23.5 C
Brasília
sábado, 22 junho, 2024

Líder indígena pede fim da repressão em província argentina

Reprodução Facebook

Buenos Aires, 30 de junho (Prensa Latina) A líder indígena argentina Milagro Sala pediu hoje o fim da violência contra os protestos na província de San Salvador de Jujuy, onde as autoridades locais invadiram sua casa no dia anterior.

A também líder política e social exigiu que o governador daquela região do noroeste, Gerardo Morales, gestor da reforma da Constituição que originou as mobilizações, respeitasse as leis e cessasse a perseguição que a levou ao atual estado de prisão domiciliar, acrescenta o estação nacional AM750.

“Não quebro, em nome do meu filho”, disse a líder do grupo de bairro Tupac Amaru para sintetizar a coragem com que enfrentou as medidas judiciais e políticas implementadas pelo governante contra ela, seus familiares e sua organização há oito anos atrás.

“Que acabem de vez com essa perseguição a mim e à minha família, que se dediquem ao povo, que se restabeleça a democracia em Jujuy”, enfatizou o líder indígena em diálogo com o AM750, horas depois da batida na casa onde servia um sentença de prisão

A rusga, como outras vezes -explicou- foi devido a uma denúncia de que eu era um dos organizadores das mobilizações realizadas por melhores salários no setor educacional e depois contra a reforma salarial e com a mobilização de outros sindicatos.

Segundo Sala, “esta não é a primeira operação na minha casa. Quando acontece alguma coisa em Jujuy, a primeira coisa que ele (Morales) faz é me culpar. Ele acha que eu tenho muito poder e que as pessoas me ouvem, mas não estou na rua. Estou preso há oito anos”.

A mídia local afirma que a ação judicial contra a casa de Sala faz parte da estratégia geral de represálias das autoridades locais aplicada nos últimos dias contra muitos dos participantes das mobilizações massivas.

As mesmas equipes policiais que reprimiram os protestos de professores, comunidades indígenas, médicos e outros sindicatos contrários à questionada reforma constitucional naquela província nas últimas semanas agora estão invadindo as casas dos mobilizados.

As novas ações militares incluem a destruição de partes da propriedade, como portas, grades e móveis, além de espancamentos, insultos e calúnias contra as pessoas.

Os atos de protesto que começaram no início de junho cobriram as rodovias nacionais e outras cidades da região, como El Carmen, Monterrico, Tilcara, Humahuaca, Perico, La Quiaca, Libertador San Martín, no que Página 12 descreve como “uma reivindicação unânime ” .

ÚLTIMAS NOTÍCIAS