20.5 C
Brasília
sábado, 20 abril, 2024

Israel estabelece “áreas de extermínio” em Gaza

Um soldado israelense tem como alvo palestinos na Faixa de Gaza, 8 de dezembro de 2023. (Foto: Exército israelense)

HispanTV – O movimento de Resistência HAMAS descreve a imposição por Israel das chamadas “áreas de extermínio ou matança” em Gaza como um “crime de guerra”.

“O que a mídia sionista revelou hoje, de que o exército de ocupação criminoso estabeleceu ‘zonas de extermínio’ em toda a Faixa de Gaza, onde qualquer pessoa que se mova para lá é morta sem qualquer discriminação, é um crime de guerra brutal”, disse o Movimento de Resistência Islâmica Palestina (HAMAS). disse em um comunicado no domingo.

A milícia palestina de elite reagiu aos relatos da mídia israelense de que o exército sionista havia designado certas áreas do enclave palestino do Mediterrâneo como “áreas de matança”, onde as forças israelenses estão autorizadas a atirar e matar qualquer pessoa, mesmo que esteja desarmada.

Os limites de tais zonas não são determinados antecipadamente, mas sim de acordo com as condições do terreno e a distância das pessoas do edifício onde as forças israelitas estão escondidas.

Durante mais de 35 anos da sua vida, Hala Khreis trabalhou como professora de árabe numa escola local em Gaza, onde nasceu e foi criada.

Em geral, os limites das zonas de morte e o procedimento exato para operar nelas estão sujeitos à interpretação dos comandantes das unidades de combate do exército israelense. “Assim que as pessoas, especialmente homens adultos, entram na área de extermínio […] a ordem é disparar, e até matar, mesmo que o suspeito não esteja armado”, disse um oficial da reserva israelita.

O HAMAS sublinhou que o ataque a civis desarmados é também “uma violação de todos os costumes e leis da guerra”, razão pela qual apelou às Nações Unidas (ONU) e aos tribunais internacionais para investigarem os crimes de guerra e as violações cometidas por Israel no guerra em Gaza.

Essa investigação, acrescentou o Hamas, deve levar a “processar os líderes da ocupação nazista [regime], […] parar o atual massacre [de palestinos] e a guerra genocida que está sendo travada contra civis indefesos [em Gaza]., e proteger os valores humanos pisoteados pela ocupação com o apoio e luz verde da administração do [presidente americano, Joe] Biden”.

Nas últimas semanas, imagens chocantes tornaram-se virais, mostrando forças israelitas a disparar a sangue frio contra palestinianos desarmados, incluindo crianças, idosos e jovens palestinianos em Gaza, enquanto agitavam uma bandeira branca.

Um vídeo recente, capturado por câmeras de longa distância, mostra tropas israelenses abrindo fogo contra dois homens que caminhavam pela rua Al-Rashid e pela rotatória Al-Nablusi na cidade de Gaza, enquanto tentavam retornar às suas casas no devastado norte de Gaza. Uma escavadeira militar israelense logo chega e tenta enterrar os corpos das vítimas com areia e lixo na praia.

Em Novembro passado, uma avó palestiniana foi filmada a tentar conduzir um grupo de palestinianos para um local seguro, com uma bandeira branca na mão, quando foi abatida por atiradores israelitas.

O massacre de 32.800 civis palestinos, a destruição deliberada de casas, hospitais,  escolas  e infra-estruturas em Gaza,  os ataques constantes aos palestinos que aguardam ajuda , mais conhecido como o “massacre da farinha”, o uso da fome como arma de guerra contra os civis, entre outros crimes, são a prova de que o que Israel está a fazer em Gaza não é um conflito com o HAMAS, mas uma tentativa de levar a cabo uma limpeza étnica contra o povo palestiniano.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS