Brasília, 26 de novembro de 2021 às 08:42
Selecione o Idioma:

Equador

Postado em 02/10/2021 7:45

Governo do Equador mobiliza 3.600 militares e polícias para ‘garantir a segurança’ nas prisões

.

AMÉRICAS

Sputnik – O governo de Guillermo Lasso, presidente do Equador, anunciou uma série de medidas para evitar mais confrontos como os de quinta-feira (30), que deixaram, pelo menos, 118 pessoas mortas.

Foram mobilizados cerca de 3.600 militares e policiais para todo o sistema prisional do país, de modo a “garantir a segurança” nas instalações, de acordo com a ministra do Interior, Alexandra Vela.

“O governo está mobilizando permanentemente 3.600 membros da Polícia Nacional e das Forças Armadas em todas as prisões do Equador diariamente”, disse Vela em uma coletiva de imprensa, na capital Quito, citada pelo portal Infobae.

Esta nova medida visa descongestionar o sistema penitenciário equatoriano, cuja capacidade é para 30 mil detentos mas que há vários anos enfrenta uma crise devido a uma superlotação de 30%, falta de guardas, orçamento reduzido, corrupção e guerra entre gangues com conexões ao tráfico de drogas mexicano e colombiano.

Na prisão onde ocorreu o confronto mortal estão presas 8.500 pessoas, tendo uma superlotação que chega a 60%, de acordo com os números oficiais. Em prisões como essa, é comum existirem motins com armas de fogo entre gangues rivais com ligações ao tráfico internacional de drogas e que lutam pelo poder entre si mesmas.

Parente de preso aguarda notícias fora da Penitenciária del Litoral em Guayaquil, Equador, 29 de setembro de 2021
© AP PHOTO / ANGEL DEJESUS
Parente de preso aguarda notícias fora da Penitenciária del Litoral em Guayaquil, Equador, 29 de setembro de 2021

No ano passado, a prisão foi epicentro de lutas sangrentas entre gangues ligadas ao tráfico de drogas, pelo que o Serviço Nacional de Atenção Integral a Pessoas Adultas (SNAI, na sigla em espanhol) vai “se concentrar no controle total” da prisão, e “incluir entre as medidas de segurança o escaneamento de cargas para evitar o contrabando de armas”, citado na matéria.

O complexo penitenciário também deverá ser reabilitado e os prisioneiros serão colocados em diferentes alas para evitar atos violentos.

A ministra do Interior também anunciou, em uma ação coordenada com o Município de Guayaquil, que os locais de sepultamento serão entregues às famílias dos detentos que foram mortos, e que lhes será oferecido “acompanhamento” através dos Ministérios da Saúde e da Inclusão Social.

Comentários: