21.5 C
Brasília
quarta-feira, 12 junho, 2024

Governo trabalha para que sanções não impactem setor privado brasileiro, diz Haddad à Sputnik Brasil

© AFP 2023 / Michele Spatari

Sputnik – Nesta quarta-feira (23), o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, participou de uma coletiva de imprensa às margens da 15ª Cúpula do BRICS em Johanesburgo e respondeu sobre sanções lançadas contra Moscou e Pequim e seus impactos no Brasil.

O minstro foi indagado pela Sputnik Brasil sobre como o governo brasileiro – mesmo não tendo escolhido aplicar sanções contra Rússia e China – pretende garantir segurança para o investidor privado, uma vez que o setor teme fazer negócios com esses países por medo de sanções secundárias.
Na visão de Haddad, a diplomacia brasileira faz o seu melhor não só na busca pela paz, ou seja, para colaborar com o fim do conflito, mas também para proteger a economia brasileira neste momento de tensão geopolítica.
Para o chefe da Fazenda, a busca por uma solução também passa pelas sanções, até porque “a questão econômica com a China também inspira esse tipo de cuidado”, mas isso não deve ser temido visto que “o Brasil sempre concorre da maneira diplomaticamente mais adequada […] agindo, mesmo em tempos sombrios, a favor do interesse brasileiro e da imagem do Brasil no exterior”, respondeu.

“Acredito que o Itamaraty faz um grande trabalho no sentido de minimizar os efeitos dos conflitos externos sobre a economia brasileira e sobre o funcionamento político do Brasil no cenário internacional. […] A condução da diplomacia brasileira tem sido impecável, sempre tentando driblar os constrangimentos”, respondeu Haddad à Sputnik Brasil.

O ministro considera que esse movimento do Itamaraty faz com que o país ganhe não só “do ponto de vista econômico“, mas também “se posiciona bem como mediador, valorizando a liderança do presidente Lula”, complementou.
Lula na Cúpula do BRICS, 22 de agosto de 2023 - Sputnik Brasil, 1920, 23.08.2023

Cúpula do BRICS 2023

Cúpula do BRICS: ‘Brasil não contempla fórmulas unilaterais para a paz’ na Ucrânia, diz Lula (VÍDEO)

Apesar da pressão ocidental para que países do Sul Global, principalmente o Brasil, aderissem a sanções contra Moscou – promovendo inclusive encontros para que a retórica em relação ao conflito seja mais alinhada a seus interesses, como a última cúpula da Arábia Saudita – Brasília se mantém neutra em relação à situação, não só no campo político como no econômico, optando por não lançar sanções até o momento.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS