14.5 C
Brasília
terça-feira, 11 junho, 2024

Governo da Colômbia e ELN, conquista de um primeiro acordo justo

Bogotá (Prensa Latina) A assinatura do acordo sobre o primeiro ponto da agenda dos Diálogos de Paz entre o Governo da Colômbia e o Exército de Libertação Nacional (ELN) marca hoje um marco nas negociações entre ambas as partes.

O acontecimento foi descrito, precisamente, como um acontecimento histórico pelo representante especial do Secretário-Geral e chefe da Missão de Verificação da ONU na Colômbia, Carlos Ruiz, que também reconheceu que só uma paz construída a partir da sociedade pode ser sustentável e duradoura. Chegar a este ponto das negociações não foi isento de conflitos, alguns deles até aparentemente inconciliáveis ​​entre as partes.

Um dos momentos de tensão mais recentes teve a ver com a decisão de congelar as conversações programadas para abril passado na Venezuela pelo ELN, em protesto contra uma alegada operação de desmobilização levada a cabo pelo Governo em Nariño (sudoeste).

No entanto, uma delegação desse grupo insurgente participou numa reunião extraordinária realizada de 12 a 22 de abril em Caracas, após a qual anunciou que se reuniria novamente com o seu homólogo em maio.

Mais tarde, na primeira semana deste mês, o ELN informou que iria retomar a prática de retenções económicas em resposta ao incumprimento por parte do Governo da criação e implementação do Fundo Multidoadores para o Processo de Paz, como alegava.

Nessa altura, a delegação governamental na Mesa de Diálogo instou aquela guerrilha a manter o compromisso assumido com a sociedade e a comunidade internacional de acabar com as retenções, ao mesmo tempo que esclareceu que o objectivo do referido fundo não pretendia ser uma compensação pela suspensão. de sequestro.

Mais recentemente, o ELN atribuiu o surgimento do que chamou de “suposta dissidência” daquela estrutura guerrilheira em Nariño a um plano organizado pelo gabinete do presidente, Gustavo Petro, e oficializado pelo seu alto comissário para a Paz, Otty Patiño.

A delegação governamental classificou então como ficção e autoengano que o ELN atribuísse a existência do que chamou de crise interna daquela estrutura a uma estratégia do aparelho executivo, e que culminou na separação do grupo liderado por Gabriel Yepes, que Ele se identifica como chefe da Frente Comunitária Sul.

Porém, e apesar dos constantes atritos, no dia 25 de maio foi assinado na capital da Venezuela o primeiro ponto concebido no acordo que reconhece o desenvolvimento do processo de participação da sociedade na construção da paz.

O comunicado divulgado após a assinatura explicava que para iniciar esse caminho de busca de vozes, ações, saberes e métodos, foi formado o Comitê Nacional de Participação (CNP), espaço que, a partir de uma lógica coletiva, desenhou e promoveu a realização de 78 pré -reuniões e reuniões nacionais e regionais.

Explicou que destas reuniões participaram 8.565 representantes de organizações sociais de 30 setores; bem como 3.217 associações em todas as regiões do país, 19 prisões e a diáspora em 14 países da América Latina, América do Norte e Europa.

O resultado deste processo é um Desenho de Participação, um Plano Nacional e algumas recomendações, afirma o comunicado divulgado, e afirma que o conjunto de documentos estará à disposição da sociedade para consulta.

O objetivo de envolver os cidadãos neste processo é construir uma agenda de transformações para a paz, promovida a partir de uma aliança social e política que conduza a um grande Acordo Nacional para superar o conflito político, social, económico e armado.

“Sabemos que a paz não se constrói no esquecimento e na impunidade e que a voz das vítimas é fundamental neste processo e na legitimidade dos acordos”, afirmaram os delegados do governo colombiano e do ELN em seu comunicado.

Finalmente, apesar das duras recriminações de ambos os lados nos últimos meses, as partes conseguiram chegar a acordo sobre uma questão crucial.

Como reconheceram, “a paz na Colômbia requer todas as vozes, todos os povos, comunidades, pessoas, processos e formas de construir uma nação

ÚLTIMAS NOTÍCIAS