Brasília, 30 de abril de 2021 às 21:58
Selecione o Idioma:

Entrevistas

Postado em 02/02/2020 6:13

Joseph Stiglitz, Nobel de Economia: ‘Surpresa é que mal-estar na América Latina tenha demorado tanto para se manifestar’

.

Direito de imagemGETTY IMAGESImage captionJoseph Stiglitz é um dos principais economistas críticos da gestão da globalização e do mercado livre.

Joseph Stiglitz é um economista tão pouco ortodoxo que defende a ideia de que não se deve superestimar a importância do Produto Interno Bruto (PIB), um indicador que guia a tantos de seus colegas de profissão, para avaliar quão bem ou mal vai um país. Na sua opinião, há outros dados que podem ajudar a entender melhor a performance econômica de uma nação.

Stiglitz foi economista-chefe do Banco Mundial e consultor do ex-presidente americano Bill Clinton. Hoje, aos 76 anos, é um dos principais economistas críticos da gestão da globalização e do mercado livre.

Em entrevista exclusiva, ele diz receber com naturalidade os protestos que eclodiram nos últimos meses em vários países da América Latina, como Equador, Colômbia e especialmente no Chile, que muitos viam como um modelo econômico regional.

“A surpresa foi que o mal-estar tenha demorado tanto para se manifestar”, diz o Prêmio Nobel de Economia (2001) durante uma entrevista em seu escritório na Universidade de Columbia, em Nova York.

A América Latina é a região mais desigual do mundo, e o conselho de Stiglitz para os governantes é resolver rapidamente esse problema social, ao qual ele se dedicou em vários de seus livros mais recentes.

Comentários: