22.5 C
Brasília
terça-feira, 11 junho, 2024

  Historiando as Copas – Um livro pra se ler e guardar

 Rosa de Lima

Crítica literária do BahiaJá

   O jornalista José de Jesus Barrêto que assina ZédeJesusBarrêto é um craque da bola na escrita. Mais jovem, até que controlava com destreza a pelota e fazia seus gols. De vez em quando dava uma de Gérson promovendo lançamento perfeitos. Mas, parou por aí e se dedica mesmo é ao jornalismo e a literatura, autor de vários livros de ensaios sobre a cultura da Bahia e especialista em futebol. 

    Portanto, na análise de um jogo de futebol, no comentário, na interpretação do que acontece nas quatro linhas durante uma partida é imbatível. Sua pena é conhecida pela exatidão como descreve os lances, pelas críticas que produz em relação ao comportamento dos atletas e dos treinadores em campo, sempre dentro dos princípios éticos de respeito a todos, sem bajulamentos e sem exagerar nas tintas quando algum ator desses comete falhas gritantes.

Historiando as Copas eBook : Barreto, ZéDeJesus, Franco Filho, Tasso:  Amazon.com.br: Livros

    Recentemente, após publicar suas crônicas dos jogos da última Copa do Mundo do Catar, 2022, e também a história das copas desde sua primeira edição, em 1930, no BahiaJá e Pátria Latina, a Editora Ojuobá publicou no site Amazon.com seu novo livro intitulado “Historiando as Copas” (Ojuobá, 216 páginas, impresso 9 dólares + o frete para qualquer parte do Brasil e 6 dólares para leitura no App Kindle) com uma análise detalhada de todas as copas, o momento político de cada período, as convocações, as preliminares, os técnicos, os principais jogos, especialmente as finais com as escalações dos atletas e as seleções campeãs.

*

  Trata-se, pois, de um apanhado histórico bem referenciado realizado por quem é especialista em futebol, de uma pessoa que está envolvido com esse esporte há muitos anos e é, além de estudioso da matéria, um personagem que acompanhou pelos meios de comunicação muitos dos jogos, viu centenas de partidas e até as reviu. O que significa dizer que presenciou os times em campo, as disputas, as jogadas, as novas tecnologias que foram sendo usadas no futebol ao longo de 90 anos, e que são muitas, desde os formatos e os materiais das bolas, as modificações nas regras, o surgimento de arenas futebolísticas de alta qualidade e assim por diante. 

  O leitor tem à disposição um relato feito por um apaixonado do futebol, um jornalista que conhece da matéria, mas, sua paixão, diga-se, não está relacionado a algo passional, fora do controle. Pelo contrário, seu trabalho foi todo pesquisado e vivenciado contendo informações precisas e valiosas, curiosidades, como o próprio autor diz na introdução: “A bola tem magia, segredos, vontades…um pingo de divindade. Brinquedo de Deus”. E o jogo da bola com os pés, invenção dos ingleses, quando a bola rola em campo, “palavras são meras firulas” – assim comenta o autor.

  *

  Em “Historiando as Copas”, Barrêto (é também chamado pelos colegas do jornalismo de Barretinho) em sua narrativa vai além dos jogos, dos lances, dos ídolos, dos vencedores e derrotados, e acrescenta dados sobre as circunstâncias em que aconteceram cada uma das 22 competições – a política, a economia mundial, “as artes e as artimanhas dentro e fora dos gramados” nesse maior espetáculo esportivo do planeta.

  Lembrando, ainda, aos leitores que não estão familiarizados com o futebol, que o Brasil é o país que esteve presente em todas as Copas, já sediou duas delas, em 1950 e em 2014, e detentor de cinco taças (penta campeão), mas perdeu para o Uruguai, em 1950, na final que ficou conhecida como o “Maracanazzo” uruguaio; e a de 2014, humilhado pela Alemanha naquele 7×1 onde a seleção brasileira sequer esteve na final.

  A história da seleção brasileira, no entanto, é brilhante e o autor mostra isso na conquista de 1958, na Suécia, imortalizada com o refrão “a taça do mundo é nossa” e a chegada de Pelé ao mundo do futebol; a de 1962, no Chile, o bicampeonato em que Mané Garrincha entortou laterais e zagueiros; o tri de 1970, no México, onde prevaleceu a arte, a ginga e a categoria do futebol brasileiro com Pelé no auge; o tetra em 1994, nos Estados Unidos; e o penta na Ásia, em 2002. Isso dito com detalhes, com a formação das equipes, os técnicos, os jogadores, todo um trabalho de pesquisa histórica.

*

  Veja o que ele narra sobre a Copa de 1930 que aconteceu no Uruguai: “O Brasil foi para a Copa do Uruguai com uma equipe muito enfraquecida por conta da briga bairrista dos cartolas do Rio x São Paulo. Os paulistas ressentidos com os cariocas que já comandavam o jogo, não cederam seus atletas e, por essa picuinha, ficou de fora do escrete, por exemplo, o atacante goleador Arthur Friendereich, mulato, o Pelé da época, um dos maiores artilheiros da história”.

  Em 1934, Copa na Itália, “sob os auspícios do ditador Benito Mussolini, o ‘grande lider’ idolatrado pelos italianos e abençoado pelo Vaticano, o Duce (chefe e todo poderoso) do Partido Nacional Fascista” época em que o Brasil era governador por Getúlio Vargas, deu Itália como campeã. Segundo Barrêto, “a Itália, favorecida por arbitragens escancaradamente caseiras, ganhou o título para delírio de Mussolini e seus seguidores, os ‘camisas negras'”. 

 Em 1950, aconteceu o “Maracanazzo”, a seleção brasileira da época do general Eurico Gaspar Dutra com Barbosa, Juvenal Amarijo e Zizinho sob o comando do técnico Flávio Costa e com a mão na taça, jogando em casa, no Rio de Janeiro, perdeu para o Uruguai de Ghiggia, Obdúlio Varela e Tejera, o que teria gerado, segundo o cronista Nelson Rodrigues, a “síndrome do cachorro vira-latas” – um complexo de inferioridade doentio superada em 1958 com Garrincha, Pelé, Didi e Vavá vencendo a Copa da Suécia.

*

 O trabalho de ZédeJesusBarrêto é um primor, uma narrativa perfeita de todas as copas do mundo, da imbatível Hungria que caiu para a Alemanha, em 1954; do futebol força dos ingleses – seleção campeã de 1966; da vitória Argentina na copa da ditadura, em 1978; da França de Zidane campeã de 1998; da Itália de Buffon tetracampeã de 2006; da Espanha vencedora da copa na África do Sul, 2010; e do tri dos argentinos com Messi, a consagração deste grande atleta no Catar, em 2022.

  A recomendação para ter esse livro é plena, um compêndio de cabeceira e de permanente consulta do mundo da bola jogada com os pés.

**

(A Ojuobá Editora e o BahiaJá têm no comando o jornalista-escritor Tasso Franco)

                                                                                                       maio/2023

ÚLTIMAS NOTÍCIAS