21.5 C
Brasília
quinta-feira, 23 maio, 2024

Mídia ocidental foi instruída a não falar sobre vítimas do atentado perto de Moscou, diz Rússia

© Sputnik / Sergei Bobylev

Sputnik – O Ministério das Relações Exteriores da Rússia condenou o que disse ser uma tentativa do Ocidente de encobrir seu papel e demonizar o governo russo após a tragédia na sala de concertos.

A mídia ocidental foi instruída a manter silêncio sobre o número de vítimas do ataque terrorista no Crocus City Hall, comunicou nesta segunda-feira (8) o Ministério das Relações Exteriores da Rússia.
“Particularmente cínicas são as tentativas do Ocidente de distrair a comunidade internacional dos verdadeiros organizadores e beneficiários, por meio da instrução categórica para não cobrir a verdadeira escala da tragédia na mídia: não mencionar o número de vítimas do ataque terrorista, de crianças mortas, nem mostrar a reação dos cidadãos comuns ao que aconteceu”, indica o ministério em seu canal no Telegram.
A chancelaria explicou o fato pelo desejo de não demonstrar simpatia e humanismo em relação aos russos.
O ministério acrescentou que, imediatamente após o ataque, a mídia e as autoridades ocidentais organizaram uma campanha de relações públicas para negar o envolvimento dos serviços de segurança ucranianos.
Uma bandeira tricolor nacional russa tremula ao vento em frente à Catedral de São Basílio. Moscou, 15 de março de 2024 - Sputnik Brasil, 1920, 02.04.2024

Panorama internacional

Deputados russos denunciam ‘grupo criminoso organizado’ com responsáveis ​​de EUA, OTAN e Ucrânia

Assim, a mídia foi instruída a replicar a versão de que o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) esteve envolvido na organização do ataque; foi orientada a negar os vínculos dos islamistas com Kiev e com os serviços secretos ocidentais, bem como a desacreditar os resultados da investigação e a promover a teoria de que “os serviços secretos russos estiveram envolvidos”.
Em 22 de março, vários homens armados invadiram a sala de concertos Crocus City Hall e começaram a atirar nas pessoas. Os terroristas também provocaram um incêndio no local. O ataque deixou 144 mortos, segundo os últimos dados do Ministério para Situações de Emergência.
Os quatro principais suspeitos do caso — todos cidadãos do Tajiquistão — tentaram fugir do local de carro, mas foram detidos já perto da fronteira russa e acusados de terrorismo.

As autoridades russas acreditam que o plano dos suspeitos era fugir para a Ucrânia, onde os organizadores do ataque tinham um refúgio seguro para eles. Uma investigação sobre o caso está em andamento.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS