12.5 C
Brasília
domingo, 23 junho, 2024

López Obrador questiona a passividade da ONU na crise migratória global

Cidade do México, 21 set (Prensa Latina) O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, reiterou hoje que o problema migratório é estrutural e devemos ir às suas causas para resolvê-lo, mas organizações como a ONU nada fazem.

Questionado sobre o aumento da passagem de migrantes pelo México e os últimos incidentes de embarque em comboios de mercadorias, reiterou a sua opinião de que se está a dar uma abordagem intencionalmente errada a um problema estrutural global devido às condições negativas de um sistema socioeconómico que todos conhecem e nada é feito, nem mesmo as Nações Unidas.

A questão básica é que devemos enfrentar os problemas subjacentes que afectam o mundo inteiro e repetiu que a ONU se tornou um ornamento, um vaso, e lembrou que na sua assembleia geral do ano passado propôs abordar os problemas estruturais, combater a corrupção, a desigualdade , má distribuição de riqueza, concentração de capital.

Além disso, criar um fundo entre todos os países, com o qual os mais ricos do mundo devem contribuir para que um bilhão de seres humanos que vivem com menos de um dólar por dia tenham direito à justiça, à vida, mas o que tem a ONU sobre isso? Nada!

Porque é que a crise migratória está a aumentar?, perguntou ele. Porque não existe um único plano dos organismos financeiros internacionais, do Banco Mundial, das principais potências, para ajudar os países mais pobres.

Porém, quanto é gasto em armas para travar guerras e matar pessoas? Eles só pensam em enviar armas para a Ucrânia. Se todo esse dinheiro que é usado em armas, que só favorece a indústria bélica e causa mortes, fosse usado para combater a pobreza, a saúde, a educação e a criação de empregos, não teríamos estes problemas do fenómeno migratório, expressou.

O que é feito em vez disso? militarizar as fronteiras!, e o que Joe Biden está a fazer para aumentar os vistos para alguns países é bom mas insuficiente, estes programas devem ser ampliados, mas mesmo assim continuaremos a insistir para que as causas sejam abordadas.

Aos que por aqui passam, disse, tentamos dissuadi-los de irem para norte porque é muito perigoso, tentamos cuidar deles, para que não caiam nas mãos dos coiotes, e avisamos-lhes do perigo. “riscos, até facilitamos a permanência deles no México. Mas agora eles vêm com seu esquema mental de entrar nos Estados Unidos a qualquer custo”, indicou e admitiu que é difícil impedi-los.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS