15.5 C
Brasília
terça-feira, 11 junho, 2024

Irã: A tragédia palestina não terminará enquanto os EUA e a Europa apoiarem Israel

Palestinos em uma escola da ONU que abrigava pessoas deslocadas que foi bombardeada por Israel em Nuseirat, 6 de junho de 2024.

HispanTV – O Irã condena o apoio inabalável dos EUA e da Europa a Israel, dizendo que o fim total dessa atitude é a única forma de parar a tragédia na Palestina.

“As histórias de #Gaza mostram repetidamente que a violência e o sofrimento continuam a ser a única realidade para centenas de milhares de civis inocentes. “Esta terrível notícia deve ser investigada de forma independente, de acordo com a última ordem do Tribunal Internacional de Justiça (CIJ)”, escreveu o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano, Naser Kanani, na plataforma social X (anteriormente Twitter).

Imagem

A este respeito, acrescentou que os crimes do “regime de apartheid” israelita contra civis palestinianos, especialmente mulheres e crianças, “são conhecidos por todas as pessoas no mundo e são, obviamente, dolorosos e mortais”.

“Não meras palavras, mas apenas uma cessação total e prática do apoio dos EUA e da Europa ao regime racista israelita pode pôr fim à dolorosa tragédia e à violência imprudente e brutal contra o povo da #Palestina”, concluiu.

Líder do Irã: A artéria vital e o fluxo de Israel devem ser cortados | HispanTV

Líder do Irã: A artéria vital e o fluxo de Israel devem ser cortados | HispanTV

O líder do Irã reitera o seu apelo para romper os laços políticos e impedir o fluxo de energia e bens para Israel, observando que só condená-lo não é suficiente.

Pelo menos 15 pessoas foram mortas em bombardeios israelenses contra áreas do centro de Gaza desde sexta-feira, informaram fontes palestinas.

Também na quinta-feira, pelo menos 40 palestinos foram mortos e dezenas ficaram feridos quando o exército israelense bombardeou uma escola da Agência de Assistência e Obras da ONU para Refugiados Palestinos (UNRWA) no campo de refugiados de Nuseirat.

Luto na Palestina: prefeito de Nuseirat morre em ataque israelense

A ONU afirma que 6.000 pessoas deslocadas estavam abrigadas no interior do edifício quando este foi atacado sem aviso prévio.

“Acordei com gritos de mulheres e vi partes de corpos dilaceradas. Uma mulher perdeu dois ou três filhos”, disse Om Mohammed Wasi, um palestiniano deslocado.

Segundo relatos, a grande maioria das vítimas são crianças, mulheres e idosos.

“Isto é terrorismo de Estado”, disse Naiem Jalil, outro palestiniano deslocado. “Israel tem como alvo as instituições da ONU. Israel violou todas as leis internacionais, cruzou todas as linhas vermelhas. Durante 76 anos, os palestinos têm apelado ao mundo inteiro sem resposta. As resoluções da ONU são implementadas em todos os outros países, exceto Israel. Isso é hipocrisia.”

Israel lançou o ataque atroz à Faixa de Gaza, atacando hospitais, residências e locais de culto depois do Movimento de Resistência Islâmica Palestiniana (HAMAS) ter lançado um ataque surpresa, denominado Operação Tempestade Al-Aqsa, contra o regime usurpador, em 7 de Outubro.

Pelo menos 36.731 palestinos foram mortos, a maioria deles mulheres e crianças, e outras 83.530 pessoas ficaram feridas. Mais de 1,7 milhões de pessoas também foram deslocadas internamente durante a guerra.

Irã: Israel tem total apoio dos EUA para matar civis em Gaza

Organizações de direitos humanos como  a Amnistia Internacional acusam a entidade israelita de cometer um “crime de guerra”  ao “matar massivamente civis e mostrar um desrespeito assustador pela vida da população civil”.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS