21.5 C
Brasília
domingo, 19 maio, 2024

Imprudência de Netanyahu isola Israel e ameaça guerra regional

Foto:Reuters

Heba Ayyad*

Na semana passada, Netanyahu intensificou medidas com consequências não calculadas que confirmam o seu erro e imprudência para permanecer no poder à custa até mesmo dos interesses da sua entidade ocupante. Adiar o seu futuro inevitável para que não testemunhe o seu julgamento por crimes antes da inundação de Al-Aqsa, do fracasso da segurança, das forças armadas e dos serviços secretos e, mais tarde, da má gestão da guerra, da prática de crimes de guerra, de uma guerra de genocídio, e uma guerra contra a humanidade contra os residentes de Gaza perseguidos, deslocados, sangrando, sitiados e famintos.

Apesar do alerta das Nações Unidas, das organizações internacionais e da UNRWA, que Netanyahu demonizou, do perigo da fome, do cerco injusto a Israel e da prevenção da entrada de ajuda, e do apaziguamento da administração Biden e dos países ativos em vez de pressão para forçar Israel a levantar o cerco e trazer a ajuda necessária para salvar os civis sitiados, Netanyahu continua teimosamente. Realizou duas operações perigosas com graves repercussões não só na guerra genocida em Gaza, mas ameaçam expandir o âmbito da guerra e estendê-la a uma guerra regional.

Primeiro: devido à imprudência e à escalada de Netanyahu contra o Irã, a entidade ocupante, juntamente com os Estados Unidos e a região, está à espera das fugas de informação dos serviços secretos estadunidenses e israelitas sobre uma resposta de retaliação militar iraniana ampla e multifrontal, com marchas e mísseis balísticos lançados pela Guarda Revolucionária Iraniana – depois das ameaças do Líder Supremo nos seus discursos e num tweet em hebraico: “Faremos com que os sionistas se arrependam do seu crime.” O ataque ao consulado iraniano em Damasco e outros semelhantes, e as ameaças do Presidente iraniano e dos líderes da Guarda Revolucionária! Em resposta ao ataque ao consulado iraniano no coração densamente povoado da capital, Damasco, e ao assassinato de líderes da Guarda Revolucionária, que levou ao assassinato do general Mohammad Reza Zahedi, seu vice, e de mais 14 pessoas, incluindo 5 conselheiros militares na Guarda Revolucionária. Zahedi foi o líder de mais alto escalão assassinado por Israel na Guarda Revolucionária desde o assassinato de Qassem Soleimani e Abu Mahdi Al-Muhandis, vice-comandante das Forças de Mobilização Popular do Iraque, por Trump, no aeroporto de Bagdá em janeiro de 2020, num ataque flagrante à soberania da Síria e do Irã com mísseis dos mais avançados caças F-35 contra o edifício do consulado iraniano.

Cruzar as linhas vermelhas e transformar a guerra paralela e por procuração com o Irã numa guerra direta entre Israel e o Irã em solo árabe, empurra a região para o desconhecido, enquanto todos prendem a respiração à espera que o Irã implemente a ameaça de sua liderança sênior de retaliar contra a agressão direta israelense.

A segunda imprudência foi representada pelas forças de ocupação que visaram o comboio da Associação Kitchen, o Centro Internacional de Caridade Voluntária, que distribuía refeições ao povo de Gaza provenientes da ajuda que chegava a Gaza por mar no norte da Faixa de Gaza. As forças armadas bombardearam três carros pertencentes à associação, apesar do conhecimento da liderança militar da missão da associação de distribuição de refeições, e causaram a morte de sete trabalhadores humanitários voluntários e pessoal de segurança de nacionalidade estrangeira, incluindo três britânicos, um estadunidense, um canadense, um australiano, um polonês e um palestino. Isso provocou uma reação e um estado de raiva por parte dos aliados de Israel, exigindo investigação, compensação e punição para os responsáveis. As autoridades ligaram para Netanyahu e o repreenderam, incluindo o presidente Biden – pela primeira vez, ameaçou retirar seu apoio, caso contrário os Estados Unidos mudariam sua posição em relação a Israel, ameando interromper o envio de armas. Enquanto a Grã-Bretanha ameaçou declarar Israel em violar o direito humanitário internacional. Especialmente depois do aviso de três antigos juízes do Supremo Tribunal britânico, incluindo sua ex-presidente, Lady Hale, juntamente com mais de 600 juízes, advogados e acadêmicos proeminentes, que transmitiram um aviso ao primeiro-ministro britânico Sunak de que a Grã-Bretanha está violando o direito internacional ao continuar a armar Israel, e a guerra em Gaza deve ser interrompida imediatamente. Caso contrário, a Grã-Bretanha será considerada cúmplice de Israel na prática de crimes de guerra.

A terceira imprudência: estado de choque após a descoberta de 300 corpos, alguns deles em decomposição, e destruição massiva, deliberada e sistemática, duas semanas depois de o exército de ocupação ocupar e abusar do Complexo Médico Al-Shifa, o maior hospital da Faixa de Gaza, revela a extensão da flagrante violação do direito internacional, que alguns ainda duvidam que Israel esteja cometendo intencionalmente e sem dissuasão, devido à cobertura fornecida por países ativos, liderados pelos Estados Unidos e seus aliados no Ocidente!

Quarta imprudência: a declaração de Netanyahu de que a Al Jazeera, que publica vídeos de operações de resistência, é um canal terrorista, e a aprovação de uma lei no Knesset israelense para impedir o trabalho da Al Jazeera em Israel. Netanyahu gabou-se de que “o canal terrorista Al Jazeera não transmitirá mais – e é hora de expulsar a trombeta do Hamas”. O que torna o comportamento de Israel semelhante ao comportamento de países opressores e ditatoriais, rejeitando outras opiniões! Este é o logotipo da Al Jazeera, que atua profissionalmente. O que é mais perigoso é que o comportamento agressivo de Israel ameaça a segurança e a estabilidade regionais e até mesmo os interesses estadunidense na região. E para conter a expansão da guerra que a administração Biden tem procurado impedir desde o início da guerra de extermínio, abrindo as frentes do Líbano, da Síria, do Iraque e do Iêmen para chegar ao Irã e às suas armas nesses países. Especialmente depois que o grupo Houthi lançou ataques a navios e petroleiros que chegaram a Eilat.

A Resistência Islâmica no Iraque lançou 160 ataques a bases estadunidenses no Iraque, na Síria e na Jordânia – ceifando a vida de 3 soldados estadunidenses numa marcha suicida. Os Estados Unidos responderam bombardeando 85 instalações militares com ataques retaliatórios e assassinando um líder do Kataib Hezbollah em Bagdá, após o que foi alcançado um acordo com o Irã para impedir os ataques do Kataib Hezbollah contra as forças estadunidenses na região. Não houve ataques contra as forças estadunidenses desde o acordo para impedir os ataques. Como resultado da imprudência e arrogância de Netanyahu – o obstáculo para parar a guerra, e o pior primeiro-ministro na história da ocupação – ele fez Israel enfrentar o mundo sozinho, especialmente depois da raiva, das críticas, do alinhamento ocidental e das Nações Unidas.

*Heba Ayyad

Jornalista 

Escritora Palestina Brasileira.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS