21.5 C
Brasília
sábado, 22 junho, 2024

Israel proíbe a Espanha de fornecer serviços aos palestinos na Cisjordânia

Exterior do consulado espanhol na cidade ocupada de Al-Quds (Jerusalém).

HispanTV – Israel, furioso com o reconhecimento do Estado Palestiniano por parte da Espanha, proíbe a representação espanhola na Palestina ocupada de prestar serviços aos palestinos.

O ministro dos Negócios Estrangeiros israelita, Israel Katz, anunciou a medida na sexta-feira, argumentando que responde à decisão de Espanha de reconhecer a Palestina como Estado independente e aos comentários “antissemitas” da segunda vice-presidente do Governo espanhol, Yolanda Díaz.

“ Em resposta ao reconhecimento do Estado Palestiniano pela Espanha e às declarações anti-semitas do Vice-Presidente do Governo não só para reconhecer um Estado Palestiniano, mas para ‘libertar a Palestina do rio ao mar’, decidi cortar a ligação entre a representação da Espanha em Israel e dos palestinos e proibir o Consulado espanhol em Jerusalém de prestar serviços aos palestinos da Cisjordânia ”, enfatizou Katz.

O ministro também chamou Díaz de “ignorante e cheio de ódio” depois que o ministro espanhol publicou na quarta-feira no X um vídeo sobre o reconhecimento do Estado Palestino pela Espanha e condenou o genocídio que Israel cometeu na Faixa de Gaza desde 7 de outubro de 2023.

O líder do partido Sumar, Jaume Asens, considera insuficiente o reconhecimento do Estado da Palestina e apelou à Espanha para cortar relações com Israel.

No dia 28 de maio, o Conselho de Ministros da Espanha aprovará o reconhecimento do Estado Palestino . O Presidente do Governo espanhol, Pedro Sánchez, anunciou na quarta-feira que a decisão certamente não agradaria alguns líderes israelitas, pelo que sublinhou que “estamos preparados para assumi-los porque pensamos que o objectivo da diplomacia não é não incomodar ninguém, mas “na defesa pacífica dos próprios interesses e valores”.

A Espanha anunciou a sua decisão no mesmo dia em que a Noruega e a Irlanda  comunicaram que reconheceriam o Estado da Palestina.

O Governo espanhol defendeu este sábado a ordem do Tribunal Internacional de Justiça (CIJ) para que Israel interrompa a sua operação na cidade de Rafah, em Gaza, sublinhando que as medidas cautelares do TIJ são vinculativas e obrigatórias.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS