22.5 C
Brasília
terça-feira, 18 junho, 2024

Irã denuncia: Ocidente abusa da AIEA para promover sua agenda anti-Irã

O ministro das Relações Exteriores iraniano em exercício, Ali Baqeri Kani, fala durante uma coletiva de imprensa, em Teerã. (Foto: Ministério das Relações Exteriores do Irã)

HispanTV – O Irã acusa o Ocidente de abusar da AIEA para promover os seus objectivos políticos e adverte que esta “abordagem não construtiva” prejudicará o papel da agência.

“A abordagem não construtiva de alguns países membros [da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA)] ao abusar da capacidade da agência para os seus objectivos políticos irá, sem dúvida, prejudicar a identidade e o desempenho da agência”, alertou o chanceler iraniano líder interino, Ali Baqeri. Kani aos jornalistas em reacção a uma resolução apresentada por três países europeus contra o programa nuclear do Irã.

Baqeri Kani afirmou que a AIEA é uma agência técnica e que se espera que todos os países, incluindo os países membros do Conselho de Governadores, atuem com base na abordagem técnica da agência.

Além disso, indicou que o Irão sempre aconselhou diferentes países a permitirem que a AIEA continue o seu papel técnico e especializado e não a transformem num local de retaliação política.

O Reino Unido, a França e a Alemanha apresentaram formalmente na segunda-feira um projeto de resolução anti-Irã ao Conselho de Governadores da AIEA para votação no final desta semana.

O diretor-geral da Agência de Energia Atômica (AIEA), Rafael Grossi, destaca mais uma vez o caráter pacífico do programa nuclear iraniano.

Em reacção, um grupo de aliados do Irão alertou contra a adopção de uma resolução contra Teerã durante a reunião em curso do Conselho de Governadores da AIEA em Viena, capital da Áustria. Num comunicado, afirmam que tal erro de cálculo teria repercussões contraproducentes.

A abordagem não construtiva e de confronto dos autores do projeto de resolução contra o Irão envia uma mensagem à comunidade internacional de que uma pequena maioria é suficiente para explorar o processo de tomada de decisão no Conselho de Governadores, lê-se na declaração.

Se a resolução for aprovada, alertaram, será outro erro de cálculo que levará inevitavelmente ao confronto.

O projecto de resolução apresentado pelos três países europeus condena a evolução do programa nuclear do Irã e exige que o Irã explique os vestígios de urânio encontrados em dois alegados locais não declarados. 

Sobre esta acusação, que também se repetiu no recente relatório apresentado segunda-feira pelo diretor-geral da agência, Rafael Grossi, ao Conselho de Governadores, o Irã emitiu uma nota explicativa na terça-feira, denunciando que a origem da questão remonta a as acusações levantadas  pelo regime israelita e instou a AIEA a respeitar o princípio da imparcialidade e objetividade nos seus relatórios.

Neste sentido, lamentou que o recurso da AIEA a “documentos fabricados e informações falsas fornecidas pelo regime israelita” tenha levado a agência a “concluir suposições erradas e não confiáveis”.

Na nota, Teerão sublinhou o total cumprimento por parte do país das suas obrigações, incluindo o Acordo de Salvaguardas Abrangentes, e sublinhou que fez todo o possível para permitir à AIEA realizar eficazmente as suas actividades de verificação dentro do país. Ele deixou claro que Teerã concedeu voluntariamente acesso aos inspetores e lhes forneceu informações e esclarecimentos sobre os locais reivindicados.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS