24.5 C
Brasília
sábado, 22 junho, 2024

Mauro Vieira garante que Brasil não pode ser mediador na Ucrânia: ‘Não é tarefa para um país só’

© Folhapress / Ton Molina

Sputnik – O Brasil não pretende ser mediador entre a Ucrânia e a Rússia, pois a resolução desse conflito exige esforços de muitos países, disse o chanceler brasileiro Mauro Vieira em entrevista ao Congresso em Foco.

Conforme o chanceler explicou, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva vem apenas postulando a “necessidade urgente de se falar na paz, e não só na guerra” e, segundo ele, esse objetivo vem sendo alcançado.

“Não somos candidatos à mediação. O que temos dito é que estamos dispostos a apoiar qualquer esforço de paz, e que a guerra na Ucrânia requer um esforço coletivo de vários países, não é tarefa para um país só”, disse Vieira.

O diplomata observou que o objetivo do Brasil de falar sobre a paz na Ucrânia está sendo alcançado, citando como exemplo os esforços dos países africanos que enviaram uma delegação de alto nível a Kiev e Moscou, bem como as conversas do líder brasileiro com o papa Francisco no Vaticano.

“A evolução desse processo depende fundamentalmente dos países envolvidos, e da sua disposição em negociar, mas o avanço recente fez com que o debate global não esteja mais exclusivamente focado no conflito“, acrescentou chanceler.

Por sua vez, o presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva disse, na cúpula entre a União Europeia (UE) e a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC) na semana passada, que a comunidade mundial está se cansando do conflito na Ucrânia, ao mesmo tempo em que observa a importância dos esforços de todos os países para resolvê-lo.

Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião de relançamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Industrial – CNDI, 6 de julho de 2023 - Sputnik Brasil, 1920, 24.07.2023

Notícias do Brasil

Internacionalismo itinerante de Lula: como foi a política externa brasileira no 1º semestre de 2023?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS