19.5 C
Brasília
quinta-feira, 30 maio, 2024

Geopolítica e traição, dolorosa experiência palestina

Havana (Prensa Latina) As guerras acumulam extensos registros de desolação e enquanto a paz se reduz a desejos cada vez mais utópicos e nebulosos; A violência parece ser imposta como instrumento de ajustamento contemporâneo, como no desejado Orinte Médio.

Por: Julio Morejón Tartabull
Editorial África e Oriente Médio 

Quando as potências vencedoras da Primeira Guerra Mundial dividiram a região oriental com a desapropriação das colónias otomanas, nasceram a Jordânia, o Iraque, o Líbano, a Arábia Saudita e a Palestina.

Contudo, por trás dos esforços patrióticos de descolonização havia planos para controlar os excessos e evitar que os interesses neocoloniais fossem ameaçados, o que reforçaria então a descoberta e exploração do petróleo.

Na verdade, a importância da área aumentou significativamente à medida que a influência turca antes da guerra, quando tinha autoridade sobre territórios na Europa, África e Ásia, perdeu força.

O reordenamento geopolítico promovido pela França e pelo Reino Unido, juntamente com o nacionalismo em voga desde finais do século XIX, aceite como útil para promover um Estado “tampão” pró-ocidental nas terras do Islã, para enfiar ali uma lança reaccionária .

Em 1897, o Primeiro Congresso Sionista reuniu-se em Basileia (Suíça), que reuniu diversos interesses na vida social e económica dos judeus residentes no Velho Continente, defendeu o fortalecimento da exclusividade ideológica daquela comunidade e a conquista de um “lar” na Terra. Papai Noel.

A figura proeminente do encontro foi o jornalista e escritor austro-húngaro Teodoro Herzl, que desencadeou uma campanha pela criação de um Estado confessional, aparentemente solidário mas refratário na sua essência.

Vinte anos depois do acontecimento e em plena Primeira Guerra Mundial, o primeiro-ministro britânico Arthur James Balfour emitiu um comunicado que, às custas dos habitantes árabes do local, apoiou decisivamente a ideia de estabelecer ali uma entidade judaica.

PARTIÇÃO DA PALESTINA

Com a emigração judaica para a Palestina sob mandato britânico (1922-1948) concedido pela Liga das Nações, aqueles povos da Europa Central e Oriental, do Mediterrâneo e do Norte de África foram favorecidos, mas a espiral de crescimento populacional impediu mudanças na disposição demográfica. .

“Em Novembro de 1947, a Assembleia Geral da ONU aprovou a divisão do território sob mandato britânico, a que se seguiu uma guerra até 1949 e a construção do Estado Árabe foi suspensa. Em 1948, Israel criou o seu próprio”, cita contralinea.com.mx.

A fractura territorial foi seguida pelo primeiro conflito árabe-israelense (1948-1949) que reuniu tropas do Egipto, Iraque, Líbano, Síria e Transjordânia (mais tarde Jordânia) contra o recém-proclamado Estado Judeu, apoiado pelo Ocidente.

Esta ruptura constitui um dos eixos do conflito árabe-israelense e dificulta a estabilidade sub-regional, palco de cinco guerras e trinta operações militares perpetradas por Tel Aviv nos últimos anos contra a Palestina.

A aliança político-militar de Israel com o Ocidente tornou-lhe mais fácil derrotar os exércitos árabes, conseguir representação no Médio Oriente e ser membro das Nações Unidas (ONU).

Segundo Ale Kur no site digital Primera-linea.com.ar, na década de 1920 a presença árabe na área era de 93%, enquanto a população judaica era de apenas sete, proporção que os sionistas tentariam transformar com a Nakba, um dos episódios mais dolorosos sofridos pelo povo palestiniano.

A Nakba ou catástrofe foi a expulsão dos palestinianos das suas terras e a expropriação de outras propriedades através do terror, um método semelhante ao utilizado pelos nazis durante o Holocausto (1941-1945) contra os judeus na Alemanha e na Europa ocupada.

Foi um crime contra a humanidade ao deslocar à força a população civil do seu habitat, o que Israel pretende repetir em 2024 contra os residentes da Faixa de Gaza com bombardeamentos aéreos e ataques terrestres.

Desde então e através da violência, as administrações hebraicas (sem levar em conta nuances de direita ou esquerda) assumem um programa único de geofagia e estabelecimento de assentamentos no solo árabe sequestrado.

ACORDO SYKES-PICOT

Em maio de 1916, com o acordo Sykes-Picot, Londres e Paris dividiram o espaço levantino colonizado pelo Império Otomano; As cláusulas secretas foram posteriormente divulgadas pela imprensa russa; alguns estudiosos relatam que foram vazadas por Leon Trotsky, de origem judaica;

Os termos do pacto assinado pelo inglês Mark Sykes e pelo francês François Georges-Picot, sem levar em conta os interesses árabes, foram o preâmbulo do advento neocolonial na transição do primeiro pós-guerra mundial.

Outro acordo franco-britânico-otomano a este respeito foi assinado na cidade francesa de Sèvres em 1920, que reconheceu a derrota turca na guerra e a sua realeza aceitou o desmantelamento do seu espaço colonial, mas esse acordo nunca foi ratificado.

Embora o primeiro conflito árabe-israelense tenha demonstrado capacidade militar hebraica, o seu perfil anti-árabe foi definido pelo papel gendarme desempenhado ao lado da França e do Reino Unido na crise do Canal de Suez em 1956.

Nesse ano, o Egito do líder Gamal Abdel Nasser nacionalizou a rota marítima estratégica, cuja importância é vital para o comércio e a comunicação entre três continentes: Ásia, África e Europa, bem como a sua repercussão nas Américas.

“61 por cento da atual frota mundial de petroleiros, 92 por cento dos navios de carga a granel (carga completa) e cem por cento dos navios porta-contêineres, transportadores de veículos e navios de carga geral podem passar pela rota”, disseram as autoridades, citadas pela BBC. .com.

Juntamente com Israel em 1956, as duas potências europeias atacaram o Egipto. Assim, Tel Aviv, com a operação do Canal de Kadesh ou Suez, tornou-se um guardião credível dos interesses ocidentais na sub-região estratégica.

O conflito de 1956, tempos da Guerra Fria, surgiu devido aos esforços soviéticos e americanos, e diferenciou-se dos desenvolvimentos da guerra anteriores à Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando não havia pressão do campo socialista.

No entanto, 70 anos depois do Primeiro Congresso Sionista e 50 anos depois da Declaração Balfour, Israel desencadeou outro conflito baseado na Operação Paz para a Galileia, a Guerra dos Seis Dias, mas a resistência armada palestina já estava em cena.

(Continua)

ÚLTIMAS NOTÍCIAS