22.5 C
Brasília
terça-feira, 21 maio, 2024

Jornal israelense reconhece: Israel sofreu “uma derrota total” em Gaza

Soldados israelenses patrulham perto da fronteira de Gaza em Nir Oz, Israel. (Foto: Getty Images)

Sputnik – Um meio de comunicação israelita reconheceu a derrota total do regime sionista na sua agressão contra a Faixa de Gaza e afirma que os objectivos da guerra não serão alcançados.

“Nós perdemos. Você tem que dizer a verdade. A incapacidade de admitir isso resume tudo o que você precisa saber sobre a psicologia individual e de massa de Israel”,  escreveu o editor do Haaretz,  Chaim Levinson, nesta análise intitulada “Dizendo o que não pode ser dito: Israel foi derrotado, uma derrota total ” .

Por sua vez, escreveu que existe uma realidade óbvia, previsível e clara que deve ser recebida, compreendida e processada, para depois tirar conclusões para o futuro.

“Não é divertido admitir que perdemos e é por isso que mentimos para nós mesmos”, afirma o artigo.

O Haaretz acusa o gabinete de Netanyahu de mentir sobre o número de baixas nas fileiras israelenses na guerra em Gaza, depois que o exército relatou apenas 425.

Os objectivos da guerra não serão alcançados, os reféns não serão devolvidos através da pressão militar, a segurança não será restaurada e o ostracismo internacional de Israel não terminará, diz a nota.

Também anteriormente, um alto funcionário do Movimento de Resistência Islâmica Palestiniana (HAMAS) destacou que Israel não alcançou nenhum dos objectivos da sua ofensiva contra Gaza.

Numa entrevista à rede Press TV , o vice-líder político do HAMAS, Jalil al-Haya, referiu-se assim aos objectivos israelitas jurados em 7 de Outubro quando iniciou os seus bombardeamentos contra a Faixa de Gaza para acabar com o movimento palestiniano e libertar os prisioneiros israelitas em Gaza.

Israel desencadeou uma guerra genocida contra o enclave costeiro sitiado em retaliação ao fracasso sofrido durante a Operação Tempestade Al-Aqsa, levada a cabo pelo HAMAS em 7 de outubro, em resposta a décadas de crimes da entidade sionista contra o povo palestino e seus santuários.

Os ataques brutais de Israel nestes seis meses deixaram  pelo menos 33.545 mortos , a maioria deles mulheres e crianças, e mais de 76.000 feridos, enquanto milhares de pessoas continuam desaparecidas sob os escombros.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS