22.5 C
Brasília
terça-feira, 18 junho, 2024

Morre Rita Lee, ícone do rock brasileiro aos 75 anos

Foto: Arquivo pessoal/Instagram

Sputnik – Um dos maiores nomes da música brasileira faleceu ontem (8), com a divulgação do ocorrido hoje (9). O velório será aberto ao público, no Planetário do Parque Ibirapuera, amanhã (10), das 10h00 às 17h00.

Rita Lee Jones de Carvalho, nascida em São Paulo, 31 de dezembro de 1947, conhecida como Rita Lee, cantou, compôs, atuou, escreveu e foi uma das artistas mais famosas do Brasil.
Rita ficou conhecida como a “Rainha do rock brasileiro”, mas achava o título cafona e preferia ser chamada de “padroeira da liberdade“.
A família da cantora divulgou um comunicado nas redes sociais dela: “Comunicamos o falecimento de Rita Lee, em sua residência, em São Paulo, capital, no final da noite de ontem [8], cercada de todo o amor de sua família, como sempre desejou“, disse o comunicado citado pelo G1.
Em maio de 2021, a cantora foi diagnosticada com câncer de pulmão. Ela seguiu tratamentos de imunoterapia e radioterapia. Quatro meses depois, ela lançou o último single da carreira, “Changes“, em parceria com o marido Roberto de Carvalho e o produtor Gui Boratto.
Nos últimos anos, ela viveu em um sítio no interior de São Paulo com a família. Ela deixa três filhos: Roberto, João e Antônio. Rita começou a cantar aos 16 anos, quando integrou um trio vocal feminino, as Teenage Singers, e fez apresentações amadoras em festas de escolas.
Em 1964 ela entrou em um grupo de rock chamado Six Sided Rockers que, depois de algumas mudanças de formações e de nomes, deu origem aos Mutantes em 1966. O grupo foi formado inicialmente por Rita Lee, Arnaldo Baptista e Sérgio Dias, relembra a mídia.
O trio acompanhou Gilberto Gil em “Domingo no parque” no 3º Festival de Música Popular Brasileira da Record, em 1967, e Caetano Veloso em “É proibido proibir” no 3º Festival Internacional da Canção, da Globo em 1968, dois marcos da tropicália.
Ela fez parte dos Mutantes no período mais relevante e criativo da banda, de 1966 a 1972. Gravou “Os Mutantes” (68), “Mutantes” (69), “A Divina Comédia ou Ando Meio Desligado” (70), “Jardim Elétrico” (71) e “Mutantes e Seus Cometas no País dos Bauretz” (72).
O fim do relacionamento com Arnaldo Baptista coincidiu com a saída dela dos Mutantes. O primeiro álbum solo foi “Build up“, ainda antes de deixar a banda, em 1970. Ela também lançou “Hoje é o Primeiro Dia do Resto da Sua Vida“, em 1972, ainda gravado com o grupo, rememora o G1.
A carreira pós-Mutantes tomou forma com o grupo Tutti Frutti, no qual ela gravou cinco álbuns, com destaque para “Fruto proibido“, de 1975, que tinha a música “Agora só falta você“.
A partir de 1979, ela começou a trabalhar em parceria com o marido Roberto de Carvalho, e se firmou de vez na carreira solo. Ela escreveu e gravou canções de pop-rock com grande sucesso.
Um dos álbuns mais bem sucedidos foi “Rita Lee“, de 1979, com “Mania de Você“, “Chega mais” e “Doce Vampiro“. No disco de mesmo título do ano seguinte, ela segue na direção mais pop e faz ainda mais sucesso com “Lança perfume” e “Baila comigo“.
Em 2001, RIta Lee ganhou o Grammy Latino de Melhor Álbum de Rock em Língua Portuguesa com “3001”. Ela ainda teria mais cinco indicações ao prêmio, e receberia em 2022 o prêmio de Excelência Musical pelo conjunto da obra.

Em 2012, ela anunciou que deixaria de fazer shows por causa da fragilidade física. “Me aposento dos shows, mas da música nunca”, ela escreveu no Twitter. Ao todo foram 40 álbuns, sendo seis dos Mutantes e 34 na carreira solo.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS