15.5 C
Brasília
terça-feira, 11 junho, 2024

México. Dos Maias e Astecas a Claudia Sheinbaum e a Quarta Transformação

Por Sergio Rodríguez Gelfenstein

Não é coincidência. Está nos anais. O povo mexicano fez isso mais uma vez, como em muitas outras ocasiões ao longo da história. É verdade que Hernán Cortés estava acompanhado de uma Malinche (no domingo passado também houve outra cortejando o passado) mas a memória nos lembra Atotoztli, Tomiyahuatl, Eréndira e Tecuichpo, grandes mulheres que forjaram a nação asteca.

No século 21 há outra: o nome dela é Claudia Sheinbaum. Como ela mesma diz: “Venho de uma família judia e tenho orgulho dos meus avós e dos meus pais”, mas não esquece que “fui criada como mexicana”. No país irmão há muitas Cláudias. Conheço vários deles.

Andrés Manuel López Obrador

Apesar disso, na sua conferência de imprensa matinal do dia 3 de junho, o presidente Andrés Manuel López Obrador (AMLO) destacou precisamente quem foi o protagonista do dia e quem desempenhou o papel principal no processo de evolução do seu país iniciado em 2018: AMLO disse: “…Ajudei na transformação do país, como milhões de mexicanos fizeram, porque não sou o único; Foi a minha vez de construir um processo, mas os principais atores, os principais protagonistas desta mudança foram milhões de mulheres e homens que têm lutado.”

Esta é a essência daquilo que a oligarquia não entende sobre o que está acontecendo: o povo tem sido o protagonista dos acontecimentos e o principal intérprete dos acontecimentos que levaram aos resultados eleitorais extraordinários do último domingo.

E como disse no início, da resistência dos astecas e maias ao colonialismo espanhol marcado pelo triunfo da “Noite Triste” e pela organização da defesa de Tenochtitlán que estabeleceu níveis de resistência sem precedentes, apenas superados pela selvageria, pelo desprezo, e a barbárie dos espanhóis e a sua superioridade em questões de guerra, os mexicanos não pararam de lutar. A resistência foi derrotada e teve um alto custo humano, mas gerou um sentimento de orgulho pelo que era próprio que ainda hoje vive na alma dos mexicanos. Há desprezo por Malinche e arrogância pela história passada.

Os impérios asteca e maia desapareceram, apesar do seu grande desenvolvimento científico e tecnológico, muito superior ao dos europeus em astronomia, medicina, hidráulica, agricultura e arquitetura, entre outros. Mas como me disse Moisés Morales, o grande sábio e guia de Palenque em Chiapas: “Os maias desapareceram e o que sou eu? E o que são todas essas pessoas ao nosso redor? Não são eles os descendentes daqueles que fundaram estas grandes cidades com uma economia próspera? Ele se referia a Palenque, Toniná, Chichen Itzá, Tulum, Tikal e Copal, entre outras cidades maravilhosas que já eram grandes cidades desenvolvidas quando Paris e Londres ainda eram aldeias miseráveis.

“Aqui estamos”, disse-me Moisés, infelizmente faleceu há alguns anos, e aqui hoje o povo mexicano, herdeiro de grandes tradições, assume o comando do seu destino. Como outros territórios da região e em uníssono com a Venezuela e o Río de la Plata, em 1810 eclodiu a insurreição, os camponeses e indígenas convocados pelo padre da cidade de Dolores, Miguel Hidalgo y Costilla, iniciaram a luta pela independência do jugo espanhol. Tal como a Venezuela, em 1821, após a entrada do Exército Trigarante na Cidade do México, culminou a luta pela independência. Antes, entre 1811 e 1815, José María Morelos tentou dar conteúdo social à luta, assumindo posições mais radicais em defesa dos humildes e da soberania nacional.

Mas, como em toda a América, a independência não foi completa. No México, coube a Benito Juárez estabelecer um corpo de leis e instituições que levasse à verdadeira construção do Estado mexicano e fê-lo num momento em que o país lutava com conflitos internos e externos que enfraqueciam o poder. As frágeis instituições construídas no período pós-colonial não conseguiram impedir que os Estados Unidos roubassem 55% do território mexicano. Juárez não só construiu o novo Estado, mas também o modernizou e tornou-o mais sólido.

Mas a modernidade não trouxe a prosperidade desejada pela maioria, as lutas internas não conseguiram dar estabilidade ao país, a propriedade da terra nas mãos de poucos e o perturbador papel activista da Igreja Católica não ajudaram a criar um clima que contribuísse para o desenvolvimento.

Uma acirrada luta eclodiu no país, na qual se destacaram os líderes camponeses Emiliano Zapata e Francisco Villa, que enfrentaram os resquícios da longa ditadura de Porfirio Díaz e lideraram, junto com outros, a revolução mexicana de 1910, que teve significativo impacto popular. participação. Os mexicanos nunca pararam de lutar até 1917, quando foi aprovada uma nova Constituição (ainda em vigor), que pela primeira vez incorporou uma série de direitos sociais em favor dos setores mais humildes da população, convertendo a Carta Magna mexicana em um exemplo a seguir. para toda a América Latina.

Embora se tenha estabelecido uma certa estabilidade e a luta pelo poder se manifestasse no quadro do sistema, o México não conseguiu arrancar no seu desenvolvimento. Em 1934, Lázaro Cárdenas foi eleito Presidente da República, marcando uma viragem na história mexicana ao tomar decisões que desafiaram os mecanismos tradicionais da política inaugurados após a revolução de 1910.

Cárdenas apelou para a necessidade de estabelecer um sistema político e económico que garantisse a igualdade entre todos os mexicanos, para o qual era essencial estabelecer um sistema educacional que proporcionasse acesso a todos. Da mesma forma, propôs-se fazer com que os trabalhadores e o povo desempenhassem um papel mais participativo na vida nacional, estabelecendo alianças com organizações sindicais. Foram criadas cooperativas de trabalhadores, assumindo o governo políticas que visavam melhorar as condições de trabalho dos trabalhadores, favorecendo as suas lutas contra os empresários nacionais e, sobretudo, estrangeiros.

Um momento chave do governo Cárdenas foi em 1936, quando foi aprovada a lei de expropriação de empresas petrolíferas estrangeiras em cumprimento do mandato da Constituição de 1917, que no seu artigo 27 estabelecia o direito da nação à propriedade sobre os seus recursos naturais. Assim, em 1938, através de um decreto, essa lei tornou-se realidade.

Inaugurou-se um novo período de “estabilidade” no quadro da democracia representativa, agora protegida pelo Partido Revolucionário Institucional (PRI), criado em 1929 e governado consecutivamente de 1930 a 2000. O modelo sui generis estabelecido pelo PRI, que se caracterizou pelo total controle da política internamente e pela defesa da soberania nacional sem interferir nos assuntos de outros países, externamente, gerou importantes avanços sociais no país, mas, em seus anos finais, o sistema tornou-se centralizador, corrupto e neoliberal, o aprofundamento da dependência externa dos Estados Unidos e a situação de pobreza da grande maioria.

Nessas condições, AMLO torna-se presidente em 2018 (anteriormente, sua vitória havia sido roubada em 2006 através de uma gigantesca fraude eleitoral) e inicia a Quarta Transformação, que é muito mais do que realizar uma série de medidas políticas que qualquer governo toma quando se trata de a administração de um país. Agora tratava-se de dar continuidade à história para produzir as mudanças que o país necessitava. O próprio Presidente AMLO explicou isso em seu discurso durante o 75º período de sessões da Assembleia Geral da ONU em 22 de setembro de 2020: as três primeiras transformações foram: “… independência, […] reforma e […] “a revolução e agora estamos determinado, empenhado em realizar a Quarta Transformação da vida pública do país, sem violência e de forma pacífica.”

Hoje, quando Claudia Sheinbaum foi eleita presidente do México, a América Latina celebra este acontecimento com alegria. Desde as guerras de independência, os destinos do México têm estado inextricavelmente ligados aos dos seus irmãos do sul. A Colômbia (a Grande), fundada pelo Libertador Simón Bolívar, foi o primeiro país a reconhecer a independência do México, o primeiro a enviar um diplomata e foi o primeiro país com o qual o México assinou um tratado de União, Liga e Confederação.

Os esforços de Bolívar pela unidade latino-americana tiveram o presidente mexicano Guadalupe Victoria e seu ministro das Relações Exteriores Lucas Alamán, seus aliados mais fortes. Em Tacubaya, no México, tentou-se continuar os esforços que não se concretizaram no Panamá em 1826.
No entanto, os governos neoliberais (sob o mandato de Washington) que começaram a governar o México no final do século XX levaram a um óbvio distanciamento de o país com a América Latina. Foi precisamente o presidente López Obrador quem assumiu os ideais de integração regional defendidos por Bolívar e Victoria.

Celac

Aí está a sua marca: recuperação e revitalização da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC) sob o manto integracionista do Libertador Simón Bolívar; rejeição absoluta e sem restrições do bloqueio ilegal dos EUA contra Cuba: não aceitação e recusa de interferir nos assuntos internos da Venezuela; esforço supremo para salvaguardar a integridade pessoal do presidente boliviano Evo Morales após o golpe de Estado de 2019, permitindo continuidade ao processo político daquele país; rompimento de relações com o Equador devido à incursão ilegal na Embaixada do México em Quito, violando todos os preceitos do direito internacional; apoio irrestrito a todos os processos democráticos na região, sem interferir na dinâmica política interna; exaltação e respeito incomensurável por Salvador Allende como ícone da democracia popular e da defesa da soberania nacional em nossa região…e há muito mais.

No terceiro debate entre os candidatos presidenciais, realizado em 19 de maio, Claudia Sheinbaum, citando Mario Benedetti, lembrou que “o sul também existe”. Nesse sentido, afirmou que “…vamos continuar ampliando as relações com a América Latina e o Caribe e fortalecendo a CELAC”. Isto é o que esperam os países e povos do sul porque, como escreveu Bolívar ao líder mexicano Agustín de Iturbide numa carta datada de 10 de outubro de 1821:

“A má sorte nos uniu; a coragem nos uniu na desgraça; e a natureza, desde a eternidade, nos deu o mesmo ser para que fôssemos irmãos e não estranhos…”

ÚLTIMAS NOTÍCIAS