16.5 C
Brasília
quarta-feira, 12 junho, 2024

Jerusalém sempre será a capital da Palestina

A mesquita de  Al Aqsa é constantemente motivo de conflito entre palestinos e invasores (Foto: Al Jazeerah)

Heba Ayyad*

Alguns podem ficar surpresos com o fato de que o resultado seja uma introdução à discussão do futuro do projeto israelense em Jerusalém. Portanto, a discussão começa a partir do ponto de julgar este projeto como um fracasso inevitável. No entanto, a verdade que deve ser entendida na introdução à discussão neste contexto é que historiadores concordam que as leis da história não mudam, e enquanto houver um projeto que entre em conflito com as leis da história, ele não poderá continuar ou se desenvolver, e uma mudança radical deve ocorrer, representada por sua queda ou pela mudança de sua identidade. Ambos os casos efetivamente significam o fim do projeto, e este é o caso do projeto israelense em Jerusalém.

Aqui, nos concentramos em Jerusalém como um foco fundamental com especificidade e natureza próprias, que se diferenciam de outros aspectos do projeto que começou no final do século XIX e culminou com a fundação de Israel em 1948. Desenvolveu-se depois disso até atingir o auge de sua força na década de 1980, quando tanques israelenses entraram na capital libanesa, Beirute. Depois, começou a enfrentar os desafios existenciais que o levaram à crise que vive hoje.

Jerusalém está no centro do projeto israelense.

Em primeiro lugar, deve ficar claro que Jerusalém é teoricamente a pedra angular do projeto israelense em torno da qual gira a ideia de uma pátria nacional para os judeus do mundo. O movimento sionista, que primeiro estabeleceu Israel, recebeu o nome do Monte Sião em Jerusalém, e o hino nacional de Israel – que foi escrito em 1878, 70 anos antes de seu estabelecimento – termina com a palavra “Jerusalém”. Não é surpreendente, portanto, que Jerusalém seja um tema de consenso entre vários segmentos da sociedade israelense, tanto do ponto de vista religioso, entre os movimentos religiosos, quanto do ponto de vista histórico nacional, entre os movimentos seculares.

No entanto, a presença de Jerusalém no centro do projeto israelense não necessariamente significa que Israel conseguirá traduzir sua centralidade na prática, seja no terreno ou na mudança de sua natureza. Isso se deve ao fato de que o projeto do movimento sionista se baseava em uma percepção incorreta de que esta terra, Palestina, já estava desabitada, o que se provou incorreto quando os primeiros pioneiros deste projeto começaram a explorar a Palestina e a compreender sua natureza e as possibilidades de estabelecer uma pátria nacional judaica aqui. Mais tarde, tornou-se claro para eles que o país era habitado por uma história e civilização antigas e profundas. Foi isso que levou Jabotinsky, no famoso romance histórico do final do século XIX, a enviar um telegrama aos líderes do movimento sionista descrevendo a Palestina como: ‘A noiva é linda, mas ela já é casada com outro homem.’

O mesmo se aplica de forma mais clara à cidade de Jerusalém. Jerusalém nunca esteve desprovida de povos indígenas e, mesmo quando foi invadida, permaneceu em grande parte habitada pelos mesmos grupos humanos que sempre a ocuparam, e seu caráter árabe manteve-se constante ao longo da história.

A limpeza étnica falhou historicamente. Israel só poderia realizar o que os pioneiros do projeto sionista inicialmente imaginaram de uma maneira, que foi a aniquilação genocida completa dos palestinos. Na verdade, não há experiência relativamente bem-sucedida na história da humanidade com esse conceito, exceto a experiência da colonização europeia da América do Norte e da Austrália, onde um povo não pôde remover completamente outro da terra, a menos que o apagasse literalmente, como os europeus fizeram com os povos indígenas na América do Norte e na Austrália entre os séculos 16 e 18. Isso não era mais possível durante os séculos 19 e 20, devido às mudanças sociais e conceituais que a humanidade experimentou com a Revolução Industrial.

Ou seja, pode-se dizer que Israel, tal como imaginado pelos pioneiros do movimento sionista, surgiu na hora errada, pois queria existir no século XX com conceitos do século XVI, o que é ilógico. Portanto, o movimento de limpeza étnica levado a cabo pelos grupos sionistas na Palestina durante a Nakba não foi suficiente para esvaziar completamente as terras da população, e esse processo provou seu fracasso em esvaziar todas as terras palestinas da população indígena. Os cidadãos palestinos conhecidos hoje como ‘árabes internos’ ou ‘palestinos internos’ continuaram a constituir 20% da população total de Israel, e Israel não conseguiu mudar completamente a sua identidade. Com o tempo, eles se tornaram uma dor de cabeça crônica para Israel, o que ficou evidente nos acontecimentos de 2021 nas áreas da Linha Verde, onde palestinos com cidadania israelense se envolveram em um confronto violento com o governo de ocupação e seus colonos.

Por outro lado, quando Israel foi estabelecido, precisava que Jerusalém ganhasse legitimidade religiosa e nacional entre as comunidades judaicas em todo o mundo, a fim de convencê-las a imigrar para lá. No entanto, no dia seguinte ao seu estabelecimento em 1948, não conseguiu obter toda Jerusalém e se contentou com a parte ocidental da cidade, que não continha nenhum dos locais religiosos sagrados. No entanto, os sucessivos governos israelenses da época fizeram questão de declarar que sua capital era Jerusalém, apesar da superioridade de Tel Aviv sobre ela em termos econômicos, industriais e sociais, especialmente porque Jerusalém está localizada no coração da zona de conflito e nas fronteiras diretas da linha do armistício. Quando surgiu a oportunidade para Israel ocupar Jerusalém Oriental e anexar todas as áreas de importância religiosa, não esperou um único momento, e em 7 de junho de 1967, seu exército conseguiu invadir Jerusalém Oriental, ocupar todos os lugares sagrados e assumir o controle de toda a cidade.

Com relação a Jerusalém Oriental, seguindo a mesma lógica, anunciou a anexação das terras sem os residentes e considerou os habitantes meros estrangeiros na cidade. Isso ocorreu porque, em resumo, naquela época, não foi capaz de implementar o sonho de genocídio, como ocorreu na América e Austrália no século XVI, nem mesmo conseguiu executar o mesmo processo de limpeza étnica que ocorreu na Nakba de 1948. Israel foi obrigado a recorrer ao método de negligenciar a presença da população palestina em Jerusalém, tentando imaginar uma realidade que não existe, em um comportamento semelhante ao de uma criança que fecha os olhos quando tem medo, pensando que o que teme não existe.

Para implementar essa visão, Israel recorreu à pressão sobre os habitantes de Jerusalém com medidas para retirar suas identidades, impedir a expansão urbana e outras ações que visavam forçá-los a deixar a cidade voluntariamente, considerando essa a única solução para o dilema de sua presença em Jerusalém. O que é estranho é que agiu em Jerusalém como se já tivesse conseguido expulsar os palestinos de lá! Portanto, desde o primeiro momento da ocupação de Jerusalém Oriental, uniu as duas partes da cidade em todas as suas estatísticas para se convencer de que o número de residentes judeus no município de Jerusalém é três vezes a população palestina, sugerindo que Jerusalém é uma cidade judaica, esquecendo-se de que as estatísticas relacionadas com Jerusalém Oriental ainda hoje mostram uma preferência numérica dos palestinos. É claro para os palestinos, que ainda constituem a esmagadora maioria lá, especialmente na Cidade Velha e ao redor da abençoada Mesquita de Al-Aqsa, ou seja, no coração da cidade histórica, que é o epicentro do projeto israelense, tanto nos aspectos religiosos, nacionais e históricos.

Ao mesmo tempo, Israel recorreu a uma distinção clara nos serviços entre o leste e o oeste da cidade, esquecendo-se de que Jerusalém Oriental está organicamente ligada ao ambiente palestino na Cisjordânia e não pode ser isolada dele. Essa política levou à confirmação de que Jerusalém, de fato, é composta por duas cidades, mesmo que Israel alegue que é uma só cidade. A área a leste de Jerusalém se tornou, na verdade, uma região muito frágil e vulnerável para Israel, uma vez que a maior parte da população das operações de infiltração que resultaram em operações armadas no coração das áreas da Linha Verde passou por Jerusalém.

Isso indica claramente o fracasso do projeto de anexação de terras sem anexar a população, que foi concluído em 1967. Além disso, tudo o que os palestinos passaram em Jerusalém ao longo de cinco décadas apenas levou, no final, à explosão de todo o território. A sociedade de Jerusalém, como aconteceu na Intifada de Al-Aqsa em 2000. A divisão de Jerusalém em 2015 e todos os acontecimentos que se seguiram em 2017, 2019 e 2021.

O resultado final é que o projeto israelense em Jerusalém não tem horizonte e não pode ter sucesso. Na verdade, os apelos da extrema direita em Israel para repetir os acontecimentos da Nakba não funcionarão neste momento e não passam de ilusões. O que funcionou ontem não pode funcionar hoje. Eles vivem em um longo sonho. Deve chegar um dia em que eles acordarão para uma realidade completamente diferente daquilo que sonharam, e então Israel não terá escolha a não ser fazer em Jerusalém o que fez anteriormente em Gaza. Não tem outra escolha senão retirar-se de Jerusalém Oriental, pelo menos de qualquer forma, para salvar sua própria existência.

@ Heba Ayyad

Jornalista internacional

Escritora Palestina Brasileira.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS