25.5 C
Brasília
domingo, 26 maio, 2024

López Obrador não vai à cúpula de Biden e defende Cuba

Cidade do México (Prensa Latina) O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, confirmou hoje que não participará da Cúpula das Américas, defendeu Cuba e criticou o bloqueio e a exclusão praticados por Joe Biden.

O encontro pode ser um fracasso, mas eles são responsáveis por sua política de fechamento e, em particular, o senador democrata Bob Menéndez, chefe da Comissão de Relações Exteriores do Senado, que se opôs a tudo e usa a política do ódio contra seu país de origem, denunciou.

Ele também informou que visitará Biden em julho para discutir todas as questões importantes sobre uma integração real de todo o continente americano semelhante ao que os europeus fizeram com sua união, e outras questões inevitáveis.

Ele disse que o Ministro de Relações Exteriores Marcelo Ebrard o representará e o principal motivo de sua ausência é que não convidaram todos os países do continente, para o qual deixará de ser uma Cúpula das Américas.

Insistiu que acredita na necessidade de mudar a política que se impõe há séculos no hemisfério, de exclusão, de querer dominar sem motivo, de não respeitar a soberania dos países, a independência de cada um, e assim não pode haver Cúpula das Américas, para isso todos os países do continente devem participar.

Poderia haver, mas não das Américas, qualquer outra coisa porque continuaria com a velha política de intervencionismo e desrespeito às nações e seus povos.

Tudo tem a ver com a parte poderosa da comunidade cubana na Flórida, que do meu ponto de vista age com ódio, não quer a irmandade dos povos nem a sua própria, e faz um povo admirável e digno como o de Cuba, sofrer muito, disse ele.

Não é possível, disse ele, que um governo dependa de uma única pessoa como Bob Menéndez, que, por sua posição no Senado, pode quebrar o empate de 50 a 50 na balança de representação naquela Câmara.

Se dependemos de um senhor do ressentimento e do ódio e esquecemos nossos povos, então estamos agindo de forma sectária, traficando a dor dos povos, aproveitando-se, disse.

“Eles estão administrando a política em relação a Cuba de uma forma que não é conveniente para ninguém, nem mesmo os próprios Estados Unidos e, claro, os estadunidenses e cubanos residentes, que têm bom coração, são contra manter um bloqueio que impede que alimentos, remédios ao povo cubano e isso é genocídio, uma tremenda violação dos direitos humanos”, reafirmou.

Ele criticou que quando a Assembleia Geral da ONU tem que votar a resolução contra o bloqueio, o mundo inteiro aprova, exceto os Estados Unidos e outro país (Israel), mas não é suficiente porque depois não são consistentes com seu voto e que não deve ficar lá em discussão.

Há uma situação injusta que deve acabar agora, e as mudanças devem começar, e é isso que quero discutir com Biden em julho, reiterou.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS