Brasília, 11 de junho de 2021 às 18:15
Selecione o Idioma:

Argentina

Postado em 19/01/2016 6:55

‘Isso é Milagro’: quem é a primeira presa política da nova Argentina?

.

 “Milagro é a primeira presa política do governo de Macri”, disse, à Sputnik, Raúl Noro, esposo da ativista argentina Milagro Sala, detida em 16 de janeiro após uma ordem do governador da província de Jujuy, Gerardo Morales.

“Detiveram a Milagro porque ela pedia uma audiência com o governador Morales desde antes da sua assunção, em 10 de dezembro [de 2015], para tratar do futuro das cooperativas da organização Tupac Amaru. Visto que ele não contestou, voltamos a pedir a entrevista depois da sua posse, mas tampouco respodneu. As cooperativas, em assambleia, decidiram ocupar pacificamente a praça Belgrano, frente à Casa do Governo, onde passamos de 32 dias e onde passamos o Natal e o Ano Novo”, explica Raúl Noro.

“Como Morales não pôde fazer nada, inventou uma ação contra Milagro”, frisou o esposo da ativista indígena.

Membro da União Cívica Radical, Gerardo Morales foi eleito governador da província de Jujuy (Norte do país) em outubro do ano passado, substituindo o governo peronista que tinha estado no poder durante 17 anos. Morales é apoiado pelo presidente argentino, Mauricio Macri, da aliança Cambiemos.

A organização Túpac Amaru foi criada em 2001, depois da derrubada do então presidente Fernando de la Rúa. Milagro era secretária gremial da Associação de Trabalhadores de Estado (ATE), começando a organizar os desempregados em Jujuy. Logo a organização recebeu o nome de Túpac Amaru, em homenagem ao inca José Gabriel Condocrangui (1737-1781), protagonista de uma rebelião contra os conquistadores espanhóis.

“Juntamos na nossa bandeira Túpac, Evita Perón, porque ela se ocupava dos desempregados e Che Guevara”, reitera Raúl Noro.No início do governo Néstor Kirchner, em meados da década dos 2000, a organização Túpac Amaru começou um programa de emergência habitacional.

“Milagro, que parece um cíclone desolador, porque nada a detém, meteu-se nesse plano. Hoje em dia, já temos 1.000 casas, fizemos um seguro de saúde para os desempregados (porque já têm emprego), temos ecógrafos, laboratórios de análises clínicas, radiógrafos, odontologia, internação e serviços fúnebres gratuitos, dois edifíciso escolares com escola primária, secundária e três carreiras terciárias, um centro de atenção aos descapacitados de famílias sem recursos, piscinas, um sistema de contenção social para combatr a droga entre os adolescentes, uma fábrica têxtil, uma de tijolos e uma metalúrgica. Isso é Milagro Sala”, conta o marido.

A obra da ativista vem provavelmente da sua infância. Adotada por uma família de classe média que a encontrara abandonada em uma caixa de sapatos frente a um hospital, ela fugiu de casa e viveu na rua dois anos até encontrar um emprego na administração pública. Foi eleita deputada provincial em 2013, renunciando a este cargo em 2015, para ser eleita ao parlamento do Mercosul (Parlasul) em outubro.

Uma manifestação em Buenos Aires a favor da ativista Milagro Sala, em 18 de janeiro de 2016
Uma manifestação em Buenos Aires a favor da ativista Milagro Sala, em 18 de janeiro de 2016

A sua detenção provocou uma onda de protestos que ainda acontecem em várias cidades da Argentina.

Manifestação a favor de Milagro Salas em Buenos Aires, 18 de janeiro
Manifestação a favor de Milagro Salas em Buenos Aires, 18 de janeiro

Leia mais: http://br.sputniknews.com/sociedade/20160119/3335099/isso-e-milagro.html#ixzz3xj3i7bGc

Comentários:

Uma ideia sobre “‘Isso é Milagro’: quem é a primeira presa política da nova Argentina?”

Os comentários estão fechados.