19.5 C
Brasília
domingo, 14 julho, 2024

Mais de 3 mil presos já foram enviados às Forças Armadas da Ucrânia após lei de mobilização

© Sputnik / Yevgeny Biyatov

Sputnik – Mais de 3 mil presos ucranianos já foram libertados antecipadamente e enviados para unidades militares por conta da lei de mobilização aprovada na Ucrânia, informou nesta segunda-feira (1º) a agência Associated Press, que citou a vice-ministra da Justiça do país, Elena Vysotskaya.

Vladimir Zelensky assinou um projeto de lei sobre a mobilização de criminosos que cumprem pena em locais de detenção para as Forças Armadas do país. Conforme a vice-ministra da Justiça, quase 4 mil presos expressaram o desejo de servir nas unidades militares.
Em meados de junho, o canal CNN, que citou o ministro da Justiça da Ucrânia, Denis Malyuska, relatou que o primeiro grupo de presos ucranianos mobilizados já estava em treinamento e que, desde o início da vigência da lei, cerca de 5 mil presos haviam solicitado nas Forças Armadas, com quase 2 mil passando pela comissão médica.
No fim do mês, o jornal ucraniano Telegraf informou que seis presos ucranianos que anteriormente haviam concordado em se mobilizar para o Exército fugiram do centro de treinamento Desna, estando eles armados.
Vladimir Zelensky no Salão Oval da Casa Branca, em Washington D.C. EUA,  21 de setembro de 2023 - Sputnik Brasil, 1920, 29.06.2024

Operação militar especial russa

Ajuda financeira estrangeira a Kiev atinge o menor nível desde fevereiro de 2022

“Mais de 3 mil presos já receberam libertação condicional antecipada e foram enviados para unidades militares após a aprovação de tal medida pelo parlamento no projeto de lei de mobilização”, informou a agência, citando Vysotskaya.
Conforme dados do Ministério da Justiça da Ucrânia, há cerca de 27 mil presos que podem ter o direito de servir nas unidades militares do país.
A lei que reforça a mobilização na Ucrânia entrou em vigor em 18 de maio. O documento exige que todos os militares atualizem seus dados dentro de 60 dias a partir da data de entrada em vigor da lei. Para isso, é necessário comparecer ao comissariado militar ou se registrar no “gabinete eletrônico do recruta”.
Ucraniano leva munição para treinamento em um campo de tiro em Brno. República Tcheca, 10 de abril de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 01.07.2024

Panorama internacional

Ex-primeiro-ministro da Grécia Karamanlís acusa a Europa de incitar conflito na Ucrânia

A convocação será considerada entregue mesmo que o recruta não a tenha visto pessoalmente. O projeto de lei estipula que os integrantes das forças devem portar constantemente seu bilhete militar e apresentá-lo a qualquer solicitação de funcionários do comissariado ou da polícia.

Enquanto isso, os prazos de desmobilização não são especificados no documento, retirado por Zelensky após a promulgação da nova lei, o que causou indignação em alguns deputados.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS