24.5 C
Brasília
domingo, 19 maio, 2024

Maduro: EUA e Europa confrontam seus povos com suicídio econômico

HispanTV – O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, garante que os EUA e a Europa, ao tentarem acabar com a Rússia, cometeram suicídio econômico e social.

Em um ato televisionado, o presidente enfatizou que a Europa e os Estados Unidos decretaram o suicídio econômico e social de suas sociedades, de suas economias, para prejudicar a Rússia, “por causa de uma obsessão russofóbica”.

Trump avisa: Alemanha ficará sem país e se renderá à Rússia
Eles “preferem a crise energética, os apagões, a crise econômica, a inflação desencadeada, a negociar a paz com a Rússia, tranquilizar a Rússia e que todos cheguemos a um acordo de paz, de harmonia”, criticou o chefe de Estado venezuelano.

chttp://Rússia: a Europa não pode ficar sem nosso gás até 2027, não é tão simples

Diante disso, Maduro disse que aderiu à proposta do México de consolidar um comitê de diálogo internacional dentro do Conselho de Segurança das Nações Unidas (SCNU) para buscar uma negociação de paz justa entre Rússia e Ucrânia.

Nesse sentido, o dignitário venezuelano também defendeu a reativação dos mecanismos de diplomacia, diálogo e política para evitar que o conflito ucraniano-russo se transforme em uma “grande guerra nuclear mundial”.

¿EEUU y UE pueden enfrentar consecuencias de sus sanciones a Rusia? | HISPANTV
Os EUA e a UE podem enfrentar as consequências de suas sanções à Rússia? | HISPANTV

Os EUA e a UE não são capazes de resistir às sanções energéticas contra a Rússia, já que ambos dependem do abastecimento russo, acreditam os leitores da HispanTV.

Além disso, ressaltou que, enquanto a recessão paira sobre os países ocidentais, “a Venezuela bate o recorde mundial de crescimento econômico”, principalmente na área não petrolífera.

Maduro: Apesar das ameaças do imperialismo, Venezuela continua avançando

Ele indicou que o último trimestre está registrando “crescimento de mais de 20% da economia real, nos quatro trimestres anteriores tivemos crescimento de mais de 17%”, disse Maduro.

A Venezuela enfrenta colossais embargos econômicos de Washington, que endurece suas sanções para, como denuncia Caracas, forçar uma mudança de governo e controlar os ricos recursos do país bolivariano.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS