Brasília, 26 de outubro de 2021 às 13:07
Selecione o Idioma:

Argentina

Postado em 12/04/2016 10:06

Macri diz que se apresentará à Justiça argentina para esclarecer participação em offshores

.

O presidente argentino, Mauricio Macri, fala à imprensa durante evento na Casa Rosada nesta quinta-feira (EFE)

Redação | São Paulo – Opera Mundi

‘Não tenho nada a esconder’, diz presidente argentino; Ministério Público do país pediu investigação sobre suposta ‘omissão maliciosa’ na declaração de bens do presidente

O presidente argentino, Mauricio Macri, afirmou nesta quinta-feira (07/04) que se apresentará amanhã à Justiça argentina para esclarecer sua participação em empresas offshore não declaradas, reveladas pelos “Panama Papers” e pela imprensa argentina.

“Não tenho nada a esconder”, afirmou Macri, acrescentando que irá apresentar uma “declaração de certeza” à Justiça argentina de que não houve “omissão maliciosa” das empresas em sua declaração jurada de bens.

Nesta quinta-feira, o procurador federal da Argentina Federico Delgado aceitou uma denúncia contra Macri por sua participação em duas sociedades offshore. Com isso, será aberta uma investigação contra o presidente.

O promotor propôs que Sebastián Casanello, juiz que tratará do caso, determine, como “primeiro passo” do processo, se Macri “omitiu maliciosamente” sua participação na empresa Fleg Trading, revelada pelos “Panama Papers”, e Kagemusha, revelada pela investigação de um jornalista argentino. Será investigado ainda se as offshores desempenharam atividades ilegais.

O presidente argentino reiterou hoje que, por não ser acionista e não receber lucros por sua participação nas empresas, não era necessário incluí-las em sua declaração. “Estou muito tranquilo, cumpri com a lei”, disse o presidente.

As primeiras declarações de Macri sobre sua participação em offshores foram feitas durante evento na Casa Rosada convocado para anunciar o envio ao Congresso argentino de um projeto de Lei de Acesso à Informação Pública, que o presidente vinculou com a vontade de “transparência” de seu governo.

Comentários: