21.5 C
Brasília
quarta-feira, 12 junho, 2024

Habanos, história e seu exército de fumantes

Havana, (Prensa Latina) Mais de 500 anos se passaram desde que Cristóvão Colombo conheceu o tabaco na América Latina, observando homens e mulheres inalando a fumaça de cilindros de folhas secas, que por sua vez eram utilizadas para diversos fins.

Por: Roberto F. Campos

Jornalista da Editoria de Economia, Prensa Latina

Em 28 de outubro de 1492, com a chegada do explorador à costa nordeste da ilha de Cuba, Holguín, o uso da planta já estava difundido em todo o continente, e quase todas as tribos já tinham contato com o tabaco.

Utilizavam-no em suas cerimônias mágicas e religiosas, os xamãs para entrar em transe e entrar em contato com o mundo dos espíritos; na medicina, faziam cataplasmas para curar problemas de pele e algumas tribos até os consumiam como alimento.

Acredita-se que o Nicotianatabacum seja nativo do planalto andino e sua chegada ao Caribe remonte a cerca de dois mil a três mil anos antes de Cristo.

É uma planta da família das beladonas, e existem cerca de 50 espécies conhecidas, mas apenas duas são cultivadas comercialmente: Nicotianatabacum e Nicotiana rustica.

Como resultado do intenso contato dos aborígenes com o tabaco, os espanhóis se depararam com uma infinidade de palavras que o designavam, cada uma em uma língua ou dialeto diferente: yoli, petum, picietl, cumpai e tobago.

Segundo pesquisas, as primeiras folhas de tabaco foram trazidas ao continente europeu pelo governador espanhol da ilha de Santo Domingo Hernández de Oviedo (1478-1557).

Outros estudos indicam que, aparentemente, a propagação do tabaco se deve ao facto de o embaixador francês em Lisboa, Jean Nicot, (1530-1600) ter aconselhado a sua utilização a Catarina de Médici para curar as suas enxaquecas, que também proclamou propriedades medicinais benéficas que não foram demonstradas. .

Com o tempo virou moda entre as classes abastadas devido às inúmeras propriedades curativas e quase milagrosas que lhe eram atribuídas, mas ainda não era consumido na forma de cigarro, mas sim em pó fino para cheirar.

Mas foi só no século XIX que a primeira indústria do tabaco, a de Cuba, realmente descolou. Surgiram uma infinidade de Chinchales (pequenas oficinas de enrolar charutos) e durante a segunda metade do século as grandes marcas clássicas começaram a se consolidar.

A partir de 1889, a fabricação de charutos começou de forma mecânica, introduzida pelo novo sistema de prensagem de enchimento curto Farias.

A evolução das marcas foi contínua, e continua, algumas surgem e outras antigas desaparecem até que em 1959, com o triunfo da Revolução Cubana, a indústria do tabaco foi reorganizada.

Estas são algumas origens daquela folha que sem dúvida reina em Cuba, considerada por especialistas de todo o mundo como os melhores charutos Premium do mundo.

GALERIA DE FAMOSOS FUMADORES DE HAVANA

Mentes exaltadas resolveram suas solidões ou momentos de meditação com um charuto. Isto é bem ilustrado por retratos históricos que mostram políticos, artistas, soldados, comerciantes ou mesmo atletas muito descontraídos desfrutando de um charuto e, em particular, de um tabaco cubano.

A fumaça do tabaco acompanha muitas celebridades nos momentos mais íntimos, nas meditações e até nos sucessos, pois alguns declararam oportunamente que os charutos os ajudavam a resolver enigmas e problemas, ou simplesmente a criar.

O amor de um ator americano por Cuba

Alguns casos ficaram para a posteridade, desde Samuel Clemens, o brilhante Mark Twain da literatura norte-americana, até ao mais emblemático de todos, Sir Winston Churchill, que foi primeiro-ministro britânico e disse que sempre carregou nos lábios parte de Cuba, país que visitou em uma ocasião.

Sigmund Freud, o polêmico psicanalista, mesmo quando gravemente doente, nunca desistiu dos charutos; Lord Byron, Victor Hugo e Charles Baudelaire seguiram seus passos na hora de soprar fumaça, junto com compatriotas mais modernos que vimos fumando em La Casa del Habano de Partagás, como o ator francês Gerard Depardieu.

O lendário guerrilheiro cubano-argentino Ernesto Che Guevara sempre foi visto ou retratado com um charuto nos lábios, geralmente já desgastado, mas companheiro inseparável de suas ações.

É claro que um fumante relevante foi o líder da Revolução Cubana, Fidel Castro.

E o que podemos dizer de Henry James, Charles Dickens e Honore de Balzac, ou do simbólico George Sand, destacando assim a liberdade das mulheres. Mas continuemos com pintores como Pierre-Auguste Renoir, Edouard Monet ou Pablo Picasso.

A galeria está repleta de músicos como Frannz Liszt, George Bizet e Maurice Ravel ou os cientistas Albert Einstein e Thomas Alva Edison.

Existem muitos políticos, desde os americanos John Quincy Adams ou John F. Kennedy, que enviou o seu assistente para recolher todos os charutos possíveis antes de promulgar a sua lei para proibi-los nos Estados Unidos, até Bill Clinton.

A fumaça em massa emanava do cinema com Charles Chaplin, Groucho Marx, Jean Paul Belmondo ou Arnold Schwarzenegger, que esteve em Cuba há vários anos para fumar charutos de verdade.

E se olharmos, bem, Orson Welles, Alfred Hitchcock, Francis Ford Coppola, Robert De Niro, Robert Duval, Pierce Brosnan, o 007 anterior, e até mulheres como Demi Moore e Whoopi Goldberg.

Mas a visita de Jack Nicholson a Cuba foi incomparável: ele passou todas as tardes dos seus quatro dias em Havana, na La Casa del Habano, em Partagás, fumando seus charutos cubanos favoritos.

A lista é enorme, bons e maus, piratas e vigilantes, gente dos sete mares, antigos e modernos, todos unidos pela graça de uma galeria de celebridades, abençoadas pelo tabaco, especialmente o tabaco cubano.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS