18.5 C
Brasília
quinta-feira, 30 maio, 2024

Mensagens de ataque militar entre Irã e Israel

Foto: Reuters

Heba Ayyad*

Esperava-se que o Irã respondesse ao assassinato, por parte de Israel, de seus altos funcionários dentro de seu consulado em Damasco, por várias razões, sendo a mais importante delas estabelecer as linhas vermelhas de dissuasão entre as duas partes, linhas que Israel cruzou ao visar uma força diplomática iraniana.

Este é um precedente que não ocorreu antes no conflito controlado entre as duas partes, com os controles do realismo político por parte do Irã e o limite máximo do interesse estadunidense por parte de Israel. A resposta iraniana foi consistente com a ideia de controlar o equilíbrio da dissuasão e cruzou uma importante linha vermelha que o Irã não havia cruzado antes, que era atingir Israel com uma arma lançada de dentro do território iraniano.

O que é novo e constitui um precedente naquilo que testemunhamos ontem à noite é este ataque iraniano a Israel – abertamente – a partir do interior das fronteiras iranianas, e não do Líbano, da Síria, do Iraque ou do Iêmen, os quatro países árabes que o Irã tomou nos últimos anos como ponto de partida para gerir seu conflito com Israel, e como plataforma para lançar qualquer… Um golpe que queira dirigir-lhe.

Isto representa a quebra por parte do Irã de uma das mais importantes linhas vermelhas traçadas entre o Irã e Israel. Em resposta à quebra de outra linha vermelha por parte de Israel, isso indica que o conflito estratégico entre os dois lados começou a passar do âmbito de uma guerra oculta e indireta para uma guerra direta.

Qualquer pessoa que subestime o valor deste ataque à causa palestina é ou alguém que não compreende o aspecto psicológico das guerras, ou alguém que não compreende a fragilidade da sociedade sionista.

O Irã pode ter ousado dar esta resposta direta – que não tem precedentes – aproveitando-se da posição enfraquecida de Netanyahu dentro de Israel, dos problemas em suas relações com os estadunidenses e de seu esgotamento na guerra de Gaza, de tal forma que lhe é difícil abrir uma frente de guerra direta com o Irã nestas circunstâncias. Por medo de que outras frentes se abram contra ele, especialmente a partir do sul do Líbano e das Colinas de Golã. Além disso, é do interesse político do Irã atacar diretamente Israel durante a Guerra de Gaza, a fim de consolidar sua credibilidade e posição como o mais importante aliado militar da resistência palestina.

Se Israel responder ao ataque iraniano atacando o território iraniano, as coisas desviarão do habitual jogo de dissuasão entre as duas partes, e controlar a extensão do conflito tornar-se-á difícil no futuro, especialmente para os estadunidenses que desejam controlar o curso e extensão do conflito.

As implicações do ataque iraniano a Israel podem ser resumidas de vários ângulos, incluindo o seu impacto na guerra de Gaza e na situação palestina em geral, e depois o seu impacto no contexto árabe, especialmente nos países do leste do Mar Vermelho e no Mediterrâneo Oriental. Finalmente, consideremos se este ataque iraniano a Israel é o início de um confronto com uma guerra prolongada, multiobjetiva e multifacetada, ou se irá forçar os dois lados a regressar às suas regras tradicionais de combate.

Da perspectiva da guerra em Gaza, pode-se dizer: Qualquer ataque iraniano a Israel – por mais simbólico que seja – é benéfico para o povo de Gaza, pois alivia-o do fardo da guerra bárbara que Israel está travando contra ele. O povo de Gaza beneficiou deste confronto Irã-Israelense desde o primeiro dia. Imediatamente após atacar o consulado iraniano em Damasco, Israel começou a retirar a maior parte das suas forças de Gaza, no que parece ser uma preparação preventiva para qualquer confronto nas fronteiras norte com o Líbano e a Síria, dado o controle estratégico iraniano sobre estas duas frentes.

A frente de Gaza pode beneficiar de muitos outros benefícios deste confronto, incluindo:

Os israelitas foram forçados a parar a guerra em Gaza;

Evitar combates em duas frentes: a frente de Gaza, no sul, e a frente do Líbano e Golã, no norte. É nisso que os israelenses estão sempre interessados.

Os estadunidenses foram forçados a exercer pressão para parar a guerra;

Para evitar uma explosão regional descontrolada, especialmente porque a posição da América na região atingiu o fundo do poço, devido à sua vergonhosa cumplicidade na guerra de Gaza.

Aumentar o apoio militar e técnico iraniano à resistência palestina em quantidade e qualidade.

Para ofender e retaliar contra Israel. Isto poderá levar a um desenvolvimento qualitativo no armamento e no desempenho desta resistência.

Da perspectiva da questão palestina em geral, pode-se dizer: Não existe arma mais poderosa contra o colonialismo dos colonos israelitas na Palestina do que a arma do medo e do pânico, e espalhar o pânico na sociedade israelita é o resultado mais importante do ataque iraniano a Israel ontem à noite.

Qualquer pessoa que subestime o valor deste ataque à causa palestina é ou alguém que não compreende o aspecto psicológico das guerras, ou alguém que não compreende a fragilidade da sociedade sionista, a qual é uma sociedade fabricada a partir da diáspora humana vinda de todo o mundo, e a maioria dos seus membros possui dupla cidadania. Qualquer sentimento de insegurança e tranquilidade poderia levar uma grande parte desta sociedade artificial a fugir e, assim, o projeto sionista iria erodir-se e começaria a desaparecer.

O jornal israelense (Jerusalem Post) indicou há dois dias que um estado de histeria e pânico prevalece na sociedade israelense desde o ataque israelense ao consulado iraniano. Ele afirmou que os israelenses estão sacando dinheiro das máquinas bancárias, armazenando água e comprando todos os geradores de eletricidade disponíveis no mercado, em pânico e medo.

Há anos, o Centro de Estudos Iranianos da Universidade de Tel Aviv realizou uma pesquisa, cujos resultados foram publicados pelo jornal israelense Haaretz, revelando que cerca de um quarto dos israelenses estão considerando emigrar de Israel permanentemente assim que o Irã anunciar que obteve uma arma nuclear.

Da perspectiva da situação estratégica árabe, pode-se dizer que todos os países árabes a leste do Mar Vermelho e do Mediterrâneo estão apanhados no fogo cruzado entre o Irã e Israel, gostem ou não. Isso se deve a:

– Os países com forças militares e políticas aliadas ao Irã e que apoiam a causa palestina estão motivados a integrar-se na batalha, apoiando o Irã e Gaza.

– Países mergulhados na dependência de Israel estão próximos da possibilidade de retaliação por parte do Irã e de seus aliados, e recentemente ouvimos uma ameaça iraniana a um desses países.

– Países que têm bases militares estadunidenses temem que suas terras se tornem uma das arenas desta guerra, na qual não têm outra escolha senão participar.

– Os países que fazem fronteira com Israel estão presos em armadilhas geopolíticas e não podem escapar aos efeitos desta escalada, independentemente de suas posições.

Ainda não está pronto para uma guerra direta opcional com Israel e não se envolverá neste tipo de guerra direta – a curto prazo – a menos que Israel e seu aliado estadunidense a imponham. O ataque do Irã a Israel ontem foi mais uma mensagem simbólica com impacto militar limitado.

Não há nada nesta declaração que diminua o valor estratégico do ataque a longo prazo, apesar de suas limitações militares circunstanciais, uma vez que este ataque terá um profundo impacto psicológico na sociedade israelense e na imunidade psicológica do Estado sionista e da sociedade sionista. Depois do choque do heroico ataque da resistência palestina em 7 de outubro, que penetrou como nenhum outro nas linhas de defesa israelenses, aqui está o Irã violando as fronteiras de defesa israelenses – abertamente – seis meses depois desse ataque, e mostrando a fragilidade desta entidade que pintou para si uma imagem falsa, que é a imagem da força invencível.

Portanto, pode-se dizer: 7 de outubro de 2023 e 13 de abril de 2024 ficarão para a história como dois dias em que o estado sionista perdeu uma parte importante de sua dissuasão, não por causa do tamanho das perdas israelenses neles, mas por causa do abalo da autoconfiança dos sionistas, a imunidade do seu projeto político e o falso sentimento do seu povo. Dos horizontes dispersos – com a insegurança e a tranquilidade no centro, e o enfraquecimento da sua vontade e confiança no futuro deste estado bastardo na terra da Palestina… A guerra nada mais é do que um conflito de vontades no final.

*Heba Ayyad é jornalista, analista de politica internacional, escritora e poeta palestina/brasileira 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS