Brasília, 4 de dezembro de 2021 às 05:40
Selecione o Idioma:

Uruguai

Postado em 01/03/2020 9:11

Lacalle Pou assume presidência do Uruguai

.

Lacalle Pou recebeu a faixa presidencial das mãos do agora ex-presidente Tabaré Vázquez

Político de centro-direita toma posse após 15 anos de hegemonia da esquerda e, em discurso, diz que questões ideológicas não podem atrapalhar interesses do Mercosul. Presente na cerimônia, Bolsonaro é aplaudido e vaiado.

O novo presidente do Uruguai, o centro-direitista Luis Lacalle Pou, tomou posse no cargo neste domingo (01/03), encerrando 15 anos de governos de esquerda no país. Em discurso, ele defendeu o fortalecimento do Mercosul e pediu que questões ideológicas sejam deixadas de lado.

Lacalle Pou, do tradicional Partido Nacional, de centro-direita, recebeu a faixa presidencial das mãos do agora ex-presidente Tabaré Vázquez, do Frente Ampla, coalizão de esquerda que governou o Uruguai por 15 anos, incluindo dois mandatos de Vázquez e um de José Mujica.

A cerimônia em Montevidéu contou com a presença de 120 delegações de todo o mundo, incluindo parlamentares, ministros e chefes de Estado, como o presidente Jair Bolsonaro, o rei Filipe da Espanha e os presidentes do Chile, Sebastián Piñera, e do Paraguai, Mario Abdo Benítez.

A primeira parte da cerimônia ocorreu no Palácio Legislativo, prédio do Parlamento uruguaio, onde Lacalle Pou prestou juramento perante os congressistas e discursou por cerca de 30 minutos.

Mudanças políticas, maior controle para combater a insegurança e melhorias na educação e na economia, incluindo um fortalecimento do Mercosul, foram o foco do discurso.

“Desta vez, os cidadãos nos deram uma mensagem clara e vigorosa. Eles disseram que uma mudança é necessária, mas uma mudança acompanhada por acordos. Está na hora, então, de cumprir a vontade popular. O tempo dos discursos acabou”, disse Lacalle Pou, que governará até 2025 em coalizão com o apoio de mais quatro partidos.

O novo presidente disse que “se o povo escolheu a mudança, é para agir”, mas esclareceu que não pretende “fazer uma varredura” na transferência da faixa presidencial.

“Nós nos recusamos a deixar que esta fase seja sobre mudar de uma metade da sociedade para a outra. Os uruguaios nos pedem união, e é por isso que estamos aqui, para continuar o que foi feito certo, corrigir o que foi feito errado e fazer o que não era conhecido ou não queria ser feito nos últimos anos”, argumentou.

Ele ainda defendeu que seja implementado o acordo entre o bloco sul-americano e a União Europeia (UE), assinado em junho do ano passado, independentemente das “questões ideológicas” entre seus países-membros, que são Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai.

“Não deve importar a orientação política de cada um dos membros do Mercosul. Para afiançar nossos interesses comuns, devemos deixá-los de lado, reduzidos às questões particulares de cada país. Se deixamos de lado essas questões ideológicas que nos podem diferenciar, o bloco vai se fortalecer no cenário internacional”, afirmou.

Jair Bolsonaro cumprimenta o público ao chegar à cerimônia de posse de Luis Lacalle Pou no UruguaiBolsonaro está no Uruguai acompanhado da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, e ministros do governo

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, Bolsonaro foi o último dos líderes a deixar o prédio do Parlamento uruguaio após a posse de Lacalle Pou, que se estendeu para uma segunda parte na Praça Independência, ao ar livre, onde o presidente recebeu a faixa de Vázquez.

Ao acenar para o público do lado de fora do Palácio Legislativo, Bolsonaro foi aplaudido por muitos e vaiado por alguns. O brasileiro fez então uma reverência aos presentes, que carregavam bandeiras do Uruguai, entrou no seu carro e deixou o local.

Segundo analistas locais citados pelo jornal Estado de S. Paulo, o novo líder uruguaio deve adotar uma postura pragmática em relação ao Brasil, buscando uma aproximação comercial e nas negociações do Mercosul, mas mantendo distância das pautas ideológicas de Bolsonaro.

Após vencer as eleições, no final de novembro, Lacalle Pou já havia adiantado que seu governo não faria parte de um “clube de amigos com base em ideologia, nem de um lado nem do outro”.

Durante a campanha eleitoral, declarações de Bolsonaro a favor de Lacalle Pou não repercutiram bem no país vizinho, levando o então candidato de centro-direita a rejeitar o apoio do mandatário brasileiro.

Em outubro, Bolsonaro afirmou que preferia uma vitória da oposição, representada por Lacalle Pou, no segundo turno das eleições presidenciais uruguaias. Segundo o brasileiro, o centro-direitista estava mais alinhado com seus pensamentos “liberais e econômicos” do que o adversário, o governista Daniel Martínez, da Frente Ampla.

No dia seguinte, Lacalle Pou tentou se distanciar do brasileiro. “Se eu fosse presidente da República, e houvesse uma eleição no Brasil, a última coisa que eu faria seria dizer quem eu prefiro que ganhe.”

Ele insistiu que não lhe parecia “uma coisa boa que diferentes políticos, e nesse caso um governante, opinem sobre o que pode acontecer em outro país”. “O Uruguai, por sorte, não decide o que os brasileiros pensam, decide apenas o que acontece e do que precisam os uruguaios.”

À época, o governo uruguaio também recebeu mal a fala de Bolsonaro e manifestou seu “incômodo” com o que considerou uma “interferência do presidente brasileiro” em assuntos internos do país.

Lacalle Pou tomou posse neste domingo ao lado de seu gabinete, composto por onze homens e duas mulheres. Sete deles são membros do Partido Nacional; três, do Partido Colorado (centro-direita); dois, do Cabildo Abierto (direita); e um, do Partido Independente (centro-esquerda).

Somente o Partido Popular (direita), quinto membro da coalizão que apoia o governo de Lacalle Pou, não tem representação ministerial.

Também tomou posse a vice-presidente Beatriz Argimón, a primeira mulher a ser eleita para o cargo na história do Uruguai.

Lacalle Pou é filho do ex-presidente uruguaio Luis Alberto Lacalle, que governou o país de 1990 a 1995. Derrotado por Vázquez nas eleições presidenciais de 2014, sua campanha em 2019 se baseou em promessas para desenvolver a economia e combater o crime.

Sua posse marca o fim de um ciclo de hegemonia da Frente Ampla no Uruguai. O partido chegou ao governo com a vitória de Tabaré Vázquez, em 2005, permaneceu com Mujica em 2010 e obteve um terceiro mandato em 2015, com um governo novamente encabeçado por Vázquez.

Em seus 15 anos no poder, a coalizão esquerdista conseguiu impor uma agenda liberal que inclui a legalização do aborto em 2012, do casamento entre homossexuais e da maconha em 2013.

EK/afp/efe/dpa/ots

________________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. 

Comentários: