Brasília, 4 de agosto de 2021 às 00:54
Selecione o Idioma:

Internacional

Postado em 18/12/2019 9:53

Macron descarta abrir mão de reforma da Previdência

.

Greve paralisa transportes em Paris

Palácio do Eliseu anuncia disposição de “melhorar” a proposta através de discussões com os sindicatos. Governo se reúne com sindicalistas e empregadores para tentar evitar paralisações durante o fim do ano.

    DW

O presidente da França, Emmanuel Macron, garante que não vai abandonar os planos de reforma previdenciária, mas se diz disposto a “melhorá-la através de discussões com os sindicatos”, especialmente em relação ao planejado aumento da idade de aposentadoria de 62 para 64 anos, informou nesta quarta-feira (18/12) o Palácio do Eliseu.

O anúncio ocorre quando os protestos contra a reforma da Previdência proposta pelo governo completam duas semanas e um dia, após o país ser paralisado por uma segunda greve geral em 13 dias, convocada por todas as centrais sindicais francesas – algo inédito desde 2010.

Nesta quarta-feira, está agendada uma rodada de negociações entre governo e centrais sindicais. O novo alto-comissário para Previdência do governo, Laurent Pietraszewski, e o primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, têm encontros individuais marcados com líderes sindicais e empregadores, na tentativa de encontrar uma saída para a crise que paralisa amplamente o transporte público. Para a quinta-feira está prevista uma reunião conjunta com as partes envolvidas.

O escritório da presidência francesa ressaltou que um objetivo imediato do governo é convencer os sindicatos a suspenderem as greves de transporte durante os feriados de Natal. Os líderes do movimento ameaçam continuar a paralisação até o fim do ano, caso o governo não retire sua proposta de reforma previdenciária.

O governo revelou estar aberto a buscar um acordo em torno da idade de aposentadoria, prevista para ser elevada dos atuais 62 para 64 anos. O Palácio do Eliseu também indicou que Macron pode fazer concessões no calendário para entrada em vigor da reforma.

O primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, assegurara ser possível uma flexibilização em outros pontos, como a aposentadoria mínima de mil euros, sua antecipação para profissões em condições mais difíceis, ou a transição para o novo sistema por pontos para funcionários públicos e outros beneficiários de regimes especiais.

Entre eles, estão os trabalhadores de empresas de transporte público, os mais ativos no protesto, que nas últimas duas semanas mantêm o país parcialmente paralisado, principalmente na capital e outras grandes cidades.

MD/afp/efe/rtr

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. 

Comentários: