21.5 C
Brasília
sábado, 22 junho, 2024

Morreu a ativista revolucionária mexicana Paquita Calvo Zapata

Cidade do México (Prensa Latina) A ativista revolucionária mexicana e guerrilheira zapatista Francisca Calvo Zapata (mais conhecida como Paquita) morreu aos 83 anos, confirmaram neste sabado (29) seus familiares.

Paquita, mãe do secretário de Cultura da Direção Nacional do Movimento de Regeneração Nacional (Morena), Tomás Pliego Calvo, tem uma longa história de luta revolucionária que começou desde muito jovem, até liderar a efêmera Frente Urbana Zapatista (FUZ ).

Ele morreu como viveu, sempre lutando. Por 25 dias ele resistiu nos cuidados intensivos após sofrer uma longa doença. Ela morreu ontem, quando ia receber alta, disse o filho.

FUZ era um pequeno grupo de pensadores como ela, cujo sonho era transformar o México em uma nação politicamente e ideologicamente avançada por meio de um governo ligado ao marxismo-leninismo que nunca poderia prosperar.

Em 27 de setembro de 1971, aos 31 anos, liderou o grupo guerrilheiro da época que realizou o primeiro sequestro político na Cidade do México. Seus carrascos foram presos e ela cumpriu vários anos de prisão e tortura. Numa recente e longa entrevista ao jornal La Jornada, o combatente avaliou que não foram em vão os sacrifícios que fizeram naquela época longínqua, ao avaliar o governo da IV Transformação e tudo o que fez para mudar a vida económica e social. seu país.

Embora tenha liderado as ações do grupo, que durou apenas três anos, ela disse que não era sua líder porque não havia dirigentes, já que os membros do FUZ eram os mesmos, com a característica de serem quase todos mulheres.

No entanto, eles eram o braço urbano da guerrilha rural Associação Cívica Nacional Revolucionária (ACNR) e seu comandante em chefe era Genaro Vázquez Rojas, mas ele admite que os livros e textos que se referem a essa etapa da história destacam seu papel como líder dentro do o FUZ.

Sua importância reside no fato de o FUZ ter sido pioneiro da ação guerrilheira na capital, numa época em que o Exército negava veementemente a presença da insurgência no então Distrito Federal.

Todos os seus militantes foram capturados e torturados no Campo Militar cinco meses depois; custou a todos eles uma sentença de 30 anos de prisão. Eles completaram sete anos. Ao serem libertados da prisão, anistiados, constataram que o cenário da luta armada estava devastado, sem perspectivas de futuro.

Mais de meio século depois, Paquita se recusa a aceitar que foram derrotados e que pode ter sido um erro histórico lutar dentro da cidade, mas um erro necessário porque teve que ser feito porque “os massacres de Tlatelolco e Corpus quinta-feira poderiam não fique impune, com aquelas praças, aquelas ruas cheias de jovens assassinados. Isso não”.

Ele reclamou que meio século depois, essa mesma classe política da época, encarnada em suas novas gerações, prefere omitir o período da luta armada no país. Há pouca informação, zero debate e esquecimento.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS