21.5 C
Brasília
sexta-feira, 23 fevereiro, 2024

Janeiro no Haiti, um mau presságio para o cenário político

Porto Príncipe (Prensa Latina) A conhecida frase “ano novo, vida nova” não surte efeito no Haiti, que sofreu um janeiro de más notícias com protestos, corrupção, sequestros, balas perdidas e mais de 60 mortes, um mau presságio para o cenário político do país caribenho.

Por Joel Michel Varona

Correspondente-chefe no Haiti

O discurso do primeiro-ministro do Haiti, Ariel Henry, no início de 2024 continha diversas ideias, mas a principal delas não estava lá: anunciar oficialmente que deixaria o poder no dia 7 de fevereiro.

Em seu discurso alertou que semear a anarquia não é a opção para chegar ao poder no país caribenho, onde as contradições políticas crescem a cada dia. “Gostaria de lembrar aos intervenientes no terreno que o caos não permitirá que ninguém tenha acesso ao poder e isso deve ser visto claramente”, sublinhou Henry.

Em 21 de dezembro de 2022, foi assinado um acordo pelo qual Henrique permaneceria no poder por 14 meses, que entregaria em 7 de fevereiro do corrente ano, além de formar um novo governo, estabelecer um Conselho Eleitoral Provisório e assumir o organização das próximas eleições.

Diante do silêncio sobre o assunto e da ausência de uma atitude que agrade aos seus detratores, os opositores passaram a promover protestos, convocar um levante popular, enquanto os bandos armados cumprem uma das finalidades para as quais são financiados, desestabilizam a nação antilhana .

Fevereiro sem promessas cumpridas poderá levar a um ano semelhante a 2023, muito triste se levarmos em conta que a Organização das Nações Unidas (ONU) informou que no Haiti quase cinco mil pessoas perderam a vida devido à violência das gangues.

O número de homicídios mais do que duplicou no ano passado no país, segundo o relatório da ONU, cujo principal representante, António Guterres, disse estar “consternado com o nível surpreendente de violência das gangues, que continua a piorar e está destruindo as vidas dos haitianos”. , especialmente em Porto Príncipe.”

Até 26 de janeiro do novo ano já foram quase 70 mortes, mais a soma dos feridos por impacto de projéteis, mas o mais alarmante é que estes foram em sua maioria atingidos por balas perdidas em áreas fora do confronto direto.

O Hospital Universitário Estadual do Haiti e o Hospital Universitário da Paz receberam os feridos, tratados com perfurações no tórax, região abdominal e extremidades inferiores, incluindo algumas que necessitaram de amputação.

Alguns centros privados estão sobrecarregados e há casos que são muito difíceis de tratar porque as balas causam muitos danos e os pacientes nem sempre têm meios financeiros para continuar o tratamento; Às vezes a operação dá certo, mas a pessoa morre no pós-operatório por não ter recursos financeiros.

Exemplo disso foi um paciente que levou um tiro na região cervical, teve um ferimento transfixante com risco de lesão vascular e os médicos queriam salvá-lo, mas não tinham dinheiro para pagar a intervenção cirúrgica.

SEquestros estão novamente nas manchetes

No Haiti, os sequestros voltam a estar nas manchetes, um fenómeno que se soma aos receios dos residentes que sofrem o rigor da crise económica, política e social.

A estrada nacional que liga Carrefour Joffe a Porto-da-Paz é uma ameaça real à vida de viajantes que também podem sofrer roubos e estupros. Os transportadores perdem as mercadorias que transportam e até o caminhão.

Só nas duas últimas semanas de janeiro foram registrados uma dezena de casos de sequestro. O ponto mais sensível deste problema é o exemplo do apelo do Papa Francisco pela libertação de seis freiras da congregação das Irmãs de Santa Ana.

Diante de dezenas de milhares de fiéis e peregrinos reunidos na Praça de São Pedro, o Sumo Pontífice expressou: “Recebi com dor a notícia do sequestro, no Haiti, de um grupo de pessoas, incluindo seis freiras”.

Sua Santidade solicitou veementemente a libertação destas religiosas, comentou que reza pela harmonia social no país caribenho e convidou a todos a acabar com a violência que causa tanto sofrimento na população.

Na tarde do dia 19 de janeiro, as freiras da Congregação das Irmãs de Santa Ana foram sequestradas por uma quadrilha criminosa, junto com um professor e o motorista do ônibus em que viajavam em missão humanitária a uma universidade.

Recentemente, o chefe do Complexo Médico Élohim, Dr. Berthony François, foi libertado após ser sequestrado por uma gangue criminosa no centro da capital do Haiti.

François foi sequestrado em 11 de janeiro e para ser libertado sua família teve que pagar um resgate cujo valor até agora é desconhecido.

Nesse sentido, o secretário geral da Associação Médica Haitiana, Dr. Ardouin Louis-Charles, denunciou que além dos problemas existentes no setor saúde no Haiti, há também os danos causados ​​​​por gangues armadas quando realizam sequestros exorbitantes. contra os médicos.

Louis-Charles protestou contra os impactos negativos da insegurança no seu setor, onde muitos profissionais são assassinados, sequestrados e outros estão desaparecidos.

Um deles, o médico Samson Marseille, chefe do Departamento de Epidemiologia, Laboratório e Pesquisa do Ministério da Saúde Pública e População, foi sequestrado em 28 de julho de 2023, comentou Louis-Charles em comunicado.

“Alguns colegas médicos nunca recuperaram a liberdade, nem mesmo depois de pagarem os resgates”, lamentou o médico.

CORRUPÇÃO E ESCÂNDALOS

Outro aspecto que influencia a vida política do Haiti é a corrupção, razão pela qual continua o processo judicial contra ex-altos funcionários por apropriação indébita de bens públicos.

Com a prisão do ex-deputado Cholzer Chancy por ordem do juiz de instrução Al Duniel Dimanche, a roda da justiça continua a mover-se, embora haja reservas entre a população sobre se todos os envolvidos no caso responderão perante a lei.

Chancy, ex-presidente da Câmara dos Deputados, após seu comparecimento foi levado diretamente à delegacia de Pétion-Ville, aguardando transferência para outra prisão.

Outros ex-funcionários estão na mira do juiz Dimanche, que emitiu proibições contra eles deixarem o país. A lista inclui ex-presidentes como Jocelerme Privert e Michel Joseph Martelly, ex-primeiros-ministros como Laurent Salvador Lamothe e Jean-Max Bellerive, ex-ministros e ex-deputados.

Recentemente, a Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) foi notificada do mandado de prisão contra 37 figuras políticas haitianas envolvidas nesta investigação.

A decisão do juiz de solicitar à Direção Central da Polícia Judiciária a detenção do arguido tem, entre outros objetivos, evitar imprevistos no processo realizado relativamente ao ocorrido no Centro Nacional de Equipamentos (CNE).

O escândalo ocorre após a publicação de relatórios da Unidade Anticorrupção (ULCC), segundo os quais o Estado perdeu cerca de quatro mil milhões de gourdes (30,3 milhões de dólares) devido a estes e outros actos considerados ilegais.

Um dos documentos da ULCC revelou que 78 equipamentos da CNE foram desviados por diversas personalidades políticas e parlamentares. Estes bens públicos foram utilizados para fins estritamente privados e pessoais, afirmou a ULCC, e recomendou que a justiça tomasse medidas legais por apropriação indevida de propriedade estatal.

A investigação centrou-se no projecto governamental Caravana da Mudança, promovido pelo presidente assassinado Jovenel Moïse e para o qual o Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, o Centro Nacional de Gestão de Resíduos Sólidos e a CNE receberam equipamentos.

Segundo o documento que analisou a permanência dos equipamentos em apenas dois dos 10 departamentos, pelo menos 78 destes dispositivos não são actualmente controlados pela CNE e outros estão destruídos.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS