discriminação contra as mulheres no mundo árabe, limitado por tradições religiosas e guerras. Um estudo da ONU Mulheres mostra que a presença feminina no governo, pesquisa e gestão de recursos está longe de ser igual, uma lacuna que aumentou após o impacto da pandemia de Covid-19.

Grupos vulneráveis, incluindo migrantes, pessoas com deficiência e afetadas pela guerra, são frequentemente deixados para trás. Nos países do Oriente Médio, avançar na conquista de direitos e oportunidades passa inevitavelmente pela solução de conflitos.

Dados das Nações Unidas mostram que, na Jordânia, por exemplo, 62% das mulheres discriminadas, incluindo refugiadas sírias, sentiram maior risco de violência física ou psicológica desde a ameaça do novo coronavírus SARS-CoV-2.

Para Aida Nasrallah, presidente da Liga pelos Direitos das Mulheres Libanesas, as guerras retardam o acesso e o desenvolvimento das mulheres nas nações árabes, que sofrem sequestros, estupros e assassinatos.

A também coordenadora do Centro Regional Árabe, em conversa exclusiva com Orbe, atribuiu a falta de garantias sociais à expansão imperial e às ameaças do Ocidente.

“Tudo o que esta região sofre é causado pelas guerras, há um mal maior e muito a defender, mentalidades a mudar e direitos a exigir”, disse.

O Relatório Mensal de Monitoramento de Mídia da Fundação Maharat do Líbano sobre Gênero e Eleições mostrou 723 comentários de violência cibernética contra mulheres candidatas e ativistas em seus perfis pessoais no Facebook e Twitter durante fevereiro e março.

Por sua vez, aquela instituição e a ONU Mulheres revelaram que, no período de campanha eleitoral de 2018, as candidatas obtiveram apenas cinco por cento da cobertura total da imprensa libanesa e 50 por cento delas consideraram as questões formuladas pelos repórteres discriminatórios em função do género.

Desigualdade, exclusão, estereótipos, racismo, xenofobia e disparidade salarial são fenômenos presentes nas sociedades árabes que ofuscam a capacidade das mulheres de beneficiar suas nações e a humanidade.

(Retirado de Orbe)

ÚLTIMAS NOTÍCIAS