21.5 C
Brasília
domingo, 23 junho, 2024

Mateus Aleluia apresenta exposição inédita Benin do lado de cá

A obra reata a herança afro musical brasileira com o continente africano

Os toques e os cantos dos Voduns em suas terras de origem, Benin, atravessaram o Atlântico e no Brasil se refizeram em modos e práticas de vida. Esse resgate ancestral, que reata a herança afro musical brasileira com o continente africano, é apresentado por Mateus Aleluia em sua exposição inédita Benin do lado de cá.

A obra, que tem sua estreia na Casa do Benin, em Salvadorde 06/09 a 05/12, é fruto de uma expedição etno-poética-musical     realizada pelo artista em 2022. Na exposição, as mais diversas linguagens artísticas, como música, fotografia e audiovisual, se relacionam com procedimentos etnográficos, trazendo uma contribuição significativa para o entendimento dos contornos identitários do povo brasileiro a partir das culturas advindas da diáspora africana. Antes de tudo o som. O canto é fundamental. Esse canto que atravessa tempos, épocas. Nos faz retornar ao tempo de antes de a gente ter nascido, fundamenta o artista. Essas conexões resultaram em músicas inéditas, mas também em um museu virtual com conteúdo em diversas linguagens que traduzem o que foi vivenciado. A exposição ganha, ainda, uma versão digital, que poderá ser visitada por pessoas de todo o mundo. Todo o conteúdo da exposição estará disponível no Museu Virtual, em https://www.nacoesdocandomble.com.br/museu.Na véspera da abertura da exposição, dia 05/09, às 18h30, ocorrerá um bate-papo especial na Casa do Benin com o idealizador do projeto Mateus Aleluia, a diretora artística Tenille Bezerra, e o pesquisador Hippolyte Brice Sogbossi, professor titular do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de Sergipe. Os três estiveram juntos durante toda a expedição que resultou no material apresentado na exposição. Advogamos o princípio que toda cultura vem do culto. Os africanos que atravessaram o Atlântico em direção ao Brasil criaram aqui um pan-africanismo de culto que se transformou em um pan-africanismo de cultura, que por sua vez passou a conviver com as culturas das várias etnias indígenas, donas da terra. Nações do Candomblé surge da necessidade da vida em mostrar que a vida tem que ser inclusiva, que a gente não pode viver de forma totalmente independente, é como se a independência fosse uma independência de todos, com todos, para todos, uma democracia mais real para os dias de hoje, destaca Mateus Aleluia, anfitrião e idealizador de Nações do Candomblé

A curadoria é assinada pela pesquisadora e diretora artística Tenille Bezerra. “Nesta exposição apresentaremos parte dos registros realizados na Bahia em 2021 e no Benin em dezembro de 2022. Transitamos pelos elos cantados do invisível para tornar visível muito do que nos aproxima do grande continente mãe: África”, ressalta. O projeto se tornou viável pelo engajamento de importantes parceiros, tais como o o professor Hippolyte Brice Sogbossi, que durante toda a viagem foi o intérprete e articulador dos encontros com as lideranças religiosas do Benin. Quem assina todo o registro sonoro do projeto é o produtor musical e engenheiro de som Tadeu Mascarenhas do Estúdio Casa das Máquinas. Já na exposição foi peça fundamental o artista visual Tiago Ribeiro. O Nações do Candomblé tem idealização da Sanzala Cultural e é uma realização da Talismã Arte e Cultura, Casa do Benin, Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura de Salvador

Museu virtual – O registro dos cantos para os voduns bem como as entrevistas com sacerdotes e líderes de culto que estão na exposição são parte do material que integra o Museu Virtual Nações do Candomblé, disponível em www.nacoesdocandomble.com.br. Outro produto resultado dessa pesquisa é o disco “Afrocanto das Nações – Jêje”, indicado ao Grammy Latino 2022 – mesmo ano em que foi lançado. A obra traz a leitura de Mateus Aleluia sobre a relação do homem com o sagrado, através de cantos, práticas e modos de vida advindas dos cultos pesquisados.

Nações do Candomblé  É um projeto de autoria do cantor e compositor Mateus Aleluia onde ele apresenta suas pesquisas mais recentes no âmbito da ancestralidade ritualística musical pan-africana. O projeto surgiu do desejo de registrar e reatar a herança afro musical do Brasil com o continente africano, comparando os toques e cantos praticados aqui no Brasil com os toques e cantos dos Orixás, Nkises e Voduns em suas terras de origem.

Em uma primeira etapa, realizada de forma remota, o projeto se debruçou sobre as contribuições poético-musicais dos povos africanos das etnias Fon/Ewe /Ashanti do antigo Reino de Daomé, atual (país) Benin. Apesar destas etnias também terem as suas raízes em outros Estados – Países do continente Africano, os trabalhos foram iniciados nas cidades de Ouidah, Abomey, Savalu,Dassa Zoumé e  Porto Novo, no Benin, e pelas casas de Candomblé je em Salvador e Cachoeira, na Bahia. 

Mateus Aleluia – Brasileiro natural de Cachoeira, na Bahia. Cantor, compositor e pesquisador da musicalidade afrobrasileira, Mateus Aleluia se destaca no cenário da World Music como uma das vozes mais marcantes da última década. Premiado pelos seus últimos trabalhos lançados, em 2018 ele teve o seu álbum Fogueira Doce” destacado como um dos melhores álbuns do ano. Em 2020 ele comemorou 50 anos de carreira musical que se iniciou no trio vocal Os Tincoãs”.  

O trio é considerado pioneiro em trazer à Música Popular Brasileira, de forma consistente, o universo poético do candomblé e da umbanda. Com sofisticados arranjos vocais a obra dos Tincoãé considerada ainda hoje um capítulo singular na história da música brasileira. Tendo aliado a sua carreira de músico à pesquisa cultural foi que Mateus Aleluia desenvolveu a peculiaridade da sua expressão artística. Em Angola, onde viveu por 20 anos, ele seguiu desenvolvendo, através do Ministério da Cultura daquele país o trabalho de pesquisador cultural, tendo desta forma conhecido e aprofundado os seus estudos em diversas províncias. Tornado comendador em 2019 pela Bahia, seu estado natal, ele é considerado uma das personalidades culturais mais importantes do Brasil atual. Em 2020 foi objeto do filme documentário Aleluia, o canto infinito do Tincoã”.

Tenille Bezerra – Natural de Valença, Bahia. Ao longo dos últimos 20 anos atua nas fronteiras entre imagem e palavra tendo o cinema e a poesia como seus ambientes expressivos mais marcantes. Em 2017 lançou o livro “rumor” pela editora Moinhos. Em 2020 lançou os filmes Aleluia, o canto infinito do Tincoã (70min) e Ventania no coração da Bahia (25min). Em 2022 fez a direção artística do álbum “Afrocanto das Nações”, do cantor e compositor Mateus Aleluia, que foi indicado ao Grammy Latino. Como produtora atua em parceria com Mateus Aleluia no desenvolvimento e execução de diversos projetos. Em 2022 finalizou um trabalho de pesquisa intitulado: “Cosmopoéticas caboclas como práticas de desvio pela imagem”. Em 2023 finalizou o livro de poemas ” Aliberes, aves e plumas”, que será lançado em breve em Portugal e Luanda.

Hippolyte Brice Sogbossi: Possui graduação em Língua e Literaturas Hispânicas – Universidad de La Habana (1992), doutorado em Ciências Filológicas pela mesma universidade (1996) em Cuba. Mestrado e doutorado em Antropologia Social – Fórum de Ciência e Cultura, MN/UFRJ/PPGAS (1999 e 2004, respectivamente). Atualmente é Professor Titular de Antropologia do departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de Sergipe. 

Tem trabalhos publicados sobre a presença lingüístico-cultural daomeana no Brasil, Haiti e em Cuba. Experiência também na área de Antropologia, com ênfase em Antropologia Cultural, atuando principalmente nos seguintes temas: etnolingüística, antropologia da religião (populações afro-americanas), antropologia da morte, relações inter-étnicas, antropologia das populações afro-americanas (Cuba, Haiti e o Brasil) e africanas.

SERVIÇO

ExposiçãBenin do lado de cá

Local: Casa do Benin |  Avenida José Joaquim Seabra, 7, Pelourinho

Período: 06/09/2023 a 05/12/2023. Entrada gratuita

Bate-papo: 05/09, às 18h30, com Mateus Aleluia, Tenille Bezerra e Hippolyte Brice Sogbossi. Entrada gratuita, sujeita à lotação do espaço

Idealização: Sanzala Cultural e Talismã Arte e Cultura

Realização: Talismã Arte e Cultura, Casa do Benin, Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura de Salvador

ÚLTIMAS NOTÍCIAS