Brasília, 26 de novembro de 2021 às 20:22
Selecione o Idioma:

Bolívia

Postado em 23/11/2019 10:17

Inteligência russa: eventos na Bolívia são tentativa de desestabilizar situação na América Latina

.

© REUTERS / Carlos Garcia Rawlins

RÚSSIA

O diretor do Serviço de Inteligência Exterior da Rússia, Sergei Naryshkin, denunciou o envolvimento dos EUA na crise política na Bolívia.

Sergei Naryshkin afirmou que os EUA estão envolvidos na crise política na Bolívia e tentam “abalar” a situação na América Latina “no seguimento” do que está passando na Venezuela.

“Sim, os Estados Unidos estão envolvidos na crise”, respondeu Naryshkin à pergunta se se pode falar de algum tipo da interferência dos EUA na situação que atualmente vive a Bolívia.

Segundo ele, os eventos que estão passando na Bolívia e na Venezuela “são a mesma coisa”.

“Isso é evidentemente uma tentativa de abalar [a situação na região]. Isso está no seguimento dos eventos que passaram e estão passando na Venezuela, isso é, em geral, a mesma coisa”, disse Sergei Naryshkin.

Além disso, o funcionário opinou que a crise não se resolverá em breve.

Segundo o chefe da Inteligência, Washington necessita que haja uma crise para “mudar o rumo político” na Bolívia.

Situação na Bolívia

Bolívia vive uma crise política desde que no dia 10 de novembro Evo Morales renunciou à presidência, pressionado pelas Forças Armadas e pela Polícia e após várias semanas de protestos pela suspeita de fraude nas eleições de 20 de outubro.

Manifestante segura uma bomba de gás lacrimogênio nas mãos, em meio à conflitos entre manifestantes na Bolívia, no dia 5 de novembro
© REUTERS / DAVID MERCADO
Manifestante segura uma bomba de gás lacrimogênio nas mãos, em meio à conflitos entre manifestantes na Bolívia, no dia 5 de novembro

Logo que Morales foi asilado pelo México, a senadora opositora Jeanine Áñez se autoproclamou presidente sem passar pelos procedimentos legislativos previstos em umas sessões do parlamento que não tinham o quórum requerido.

investidura de fato de Áñez foi comprovada pelo Tribunal Constitucional.

Comentários: