23.5 C
Brasília
segunda-feira, 26 fevereiro, 2024

Jornalistas: sanções a Tucker Carlson visam ‘evitar que a verdade sobre a Rússia venha à tona’

© AFP 2023 / Natalia Kolesnikova

Sputnik – Os pedidos de sanção ao jornalista norte-americano Tucker Carlson por ter entrevistado o presidente russo Vladimir Putin são um exemplo da hipocrisia dos governos ocidentais que querem silenciar os meios de comunicação que não os homenageiam, concordam jornalistas e comunicadores consultados pela Sputnik.

É mais do mesmo“, diz o ativista e comunicador venezuelano Roi López Rivas em entrevista, referindo-se à proibição em 2022 de meios de comunicação russos como Sputnik e RT nos Estados Unidos e em alguns países europeus após o início da operação militar especial russa na Ucrânia.
“Isso é dito pelas mesmas pessoas que censuraram e eliminaram todos os canais e sites russos na Europa e nos Estados Unidos, canais de televisão, deixaram milhares de pessoas, centenas de jornalistas sem trabalho simplesmente para que ideias e informações não se espalhassem sobre a Rússia e a questão da Ucrânia”, diz um membro do movimento Free Alex Saab.
Segundo ele, os pedidos de punição ao jornalista norte-americano representam “uma imensa hipocrisia por parte da Europa e do imperialismo norte-americano, que se autodenominam defensores da liberdade de expressão”.
Depois de Tucker Carlson ter anunciado que entrevistou Putin em Moscou, alguns políticos ocidentais apelaram à consideração de sanções contra o ex-apresentador da rede Fox. Por exemplo, o deputado europeu e ex-primeiro-ministro belga Guy Verhofstadt disse à revista Newsweek que o Serviço de Ação Externa da União Europeia (UE) deve analisar a possibilidade de proibir Carlson de viajar para países do bloco.
O legislador também descreveu Carlson como um suposto “porta-voz” do ex-presidente Donald Trump e Vladimir Putin.
Tucker Carlson, ex-apresentador da Fox News - Sputnik Brasil, 1920, 25.09.2023

Panorama internacional

Tucker Carlson diz que governo dos EUA o proibiu de entrevistar Putin; ‘Russofobia’, comenta Kremlin

O Ocidente não quer que a voz de Putin seja ouvida?

Para o ativista venezuelano, a prova da hipocrisia política do Ocidente é o espaço que foi dado no passado, por exemplo, a grupos identificados com ideologias nazistas ou fascistas.
“Há algumas ações que empoderaram e que são valorizadas e respeitadas, e até mesmo não censuradas, na Europa e nos Estados Unidos; tivemos o Batalhão Azov [organização nazista terrorista, proibida na Rússia], que são abertamente nazifascistas, dando palestras nos Estados Unidos”, diz o engenheiro venezuelano.
Para López Rivas, no Ocidente “simplesmente não querem que a entrevista” com o presidente Putin seja divulgada.
“Os Estados Unidos, o Canadá e os países lacaios desses dois, ou os lacaios dos Estados Unidos, incluindo a União Europeia, não querem que a verdade sobre a Rússia venha à tona. Eles também não querem que a verdade sobre a China venha à tona, mas é claro que estão em um conflito militar com a China, porque obviamente escondem bastante isso, mas ainda há muita censura ao que acontece na China”, afirma o ativista.
“Há muito medo de que a verdade venha à tona e isso também se deve a uma questão econômica, à crise do capitalismo, à crise do sistema capitalista imperialista norte-americano, ao fim da hegemonia da União Europeia também e ao crescimento da Ásia e do BRICS”, acrescentou López Rivas.
Para o venezuelano, o mundo entra em uma fase “bastante perigosa” e “sombria” devido ao uso indiscriminado de sanções e à censura à liberdade de expressão em todas as frentes.
Ex-apresentador da Fox News, Tucker Carlson - Sputnik Brasil, 1920, 26.04.2023

Panorama internacional

‘Vá com Deus’: Pentágono ‘celebra’ saída de Tucker Carlson da Fox News, revela mídia

A importância de ‘ambos os lados da moeda’

López Rivas esclarece que não é seguidor das ideias de Tucker Carlson, mas neste caso considera que sancionar o jornalista americano é inaceitável.
“É importante que existam sempre os dois lados da moeda: essa é a verdadeira liberdade de expressão”, afirmou o ativista e comunicador.
Alina Duarte, jornalista mexicana independente que cobriu dezenas de eventos na América Latina, nos Estados Unidos e em outras áreas do mundo, concordou com López Rivas que o público merece ter todos os pontos de vista possíveis sobre um evento.
“Apelar à censura, à perseguição, é algo que vai definitivamente explodir na cara deles, na cara já hipócrita da União Europeia e dos Estados Unidos”, afirma Duarte em entrevista.
Para a comunicadora independente, o caso de Carlson mostra a hipocrisia do Ocidente, que já procura sanções mesmo quando o conteúdo da entrevista nem sequer é conhecido.

“Basta mencionar Vladimir Putin para dizer que hoje qualquer tipo de interesse está sendo diminuído”, afirma a jornalista, que destaca que se trata do último episódio de um ataque sistemático à imprensa que representa uma alternativa às “narrativas hegemônicas” dos Estados Unidos e que foi estigmatizado, para dizer o mínimo, nos últimos meses, na sequência do conflito ucraniano.

“Lembremo-nos de que meios de comunicação como o RT e a Sputnik foram censurados e retirados do ar. Foram realizadas campanhas de descrédito contra qualquer narrativa ou visão midiática que ponha em causa os princípios da liberdade e da democracia dos Estados Unidos e, neste caso, da União Europeia”, observa a jornalista mexicana.

Tucker Carlson fala no palco durante o Politicon 2018 no Los Angeles Convention Center em Los Angeles, Califórnia, 21 de outubro de 2018 - Sputnik Brasil, 1920, 25.04.2023

Panorama internacional

O que está por trás da saída de Tucker Carlson da Fox News?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS