12.5 C
Brasília
quarta-feira, 12 junho, 2024

López Obrador reitera interesse em apurar o caso Ayotzinapa

Cidade do México, 3 out (Prensa Latina) O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, reiterou hoje que seu governo está muito interessado em descobrir o que aconteceu em Iguala com os 43 estudantes normais desaparecidos de Ayotzinapa.

Quando questionado sobre este assunto na sua conferência de imprensa matinal, o presidente disse que há três prioridades neste caso: primeiro, descobrir exatamente o que aconteceu naquela noite em Iguala quando os jovens desapareceram.

Em segundo lugar, porque é que tentaram esconder os factos, o que os levou a inventar uma “verdade histórica” para encerrar as investigações e criar falsos positivos, o que não corresponde à realidade, uma vez que a inventaram depois dos fatos.

Terceiro, encontre os meninos, por que desapareceram, o que fizeram com eles, onde estão seus restos mortais, e aí estaremos avançando em toda aquela investigação, mas muito lentamente.

Pessoas ligadas estão sendo presas e os progressos estão sendo feitos, mas muito lentamente. Ele repetiu que está empenhado em cumprir antes do final do seu mandato, para saber quem são os culpados e puni-los.

Disse que alguns dos participantes foram detidos, mas conseguiram a liberdade porque foi feito um pacto de silêncio e tudo ficou emaranhado. Nunca foi revelado o que aconteceu ou quem foi o responsável.

Por exemplo, o ex-procurador Jesús Murillo, criador da verdade histórica, é detido juntamente com Tomás Zerón, chefe da agência de inteligência, fugitivo em Israel, e soldados.

O ex-procurador assumiu a sua responsabilidade no processo de investigação e também ficou provada a culpa do seu subordinado Tomás Zerón.

Uma vez com esse relatório, o promotor foi informado de que Ayotzinapa era um crime de Estado e que tínhamos que ir ao fundo e fazer justiça, e um relatório foi entregue à comissão que foi criada para consolidar as investigações, com provas, e prender mandados seriam solicitados, explicou ele.

Mas os obstáculos começaram, disse ele, e os procuradores começaram a agir de forma muito estranha, houve cumplicidades e não iam prender ninguém e agiram com cautela.

Isto é o que o bloco conservador exigia para ter o caso como uma bandeira contra este governo, quando eles são os culpados, como é a OEA que os protegeu e a sua Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

Explicou que, apesar de tudo, a investigação continuou e houve progressos e a verdade histórica já estava desacreditada, por isso começaram a envolver mais soldados e oficiais no último minuto.

Foi como uma pressão para recuarmos para não termos problemas com o exército e seus comandantes, mas eles agem com lealdade e não funcionou para eles.

Agora revelam que nem toda a informação foi fornecida quando é incerta e foi perguntado onde estão os 120 detidos por um caso, incluindo militares de alta patente, entre eles dois generais, e a investigação continua a aprofundar-se.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS